20 de jan de 2013

Chaos Inc - Death Train (EP)



Independente - Nacional
Nota 8

Por Marcos Garcia

Meus caros, se vocês andavam buscando algo que fosse brutal e técnico ao mesmo tempo, podem parar, pois o quarteto CHAOS INC é a resposta a sua busca.

Imaginem uma banda que consegue mixar uma brutalidade extremada com técnica, e tudo isso sobre uma torrente de vocais abusivamente guturais (mas muito bem postados), riffs e solos de guitarra rápidos, agressivos e técnicos, e base baixo-bateria que chega a ser desgracenta de tão veloz e pesada, mas ao mesmo tempo, rica e diversificada em vários aspectos. É, chegaram perto do que estes sujeitos fazem.

Produzido por Zozi Fernando e Michel Marcos (que também fez mixagem e masterização) nos M&H Studios, no Datribo Studios e alguns takes nas casas dos membros da banda, é preciso atentar que o som, apesar da explosão de agressividade e brutalidade, é bem gravado, dando ênfase ao aspecto mais grave, mas sem que algum dos instrumentos fique sobreposto pelos outros.

Sonoramente, como dito antes, a sensação que temos é que as três faixas desse EP são uma massiva explosão de brutalidade, porque a banda realmente não se furta de usar da máxima esporreira sonora para executar canções absurdamente brutais. 'Bloody Victory' é um atentado de tanta brutalidade, com a bateria à velocidade extrema, mas sem perder a técnica, e riffs muito rascantes; a rápida 'Death Train' é um mix perfeito entre agressividade brutal e técnica, com ótimas vocalizações urradas; e fechando a trinca, temos 'Despair and Pain', que mantém a velocidade excessiva, e é tão pedrada como as outras duas faixas, mais uma vez se destacando a cozinha.

Se querem brutalidade, tenham certeza: o CHAOS INC é a banda certa para vocês, e este EP pode ser baixado gratuitamente aqui.

Em tempo: o baixista/vocalista James não está mais na banda, sendo que o próprio Michel o substituiu em um show no ano passado.


Bloody Victory


Tracklist:

01. Bloody Victory
02. Death Train
03. Despair And Pain


Formação:

Daniel Koervo - Bateria
Zozi - Guitarras
Maicon Alves - Guitarras
James - Baixo e vocais



Contatos:


JackDevil - Faster Than Evil (CD)



Independente - Nacional
Nota 10

Por Marcos Garcia

E os 'Thrash Demons' do JACKDEVIL, quarteto thrasher de São Luís (MA), estão de volta, enfim, com seu novo trabalho, 'Faster Than Evil', dispostos a fazer paredes tremerem, ouvidos não iniciados sangrarem e destruir pescoços inclementemente.

Neste novo CD, a banda novamente apresenta a fórmula que os levou a serem considerados uma das revelações do Metal Nacional de 2012, ou seja, a mistura de um Thrash Old School bem forte e maciço com influências da NWOBHM, ou seja, um trabalho agressivo e intenso, mas com melodias bem definidas, e podemos perceber que o trabalho da banda está um pouco mais bem gravado que em seu trabalho anterior, 'Under the Satan Command', e talvez por este motivo, as melodias estejam mais evidentes que antes. Mas cuidado, isso não tirou a brutalidade e rispidez sonora do quarteto, longe disso. Podemos dizer que está mais bem equilibrado que antes.

A produção, feita em conjunto pelo quarteto, em conjunto com Cid Campêlo e Felipe Hyily, como dito antes, está em um nível melhor que o trabalho anterior, o que nos permite observar com ainda mais clareza a música cheia de vitalidade e com detalhes em cada música que enriquecem demais seu trabalho, aqueles famosos detalhes que fazem a diferença, e que estão bem audíveis, ou seja, mais uma vez esses cangaçeiros do Thrash Metal optaram por investir em uma gravação atual que deixa seu trabalho em um patamar além de muitas bandas da Old School que buscam as técnicas de gravação dos 80. Já a arte está bem simples, mas muito legal e bem feita, que deixa a impressão que ao ouvir o disco, lá vem massacre. E isso é uma afirmação verdadeira.

E preparem pescoços, pois ao pôr o disco para tocar, saiam de baixo, pois os sujeitos não estão para brincadeiras!

O CD abre com a ótima 'Faster Than Evil', com riffs e solos animais em uma canção rápida e agressiva até os ossos, mas mesmo assim, as melodias da banda estão bem evidentes, mesma fórmula usada em 'Flashlights', mais uma vez com riffs esmagadores, mas com ótimos vocais e backings muito bem sacados; 'Bastards in the Guillotine' é introduzida com teclados, para logo virar um apocalipse de guitarras rugindo feio, em uma música de velocidade não tão extrema, onde o trabalho da bateria e do baixo se sobressaem bastante pela diversidade de seu arsenal; 'Scream for Me' tem uma pegada bem 'motorheadiana' contagiante, com ótimo refrão e que é permeada por uma aura bem Metal Tradicional o tempo todo; e 'Night of the Killer' é uma faixa menos Thrash e mais voltada à NWOBHM, já que as estruturas harmônicas da banda transpiram suas influências tradicionais, pois o andamento um pouco mais lento do que as anteriores privilegia tal fato, mas justamente por isso mesmo, empolga demais o ouvinte, que se vê balançando a cabeça, graças ao trabalho bem homogêneo da banda como um todo em sua execução.

É, eles vieram para ficar, e ainda bem por isso, pois o Metal nacional agradece. E comoa banda o disponibilizou para download gratuito, ele pode ser baixado aqui.

Bastards in the Guillotine

Tracklist:

01. Faster than Evil
02. Flashlights
03. Bastards in the Guillotine
04. Scream for Me
05. Night of the Killer


Formação:

André Nadler - Vocais e guitarras
Ricardo Andrade - Guitarras
Renatão - Baixo
Filipe Stress - Bateria


Contatos:


Huldre - Intet Menneskebarn (CD)



Independente - Importado
Nota 9

Por Marcos Garcia

Mais que nunca, parece estar existindo uma autêntica invasão do Folk Metal vinda da Europa, com cada vez mais bandas abordando o estilo, fato talvez relacionado ao crescimento do interesse (e consequente busca) dos valores e tradições pagãs do passado, ou seja, o crescimento do Folk Metal pode ser apenas um aspecto de um evento cultural maior e mais amplo.

E mais uma banda a trilhar os caminhos do Folk Metal é o sexteto dinamarquês HULDRE, após um Demo CD, chega com seu primeiro Full Lenght, 'Intet Menneskebarn'.

Antes de tudo, é bom ressaltar que o HULDRE não só usa de temática (cantada em dinamarquês) e elementos da Folk Music de seu país, bem visto pelo uso (muito bem feito, diga-se de passagem) de instrumentos característicos do estilo (flauta, violino, sanfona de cordas) e pela forma de cantar de Nanna (que além de bela, mostra uma grande diversidade, ora melodioso, ora mais Folk, e ora um pouco mais agressivo), mas sabe pegar bem pesado, com riffs de guitarra muito fortes e bastante empolgantes, base baixo-bateria sólida e com boa técnica. Se por um lado a banda não chega a ser inovadora, por outro lado tem personalidade e energia de sobra, em um trabalho extremamente coeso e equilibrado, onde a banda se preocupa em soar como um todo, sem virtuosismos individuais que poderiam estragar o charme de sua música.

Produzido pelo sexteto em conjunto com Lasse Lammert, a gravação apresenta um nível muito bom, deixando que cada instrumento fique claro e audível, sem mutilar nenhum aspecto sonoro do grupo e permitindo que o detalhamento de cada faixa fique bem evidente e audível. A arte, feita por Kristina Tandrup Gittesdatter e apresentada no formato Digipack, apesar de não ser nada extremamente complexo, mas muito bem trabalhado e agradável aos olhos, ao mesmo tempo em que complementa o que iremos ouvir.

Por falar em audição, o que podemos dizer é que o CD todo é bem homogêneo, mantendo um nível muito bom por toda sua execução, destacando-se as faixas 'Ulvevinter', com uma boa cadência e peso, se destacando as belas vocalizações Folk e as harmonias entre violinos e guitarras; a um pouquinho mais Folk 'Trold', embora a bateria mostre um trabalho pesado e bem técnico; a pesada e empolgante 'Brandridt', onde as guitarras se destacam bastante, mostrando riffs que grudam nos ouvidos e não saem mais; a mais agressiva (graças ao uso do 1 X 1 da bateria, bem como as intervenções de bumbos duplos) 'Vaageblus', que é uma faixa mais pesada e puxada para o Metal, com alguns elementos mais complexos aqui e ali; a ótima instrumental medieval 'Spillemand', onde a mistura Metal+Folk está muito bem equilibrada; a adaptação de 'Knoglekvad', uma música tradicional dinamarquesa, que ganhou uma roupagem pesada e bem intensa; e a forte e dinâmica 'Skærsild'.

Uma bela revelação, sem sombra de dúvidas, e que esperemos que não fique relegada ao Underground, mas que alcance um bom número de fãs.

Brandridt


Tracklist:

01. Ulvevinter
02. Trold
03. Skovpolska
04. Brandridt
05. Gennem Marsken
06. Vaageblus
07. Havgus
08. Spillemand
09. Beirblakken
10. Knoglekvad
11. Skærsild


Formação:

Nanna Barslev - Vocais
Lasse Olufson - Guitarras
Bjarne Kristiansen - Baixo
Laura Emilie Beck - Violino
Troels Dueholm Nørgaard - Flauta, Sanfona de cordas
Jacob Lund - Bateria


Contatos:

https://www.facebook.com/Huldre?fref=ts
http://www.huldre.dk
http://www.myspace.com/huldremetal
promotion@metalmessage.de (imprensa)
ria@dedicatedbooking.dk (agente de reservas)

Shadowside é destaque na CNN do Heavy Metal




= = =

Dani Nolden novamente foi eleita a melhor vocalista de rock/metal pelo portal Whiplash!

Após anunciar longa turnê ao lado de Helloween e Gamma Ray pela Europa, a banda brasileira SHADOWSIDE voltou a ganhar destaque na imprensa internacional. Reconhecido como um dos principais expoentes da nova safra do Heavy Metal, o grupo segue colecionando criticas positivas sobre o álbum 'Inner Monster Out'.

Desta vez, o portal Blabbermouth, considerado a CNN do Heavy Metal, teceu diversos elogios ao disco que figurou em diversas listas dos melhores lançamentos dos últimos anos. "A Shadowside está à altura de seu potencial e possivelmente será uma das melhores bandas de 2013". O review completo (em inglês) está disponível em http://www.blabbermouth.net/showreview.aspx?reviewID=2472.

Além disso, a frontwoman Dani Nolden foi eleita, pelo segundo ano consecutivo, a melhor vocalista feminina de Rock/Metal em 2012, em votação popular do Whiplash!, maior portal especializado do Brasil. A lista completa, com todas as categorias, está disponível em http://whiplash.net/materias/melhores/171431-ironmaiden.html.

Neste momento, Dani Nolden (vocal), Raphael Mattos (guitarra), Fabio Carito (baixo) e Fabio Buitvidas (bateria) estão se preparando para a “Hellish Rock Tour Part II". A excursão tem 37 datas confirmadas em 19 países. Esta será a mais longa turnê internacional da carreira da banda. Eles se apresentarão nas principais casas de espetáculos do Velho Continente como o Olympia, em Paris.

Produtores interessados em contratar o espetáculo da SHADOWSIDE que já passou por mais de 20 países da Europa, cinco turnês pelos EUA e diversas cidades do Brasil, devem entrar em contato através do e-mail contato@furiamusic.com.br.

Links relacionados:

= = =

Fonte: The Ultimate Music – PR 
for Sepultura, Krisiun, Shadowside, Confronto, Kiara Rocks, Pleiades, Hugin Munin and international concerts
A/C Costábile Salzano Jr.
13 9161.6267