10 de jul de 2017

TUMULTO - Conflitos Sociais (EP)


2017
Selo: Independente
Nacional

Nota: 9,0/10,0

Tracklist:

1. Realidade
2. Massacrados
3. Corrupto
4. Conflitos Sociais
5. Humanidade
6. Sociedade é uma Prisão
7. Meu Filho
8. Desconstrução
9. Medo


Formação:


Germano Duarte - Vocais, guitarras
Rafael Feldman - Baixo
Marcio Duarte - Bateria


Contatos:

Site Oficial:
Bandcamp:
Assessoria: http://roadie-metal.com/tumulto/ (Roadie Metal Press)


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Existem discos que conseguem transcender o tempo, que são sempre atuais por conta da identidade musical da banda que o lança. Alguns se tornam pedras angulares de seus estilos, enquanto outros ficam dentro do underground, virando “cult” para muitos fãs que conseguem ter acesso à obra. Agora, quando um disco como “Conflitos Sociais”, da banda TUMULTO, de Foz do Iguaçu (PR) nos chega às mãos, é preciso ter todo respeito possível pela obra.

O trio foi fundado em 1991, logo, possui uma longa experiência em seus ombros. Tendo raízes no Punk Rock e no Hardcore, o grupo foi migrando cada vez mais para o Crossover e o Thrash Metal conforme a formação foi se alterando com o passar dos anos. Mas verdade seja dita: ouvimos uma mescla entre o passado e o presente, sem existir contradição, apenas evolução. E “Conflitos Sociais” é um disco regravado, ou seja, tem a fúria da época de seu lançamento (1992, quando saiu como um Split dividido com a banda MORTHAL), mas a gravação mais atualizada, o que nos permite ver como a banda evoluiu.

Ou seja, “Conflitos Sociais” mostra que o TUMULTO continua raivoso e indomável, como há 25 anos.

Emerson Pereira (do EMBRIO) fez a produção desse remake de “Conflitos Sociais” (que originalmente foi produzido por Rédson, do CÓLERA), que teve Anderson Vieira fazendo a mixagem e masterização. Óbvio que a qualidade é muito superior ao original, mas sabendo manter a agressividade orgânica do trio intecta, apenas optando por uma gravação mais seca e bem feita, mas com timbres muito ríspidos e claros, dando definição sonora ao trabalho do trio. E é bom citar que o trabalho teve suporte da Fundação Cultural Foz do Iguaçu.

A arte é uma releitura da original, sendo que Elielcio Dreher (da Elicartoon) deu uma melhorada sensível, e o acabamento ficou ótimo. O encarte está muito bem feito, com tudo nos devidos lugares.

E podem ir se preparando, pois o objetivo do TUMULTO é criar um Crossover caótico e empolgante, de deixar o pescoço dolorido e de desencadear moshpits insanos. A energia que flui das músicas do trio é algo de absurdo bem como sua agressividade natural, mas tudo encorpado Graças à sonoridade mais bem acabada. A banda não faz algo extremamente rebuscado em termos técnicos, pois nem é preciso: as músicas de “Conflitos Sociais” são ótimas como elas estão aqui.

Riffs insanos, solos com boas harmonias, baixo e bateria firmes na marcação e criando uma base rítmica sólida, e vocais raivosos muito bem assentados são os elementos que o TUMULTO usa, logo, se deixem entrar nesse caos que só faz bem aos nossos ouvidos.

Melhores momentos:

“Realidade” - Guitarras com riffs raivosos à lá “Show No Mercy” e vocais insanos, tudo coeso e firme sore um andamento que não é lá extremamente veloz (e nem precisa ser), e a energia é de deixar o queixo caído.

“Massacrados” - Se preparem, pois essa canção é empolgante, justamente porque o ranço HC/Punk do grupo está evidenciado em boas linhas melódicas e no trabalho de primeira de baixo e bateria. É ouvir e sair cantando junto!

“Corrupto” - Aqui, mesmo com vocais tão ferozes, se percebe uma linha harmônica mais próxima ao Post Punk em alguns momentos, já que a simplicidade de arranjos e melodias envolventes são grudentas de uma forma ótima.

“Conflitos Sociais” - Um Thrash/Crossover de trincar os dentes, empolgante e cheio de riffs envolventes. Não dá para ficar parado!

“Humanidade” - Uma introdução ótima, com riffs e peso bem “sabbáthicos”, andamento em velocidade mediana, mas logo aquele ritmo mais Punk/HC empolgante e que nos leva ao pogo começa e nos arrasta, causando torcicolos. Mais uma vez, a base rítmica está ótima, além de belos backing vocals Punk.

“Sociedade é uma Prisão” - Outra com forte ranço Hardcore/Punk de raiz, com certo que de RDP antigo. Andamento nada veloz, peso absurdo e belos arranjos de baixo e bateria, sem mencionar que os riffs estão muito bem.

E não, não acabou. Como aqui temos um álbum, a banda nos concedeu as versões insanas para “Meu Filho” (do CÂMBIO NEGRO HC), “Desconstrução” (do AÇÃO DIRETA) e “Medo” (um dos hinos do CÓLERA), todas elas mostrando claramente que HC e Thrash Metal têm tudo um com o outro.

Se já conhece a versão original de “Conflitos Sociais”, eis uma hora boa para ver e ouvir como a banda evoluiu, mas continua consensual. Mas não conhece o TUMULTO, nunca é tarde e eis uma ótima oportunidade!

Um puta disco!

Comentário(s):