9 de fev de 2017

WARSHIPPER: show ao lado do Nervosa no próximo mês


Atualmente radicados no Studio 3, em Osasco/SP, de propriedade dos integrantes do Imminent Attack, o WARSHIPPERestá gravando as demos para o próximo trabalho com a intenção de apresentar melhor sua sonoridade para o produtor Rafael Augusto Lopes, que será o encarregado de produzir o vindouro álbum. Ainda que sejam conhecidos de longa data, o guitarrista/vocalista Renan Roveran diz que “para o Rafael sacar melhor o que pretendemos fazer, decidimos registrar nossas ideias em versão demo, para depois irmos moldando as músicas conforme formos trabalhando”.

E fugindo do estúdio, o WARSHIPPER tocará em Sorocaba/SP no dia 12/03, ao lado das bandas Nervosa, Father Karras e Speed Metal Hell, em evento que será realizado no Asteroid (Rua Aparecida 737, Vila Santana).


Para mais informações, acesse:


O grupo também anuncia o lançamento de sua nova camiseta, em parceria com a Obscure Art. Acesse o link para adquirir: http://www.obscureart.iluria.com/pd-40fa9f-camiseta-masculina-warshipper.html?ct=16ee49&p=1&s=1

Contatos:


SILENT VANITY: banda sergipana lança seu primeiro álbum



Depois de dois anos de produção e gravação, a banda de Melodic Death Metal sergipana SILENT VANITY lançou no último dia 31 a versão digital do seu álbum de estreia, “Occult Wisdom”.

O álbum contém 14 faixas, sendo três delas instrumentais. Como explicou o vocalista Ivan de Aragão no vídeo postado pela banda, “Occult Wisdom” é um álbum conceitual que narra a trajetória fictícia de um jovem do antigo Egito, que se depara com questões do nosso tempo: dúvidas existenciais, deuses, crenças, descrenças, inquietações filosóficas acerca da realidade e do que seria digno de nossa consideração no mundo. Até que ele é convidado para fazer parte de uma ordem misteriosa e aos poucos vai sendo introduzido nos conhecimentos ocultos, até que enfim parece encontrar as respostas que tanto queria.


A sabedoria oculta, citada nas letras do álbum, é uma referência direta aos ideais filosóficos do Hermetismo, especificamente às leis herméticas expressas no livro “O Caibalion” (leitura básica que expõe as premissas fundamentais de diversas vertentes ocultistas), com pitadas de filosofia budista, além da alusão a diversos sistemas mágicos.

O álbum, feito de forma totalmente independente, está disponível no canal da banda no YouTube e nas plataformas Spotify e Deezer.



ON FIRE AGENCY: levando a banda CORPSIA para a Europa em setembro


A agência ON FIRE fechou contrato com a banda paranaense de Thrash Metal, CORPSIA para uma tour na Europa no mês de setembro de 2017.

A banda irá fazer a tour passando por Alemanha, Holanda, Bélgica, França, Espanha e Portugal. Em breve mais detalhes serão revelados

A CORPSIA foi formada no ano de 2012 na cidade de Londrina e lançará seu primeiro álbum, ‘Genocides In The Name of God’, no dia 18 de março e começará a fazer alguns shows pelo Brasil para promover o álbum antes de aterrissar em terras Europeias.


Este ano a ON FIRE já tem confirmado turnês pela Europa para as bandas Chaos Synopsis, Aneurose, JackDevil e Gestos Grosseiros.

A ON FIRE ainda tem vaga para tour no mês de novembro. Bandas de THRASH, DEATH, GRIND e que tenham pelo menos um álbum e um videoclipe lançados podem entrar em contato com a empresa pelo e-mail: onfirebookingagency@gmail.com

Para as bandas interessadas, vale ressaltar que o pacote de viagem é completo: a agência possui van própria, backline, motorista e Tour Manager.

Mais informações:

Fonte: Metal Media

MINISTÉRIO DA DISCÓRDIA: ‘Abismo’ entre os grandes lançamentos de 2016



O álbum ‘Abismo’ marca, não só o lançamento do segundo álbum do MINISTÉRIO DA DISCÓRDIA, mas um passo à frente em sua sonoridade, um deleite para os fãs da mistura Black Sabbath + letras em português + acidez exclusiva da banda.

O trabalho ainda recente, vem sendo recebido com entusiasmo pelos fãs e pela mídia especializada, e, de certa forma vem cavando espaço para o Metal cantando em nossa língua pátria.


O trabalho impressionou o redator do renomado site HeavynRoll, Marco Paim, que colocou o disco entre seus lançamentos nacionais de 2016:


O público também aprovou e votou em ‘Abismo’ como um dos melhores discos de Heavy de 2016, em votação realizada também no site HeavynRoll:


‘Abismo’ foi gravado no estúdio Audiofusion e produzido por Rafael Zeferino. A capa ficou nas mãos do artista Silvio Senna, que também é músico da banda Sunset Red Lights.

Para quem quiser o álbum inteiro em sua plataforma de preferência, ele está disponível em todas as plataformas de música digital do planeta:


A banda também está disponibilizando o disco por completo. Três músicas já foram liberadas, confira:

Perdidos: 


Abrace a Discórdia: 


Orquídea Negra: 


Um clipe para a faixa-título também está disponível. Assista:



Sites relacionados:

Fonte: Metal Media

GESTOS GROSSEIROS: anunciado o show de lançamento de ‘World’s Hypocrisy’



Já com seu novo petardo, ‘World’s Hypocrisy’, lançado no mercado nacional, o GESTOS GROSSEIROS anuncia uma data especial para o show de lançamento do disco.

A festança já tem data e local: dia 12 de março, no Espaço Som, na cidade de São Paulo (Rua Teodoro Sampaio, 512, Pinheiros, próximo à estação Clínicas do metrô). O evento acontece com o apoio da empresa Absolute Master, que também masterizou o novo álbum da banda.

Os ingressos já estão à venda e são LIMITADOS! Existem dois preços:

R$20,00 – Apenas o ingresso
R$30,00 – Ingresso + CD ‘World’s Hypocrisy’

Pra comprar antecipadamente, entre em contato com o GESTOS GROSSEIROS por e-mail ou Facebook.


O show do GESTOS GROSSEIROS contará com a participação mais-que-especial da vocalista Flávia Morniëtári, da banda HELLARISE. A própria banda HELLARISE se apresentará como banda convidada no evento!

‘World’s Hypocrisy’, o trabalho já pode ser comprado diretamente com o grupo por e-mail e Facebook. Envio para todo o país.


O álbum foi mixado no UpTracks Studio pela produtora Mirella Max (que também é guitarrista da banda HellArise). A arte da capa ficou nas mãos do artista Tiago Medeiros.

O primeiro single do álbum, ‘The Antichrist’, já está disponível para audição, confira:



Sites Relacionados:

Fonte: Metal Media

BLACKFORCE: surpreendendo em votação de melhores do ano no site HeavynRoll



O jovem BLACKFORCE foi muito bem recebido com seu debut EP, ‘Slaves to Reality’, que apresentou um Thrash Metal fincado nas raízes, ao mesmo tempo incorporando a juventude da banda e de seus integrantes.

O público gostou bastante e, durante a votação na enquete organizada pelo tradicional site HeavynRoll, votou para o grupo e seu debut tivessem destaque.

‘Slaves To Reality’ entrou entre os mais votados nos quesitos: “Melhor EP”, “Melhor Capa” e “Melhor Lyric Video”, a votação completa pode ser conferida pelo link:


O EP conta com cinco faixas, foi gravado no próprio Homestudio do BLACKFORCE, que também mixou e masterizou o trabalho e está disponível para venda em formato físico, em quantidade limitada através do link:


Quem preferir também pode comprar diretamente pelo e-mail: blackforcetm@gmail.com


Além da versão física, ‘Slaves To Reality’, está disponível nas principais plataformas de distribuição e streaming do mundo, confira alguns links:

Google Play: https://goo.gl/URAEAY

Ele também pode ser ouvido de forma gratuita pelo link:



Sites relacionados:

Fonte: Metal Media

AS DRAMATIC HOMAGE: EP ‘Enlighten’ entre os melhores de 2016 segundo Arte Metal



Praticando um estilo muito pouco difundido no país, a banda carioca AS DRAMATIC HOMAGE vai, disco-após-disco, firmando seu nome como um dos “desbravadores” do Avant-garde Metal no Brasil.

Seu mais recente trabalho, o EP ‘Enlighten’, lançado no ano passado foi muito bem aceito pela mídia especializada e pelos público.

O trabalho foi inclusive citado como um dos melhores EPs de 2016 pelo renomado site Arte Metal (https://goo.gl/EzVUIm).


Para quem ainda não ouviu o disco, ele pode ser conferido pelo link:


‘Enlighten’ também pode ser comprado digitalmente pelo link:


O EP foi gravado no Hcs Studio, no Rio de Janeiro, com produção da própria AS DRAMATIC HOMAGE.


Sites relacionados:

Fonte: Metal Media

CÉU EM CHAMAS: banda divulga a capa de debut álbum


Após terem sido muito bem recebidos pelo público com os lançamentos do EP “Sopros da Destruição em 2014 e o single “Lutar” em 2015, a banda paulista CÉU EM CHAMAS está nos preparativos finais para o lançamento de seu álbum de estreia. Intitulado “Infernal”, o material já tem sua capa divulgada.

A arte da capa ficou a cargo do própio guitarrista Alemão Pompeu, que usou uma fotografia cedida pelo jornalista do Portal Megaphone, Fernando Pinnas.


“Infernal” está em processo de finalização. O material foi gravado no Black Stone Studio e produzido por Bruno Cestari (EGG). Em breve mais informações.


Sites relacionados:

Fonte: Metal Media

ANCESTTRAL: ouça entrevista para o Rota BDG e cover inusitado!



O ANCESTTRAL concedeu uma entrevista para o programa Rota BDG do UOL, onde não só responderam a perguntas como tocaram algumas músicas ao vivo, incluindo um inusitado cover da Lady Gaga, confira:


o ANCESTTRAL segue nas divulgações do mais recente álbum “Web of Lies”, que figurou em várias listas de melhores de 2016, como pode ser visto aqui: https://goo.gl/ndXO11.

O disco está disponível em todas as plataformas digitais do mundo. Confira alguns links:



Para quem se interessar pela edição física, tanto o novo álbum, quanto todo o merchandise do ANCESTTRAL podem ser comprados diretamente com o grupo por e-mail, Facebook e pelo link (com várias opções de pagamento e frete): http://loja.ancesttral.com



Sites Relacionados:

Fonte: Metal Media

CHAOS SYNOPSIS: confira o #1 da web série ‘Um dia de Corre’ no Sesc



Confira o primeiro episódio da web série ‘Um dia de Corre’ do CHAOS SYNOPSIS, com imagens registradas durante a viagem e preparativos antes do show realizado no Sesc Belenzinho, em São Paulo/SP.


Acompanhe CHAOS SYNOPSIS: www.facebook.com/chaossynopsisbr

Fonte: Dunna Records

THE DEAD DAISIES - Make Some Noise (CD)


2017
Nacional

Nota: 10,0/10,0

Tracklist:

1. Long Way to Go
2. We All Fall Down
3. Song and a Prayer
4. Mainline
5. Make Some Noise
6. Fortunate Son
7. Last Time I Saw the Sun
8. Mine All Mine
9. How Does It Feel
10. Freedom
11. All the Same
12. Join Together


Banda:


John Corabi – Vocais, violão
Doug Aldrich – Guitarras 
David Lowy – Guitarras 
Marco Mendoza – Baixo 
Brian Tichy – Bateria 


Contatos:



Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Se existe uma lição que todo bom fã de Metal/Rock deveria aprender desde cedo é: nunca leve fé em nomes de bandas, pois eles podem te iludir. Por trás de nomes muito estranhos, ou mesmo espalhafatosos, pode estar aquilo que você procura em termos de música. Um bom exemplo disso é o quinteto THE DEAD DAISIES, banda da Austrália, que acaba de ter seu terceiro disco lançado no Brasil pela Shinigami Records. Sim, estamos falando de “Make Some Noise”.

O que se encontra em “Make Some Noise”?

Uma mistura excelente de Hard Rock/Rock setentista com muito do Rock anos 80 e mais alguma coisa. É ríspido, agressivo, mas melodioso e deliciosamente envolvente, sempre focando em seduzir o ouvinte pela força de suas composições, bem como pelo desempenho diferenciado de seus integrantes. Ora, nos vocais está John Coraby (ex-MOTLËY CRÜE), nas guitarras Doug Aldrich (WHITESNAKE, DIO, LION, HOUSE OF LORDS), o baixista Marco Mendonza (do THIN LIZZY reformulado e ex-BLACK STAR RIDERS), e o baterista Brian Tichy (WHITESNAKE, BILLY IDOL, FOREIGNER, e OZZY OSBOURNE), e o líder é o empresário David Lowy. Um time desses não tinha como pisar na bola, e se preparem, pois o vigor, peso e melodias de “Make Some Noise” são tão cativantes que não tem como não gostar.

Marti Frederiksen é o produtor do disco, tendo Anthony Focx na mixagem e masterização de Howie Weinberg. A sonoridade é suja e orgânica, mas bem cuidada, onde se ouve cada instrumento claramente. Os timbres foram bem escolhidos, e tudo para que a música do grupo possa ser absorvida e compreendida completamente.

A arte gráfica, design, capa, layout e tudo referente ao aspecto visual de “Make Some Noise” é da Freimauer.com, e encaixou perfeitamente no despojo descompromissado da música da banda.

E é justamente esse lado descompromissado e espontâneo que fazem do CD um disco tão agradável, tão grudento e realmente envolvente. É pura energia e diversão, e o talento de seus integrantes faz com que cada momento do disco seja uma experiência maravilhosa para nossos ouvidos. E para dar um tempero a mais, Marti Frederiksen ainda fez alguns backing vocals, e Suzie McNeil toca harmônica e também participa dos backing vocals.

Segurem os pescoços, pois “Make Some Noise” é para levantar até defunto!

O Hard’n’Roll melodioso de “Long Way to Go” (belíssimo trabalho dos vocais, sem contar que as linhas melodiosas de guitarra e baixo estão perfeitas), aquele Rock mais anos 70 bem forte e raçudo mostrado em “We All Fall Down” (há certo acento de Blues aqui e ali, algo que o LED ZEPPELIN fazia com maestria), o peso acessível e envolvente de “Song and a Prayer” (a bacteria exibe uma técnica muito boa, bem como um pessoa avassalador), a energia mais veloz de “Mainline”, o jeitão cru e mezzo Hard Rock, Mezzo Glam Metal que a banda mostra em “Make Some Noise” (que refrão grudento do cão), a técnica instrumental bem utilizada nos tempos de “Mine All Mine”, e a porrada seca chamada “Freedom” pode ser considerados os melhores momentos desse disco tão homogêneo. Mas esses caras tem colhões suficientes para detonarem versões próprias de “Fortunate Son” do CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL, e “Join Together” do THE WHO, ambas com uma energia absurda, e que não superam as originais, mas as honram com uma roupagem mais despojada e cheia de energia.

Um disco fenomenal, e como dito: não se enganem com o nome, pois o THE DEAD DAISES veio para ficar, conquistar e ganhar fãs. E esses novos "Bad Boys" do estilo são raçudos o suficiente para isso!

Já entra no Top10 do ano dando uma bicuda na porta!



STRATOVARIUS - Destiny (Duplo CD)


2016
Nacional

Nota 10,0/10,0


Tracklist:

Disco 1 (“Destiny”):

1. Destiny
2. S.O.S.
3. No Turning Back
4. 4000 Rainy Nights
5. Rebel
6. Years Go By
7. Playing with Fire
8. Venus in the Morning
9. Anthem of the World
10. Cold Winter Nights 
11. Dream with Me
12. Blackout

Disco 2 (“Visions of Destiny”):

1. Destiny  
2. Paradise  
3. Speed of Light  
4. S.O.S.  
5. Anthem of the World  
6. Forever Free  
7. Black Diamond  
8. The Kiss of Judas  
9. Distant Skies  
10. Forever 


Banda:


Timo Kotipelto - Vocais
Timo Tolkki - Guitarras
Jens Johansson - Teclados
Jari Kainulainen - Baixo
Jörg Michael - Bateria


Contatos:



Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Um movimento que tem sido feito no Metal nos últimos anos é o dos relançamentos. E é interessante ver o tsunami de discos que tem tomado as lojas, mas muitas vezes, alguns são de bandas que pouco tinham a dizer no passado, e pouco teriam a acrescentar no momento. Mas alguns são sublimes, discos que realmente merecem voltar às prateleiras quantas vezes forem, seja por sua relevância ou qualidade. E verdade seja dita: o quinteto finlandês STRATOVARIUS possui um grande número de discos que merece tal privilégio. E a Shinigami Records foi e bancou um desafio, e disponibilizou a versão dupla do relançamento de “Destiny”, um dos grandes momentos do grupo.

“Destiny” é um disco maravilhoso, sendo o terceiro com o dream team de músicos que se reuniu desde o ótimo “Episode”. E a experiência e coesão do quinteto fez com que a qualidade musical do quinteto, que já era ótima, atingisse níveis estratosféricos, pois o Power Metal melodioso e técnico do grupo disponibiliza músicas excelentes, bem trabalhadas, e com um equilíbrio perfeito do talento individual de cada integrante com a qualidade do conjunto, e isso, meus caros, é coisa para gente grande. E aqui, esta experiência mostra uma música um pouco mais lenta e grandiosa do que existia antes, mas sem abandonar a velocidade de antes. É apenas mais evoluído, mostrando uma faceta diferenciada, mas coerente.

A produção de “Destiny” é de Timo (guitarrista e líder da banda na época), que teve Mikko Karmila na engenharia de som e mixagem, além da masterização de Pauli Saastamoinen. E a versão que temos em mãos é remasterizada por de Mika Jussila. O resultado é que a gravação bem feita da época continua ótima e atual, sem contar que a remasterização deixou tudo mais audível e melhorou a qualidade sonora. Se já era bom, está bem melhor.

A arte da capa remete à da primeira versão, respeitando a história do disco. Mas percebe-se que em tudo houve melhoras, já que temos comentários sobre “Destiny”, vindos dos integrantes da época, fora muitas fotos e todas as letras, inclusive das faixas extra.

Melódico, sinuoso e surpreendente, “Destiny” continua sendo um disco forte e atual, mesmo após quase 20 anos. É uma aula de como fazer música de alto nível, com arranjos bem feitos, sem deixar de ter peso e grandiosidade. E isso sem mencionar os convidados: Marco Hietala (do TAROT e NIGHTWISH) nos backing vocals, as cordas de Max Savikangas, Sanna Salmenkallio, e Eicca Toppinen, for a um Mr. Unknown que também fez cordas, além do coral de meninos Cantores Minores. 

Se já conhece, prepare-se para ouvir como esta versão está incrível. Se não, se prepare para uma viagem de primeira!

E não há como não aplaudir canções como a longa e cheia de lindos arranjos “Destiny” (com seus mais de dez minutos de duração, a banda pode exibir um festival de mudanças de ritmo e arranjos perfeitos, e não chega a deixar o fã se sentindo entediado), a clássica e cativante “S.O.S.” (que mostra velocidade moderada, privilegiando bastante a técnica de baixo e bateria, mas sem que o restante da banda fique eclipsado, inclusive apresentando belos backing vocals), a forte e vigorosa “No Turning Back” (que belíssimo trabalho de vocais e teclados, e isso no meio de excelentes mudanças de tempos), a mais acessível e grudenta de “Playing with Fire” (as guitarras estão fenomenais, com belos riffs e mudanças de timbres), a as belas orquestrações de “Anthem of the World” (que refrão emocionante, fora baixo e bateria estarem pegando pesado). Mas o disco ainda não termina, pois esta versão tem as faixas bônus das versões européia, japonesa e americana, que são, respectivamente, “Cold Winter Nights” (cheia de um clima mais acessível, mas extremamente agradável, fora riffs e teclados incríveis), a introspectiva “Dream with Me”, e a excelente versão para o hit “Blackout”, do SCORPIONS, que honra os alemães com o jeito dos finlandeses tocarem.

Já o CD 2, chamado “Visions of Destiny” é um ao vivo raro da banda, gravado em 10/1999, durante a tour de “Destiny”.

São mais de 60 minutos de energia e mostrando a banda em sua melhor forma. Basta ouvir “Destiny”, as fogosas “Speed of Light” e “S.O.S.”, a mais climática “Anthem of the World”, a maravilhosa “Forever Free”, a clássica “Black Diamond”, e a envolvente “The Kiss of Judas” (que bela debulhada no baixo!). Se percebe que é a banda, sem muitos overdubs ou algo do tipo, na sua melhor forma.

Se já tem “Destiny”, vale a pena ter esta versão dupla com bônus; se não tem, pode comprar de olhos fechados!