10 de abr de 2015

Hammerhead Blues – Hammerhead Blues (EP)

Independente
Nota 8,5/10,0


Por Marcos "Big Daddy" Garcia


Fazer som que tenha influência e jeito de anos 60, 70 ou 80 não é um trabalho simples. Essa afirmativa se baseia no fato de que estilos assim necessitam que os músicos ponham muito de si no trabalho, com a finalidade de fazer com que não seja apenas um clone do que já foi feito. E clonagem, para ser bem claro, é plágio, e plágio é crime, em várias concepções da palavra. Mas o legal é que quando se acha uma banda com personalidade própria nesses estilos erodidos, o resultado é sempre ótimo. E nesse caso, se encaixa o trio paulista HAMMERHEAD BLUES, que chega com seu EP de estréia, que leva o nome da banda.

A banda não assume rótulos, é tão somente o bom e velho Heavy Metal/Hard Rock dos anos 70, sem buscar ser técnico demais, mas sem cair no simplório. É pesado, denso e azedo, mas com ótimas melodias e um trabalho instrumental muito bom. Vocais melodiosos e bem encaixados, guitarras com aquela sonoridade pesada e bluesy tão viva e marcante tanto nas bases quanto nos solos, baixo e bateria firmes na cozinha rítmica, dando peso e diversidade ao som do grupo. E assim, o trabalho deles soa vivo e cheio de energia, graças à personalidade que esses sujeitos colocaram.

Hammerhead Blues
A sonoridade que temos resgata bastante os elementos dos anos 70, sem sombra de dúvidas, mas aliada a uma qualidade sonora ótima e com clareza suficiente para compreender o que eles estão tocando.

Tudo no trabalho deles soa caprichado, mas espontâneo demais. A vibração e energia das músicas é intensa, graças justamente à capacidade da banda em arranjar seu instrumental equilibradamente.

As quatro músicas do trabalho são ótimas. “Low” tem um jeitão bem “Zeppeliniano” de ser, mas mantendo peso e qualidade sempre, com destaque evidente para o trabalho das guitarras, enquanto “Age of Void” tem uma pegada mais acessível, mais chegada ao Hard Rock clássico, aquele jeitão meio bluesy de ser, que é reforçado pelos ótimos vocais e andamento em tempo médio. Em “Midnight Flight”, temos outra faixa com jeitão bem bluesy, com boa dose de acessibilidade e grandes intervenções das guitarras. Fechando, um show do baixo e da bateria na pesada “Moontale”, cativante e envolvente até a alma.

Muito, muito bom mesmo, e a banda está de parabéns, pois o trabalho do trio é de qualidade.



Músicas:

01. Low
02. Age of Void
03. Midnight Flight
04. Moontale


Banda:

Otávio Cintra – Vocais, baixo
Luiz Felipe Cardim – Guitarras 
Willian Paiva – Bateria 


Contatos:

Kamala - Confira o primeiro single do próximo álbum "Mantra"






"Mantra" é faixa título do quarto e próximo álbum de estúdio do KAMALA.

Gravado, editado, mixado e masterizado no Estúdio RG Produções (Americana/SP) por Guilherme Malosso e Yuri Camargo.

O responsável pela capa é ilustrador Felipe Rostodella.

Lançamento digital agora no mês de abril e físico para o mês de maio pela Voice Music.



Tracklist:


1)Warning 
2)Mantra 
3)Alive 
4)What We Deserve 
5)Better Energy, Less Anger 
6)My Religion 
7)Becoming A Stone 
8)Airavata 
9)Erawan 
10)Suicidal Attack


Links:

I Am The Sun – Drink, Destroy, Repeat (EP)

Independente
Nota 9,0/10,0

Por Marcos "Big Daddy" Garcia


Quando se falar em Stoner Rock/Metal, as pessoas têm uma idéia um pouco errônea, de que o gênero remete diretamente aos anos 70, sendo retro e bolorento, ou com qualidades sonoras duvidosas. E não é por aí. É sabido desde sempre: nenhuma banda é obrigada a fazer algo novo ou revolucionário, mas tem por compromisso criar algo dela, uma música pessoal que ouçamos e que seja distinto de outras bandas do gênero. E um belo exemplo do que tratamos aqui é o excelente quarteto I AM THE SUN, de Bragança Paulista (SP), que acaba de soltar seu primeiro trabalho, o EP “Drink, Destroy, Repeat”.

Aqui realmente é um Stoner Metal de primeira, com uma música espontânea e descompromissada, mas longe de ser simplória ou mal feita. Aqui, temos o peso, melodia e agressividade nas medidas certas, e ao mesmo tempo em que temos aquele feeling retro, a banda apresenta muito groove e energia. Ótimos vocais (com muitos backing vocals certeiros), riffs raçudos e gordurosos, solos melodiosos e simples (mas não achem que falta técnica, por favor), baixo pesado e firme na marcação, e uma bateria com peso e boa técnica. E essa mistura gera algo bem pessoal e pesado, mas melodioso e envolvente. 

I Am The Sun
Ricardo Biancharelli fez a produção do EP nos estúdios FUZZA, e verdade seja dita, ele acertou em cheio. A sonoridade do trabalho está pesada e azeda, mas com um nível de clareza que é até um pouco estranho para o gênero, mas que encaixou perfeitamente com o que o grupo quer. É orgânico, cru e pesado, mas com muita qualidade.

Quando se fala em composição, apesar da obsessão por cerveja, barulho e destruição, a banda arrasa. Arranjos simples e bem feitos, uma boa dinâmica de andamentos, e uma qualidade que surge da experiência (basta dizer que o baterista é o mesmo do excelente grupo SILENT CELL).

Seis canções raçudas compõem o EP, com cada uma delas com seu próprio valor. É impossível não ficar ensandecido com as ótimas “Black Label” e seu jeito sujo e truculento de ser, com um trabalho diferenciado de guitarras e bateria; a azeda e melodiosa “End of Days” e seus riffs cabulosos, e excelentes backings; o jeito mais espontâneo e pesado de “Relapsed”, que transita entre o Metal e o Hard Rock sem pudor algum (e reparem bem no peso que o baixo dá à base rítmica do grupo); a mais intimista “Guiding Light”, que tem um peso absurdo e alguns toques grooveados excelentes; a rebelde “You Can’t Fix Me”, mais uma vez com um mix inteligente entre Metal e Hard Rock clássico, mas sem abrir mão do peso; e a gigante “Way Over My Limit”, com seus mais de 8 minutos de duração, é uma faixa bem diversificada em termos musicais, mas longe de ser enjoativa, com momentos mais intimistas e outros mais “Sabbathicos”.

Sim, a banda é ótima, o EP está disponível para download gratuito no site oficial do grupo, e é uma excelente oportunidade para conhecer um trabalho feito com tanta espontaneidade.

Agora, deixem a preguiça de lado, cliquem no site deles e boa diversão!






Tracklist:

01. Black Label
02. End of Days
03. Relapsed
04. Guiding Light
05. You Can’t Fix Me
06. Way Over My Limit


Banda:

Nenê Pister – Vocais, baixo 
Baker – Guitarras 
Marco “Horror” De Sordi – Bateria 


Contatos:

Matanza lança inédita “Sob a Mira”






Falta menos de uma semana para o lançamento do novo álbum do Matanza, “Pior Cenário Possível”, pela Deck. Aumentando a ansiedade dos fãs, o grupo carioca lança hoje o webclipe da inédita “Sob a Mira”. O vídeo foi feito durante as gravações do disco no estúdio Tambor (Rio de Janeiro), com imagens de Felipe Diniz e edição de Lígia Ramos.


A música, assim como todas as outras faixas do disco, é de autoria do guitarrista Marco Donida. “Sob a Mira” narra o caso fantástico de alguém que consegue sempre escapar da morte. Ela exemplifica bem o que “Pior Cenário Possível” traz em suas letras: a banda abordando temas de terror e suspense, saindo mais da realidade.

Os webclipes das também inéditas “Chance Pro Azar” e “Orgulho e Cinismo”, estão disponíveis no YouTube:



Mais informações: www.deckdisc.com.br



Hard Desire - Traveller (EP)

Independente
Nota 8,5/10,0

Por Marcos "Big Daddy" Garcia


É ótimo ver que o Hard Rock tem reaparecido no Brasil. Sim, apesar da predominância das vertentes mais extremas, aquela sonoridade mais descompromissada e com forte odor da trilogia “sexo, drogas e Rock’n’Roll” faz muita falta. E um dos bons nomes do gênero é o do grupo mineiro HARD DESIRE, de Juiz de Fora, que enfim, retorna com mais um trabalho, o EP “Traveller”.

Hard Rock com forte influência do Rock setentista e do Metal tradicional, com boa técnica (mas sem ser algo abusivo), peso e melodia nas doses certas, tudo em seus devidos lugares, criando uma música forte, melodiosa e envolvente. E isso já é muito, já que fazer o gênero não é algo simples. Aqui, temos a mistura de vocais ótimos (Dê Monteiro está bem melhor que no primeiro trabalho da banda, o álbum “Hard Desire”, usando bem sua voz), riffs ganchudos e solos inspirados (Felipe e Rafael estão em ótima forma, muito entrosados), além de baixo e bateria pesados e segurando bem a base rítmica da banda, mas com boa técnica (Thiago e Dall realmente entendem do assunto). A música, embora não seja um estilo inexplorado, mostra uma personalidade bem definida, e isso, meus caros, é algo precioso.

Hard Desire
Felipe Rosa, Pedro Fialho, Thiago Fernandes e Nando Costa seguraram a produção do EP (sendo que Nando ainda fez a mixagem e masterização). Em termos sonoros, a produção ficou mais seca e crua, mas clara, e é justamente assim que o trabalho musical do grupo ganha vida, ou seja, é a qualidade que a música deles pede. Poderia ser um pouquinho melhor, mas está em um bom nível. A arte de Thaís Melo e o design de Rhee Charles Santos (vocalista do GLITTER MAGIC) ficaram ótimos, dando corpo à música do quinteto.

O  ponto mais forte da banda é justamente o lado musical espontâneo e descompromissado (mas isso não quer dizer que sejam relaxados com seu trabalho, longe disso), se importando apenas em fazer boa música, com bons arranjos musicais, timbres instrumentais escolhidos com sabedoria. 

“Traveller” é uma música bem trabalhada, andamento ganchudo, com belas guitarras nos solos e riffs, e refrão envolvente. Em “Suicidal”, temos uma faixa já não tão rápida, voltada mais ao peso, em certos momentos com certo toque anos 70 à lá ALICE IN CHAINS em seus melhores momentos, com bom trabalho da base rítmica. De início mais ameno, “Dark Knight’s Diary” é uma faixa de peso, beirando o Metal tradicional, com muito peso, muito bem trabalhada, e com excelentes vocais.

É, ainda bem que o HARD DESIRE existe e nos brinda com mais este excelente trabalho. E Juiz de Fora tem se tornado uma potência dentro do cenário nacional, já que de lá estão vindo bandas como eles, o GLITTER MAGIC, o HAGBARD, o LUVART e outros nomes nos mais variados gêneros.

Ah, sim: o EP pode ser ouvido na íntegra na página do grupo no Soundcloud, mas vale a cópia física, com certeza.

Esses caras prometem!







Músicas:

01. Traveller
02. Suicidal
03. Dark Knight’s Diary


Banda:

Dê Monteiro – Vocais 
Felipe Rosa – Guitarras 
Rafael Almeida – Guitarras
Thiago Fernandes – Baixo e backing vocals 
Dall Nardy – Bateria 


Contatos

Torture Squad: assista videoclipe “Nothing to Declare”





O TORTURE SQUAD lançou o videoclipe da música “Nothing to Declare”, que integra o tracklist do mais recente álbum de estúdio, “Esquadrão de Tortura” (2013). O vídeo é o terceiro em divulgação ao disco e foi produzido por Rafael Souza da Casanegra Media.



Links relacionados:




Fonte: Island Press

10/04/2015: Island Press



Attractha: Cleber Krichinak é o novo vocalista


A banda paulistana ATTRACTHA anunciou o experiente Cleber Krichinak como novo vocalista. Segue abaixo um breve release sobre o cantor.

No ano 2000, Cleber Krichinak e seu amigo Alex DiArce fundaram uma banda tributo ao Manowar, o Kings of Steel que além da proposta inicial passou a seguir em paralelo com um trabalho autoral, influenciado por diversas bandas de Metal tradicional.

O trabalho do Kings of Steel se destacou de tal forma que acabou sendo reconhecido pelo próprio Manowar, o que posteriormente rendeu à banda a honra de abrir 3 shows do Manowar no Brasil.

Além de vocalista do Kings of Steel, a partir de Novembro de 2014 assumiu também essa função no Attractha.

Desde que começou a cantar já recebeu ensinamentos de educadores como Maria Auxiliadora Guimarães, Ana Paula Sahdi e Mario Pastore.

Influências:

As principais influências são Ronnie James Dio e Eric Adams

Em breve mais informações sobre o novo single e gravação do primeiro álbum de estúdio.


Links relacionados:




Quinta Travessa: “as músicas falam sobre nossa realidade”


Thiago Maciel e Erick Silva, respectivos guitarrista e vocalista da banda paulistana QUINTA TRAVESSA, participaram do programa Rock ao Máxximo, que vai ao ar todas as sextas pela Rádio Máxximo. Os músicos explicaram sobre a origem do nome do grupo, o início das atividades, lançamento do EP “Hora da Verdade” (2014), os fatos inusitados durante a produção do videoclipe “Treta”, como funciona o processo de composição, inicio das gravações do novo álbum e muito mais!

Para audição da entrevista completa e as músicas “Treta”, “Parnaíba”, “Injetando Ódio”, “Céu”, “Sem Pensar” e “Verdade 2.0” http://bit.ly/1HVWo6B


Links relacionados:




Wagner Gracciano: “irei gravar um DVD com orquestra”


O guitarrista WAGNER GRACCIANO concedeu uma rápida entrevista ao programa Studio Live, que vai ao ar pela Rádio Putzgrila. O músico falou sobre sua carreira, a forte cultura da música instrumental em Goiânia, o crescimento do mercado gospel, seu trabalho como produtor e gravando pra outros artistas, processo de composição e lançamento do primeiro álbum “Across the Universe” (2013), gravação do primeiro DVD e mais!

Para audição da entrevista e das músicas “As a Prayer” e “Broken System” http://bit.ly/1DpvCDT


Links relacionados:




Fonte: Island Press

Primator e Dark Avenger promovem celebração ao heavy metal clássico neste sábado em São Paulo



O evento também reunirá participações especiais dos vocalistas Mario Pastore e Alírio Netto (Foto: Amanda Dassié)

Localizada na zona central da cidade, o Gillan's Inn tem se tornado um dos mais importantes espaços para o rock e heavy metal autoral em São Paulo.

E neste sábado, dia 11 de Abril, a casa promoverá uma verdadeira celebração ao formato clássico do heavy metal com dois grandes nomes do gênero no Brasil. 

Dark Avenger e Primator sobem ao palco do Gillan's para passar a limpo o passado, presente e futuro do heavy metal tradicional brasileiro.

O show do Primator deste sábado promoverá o lançamento oficial de seu disco de estreia, "Involution". O álbum foi apresentado à imprensa no último dia 18 de Março durante um badalado evento fechado na capital paulista. Dezenas de jornalistas dos mais importantes veículos especializados em música do país estiveram presentes. O programa Jusvarn fez uma cobertura da festa: https://youtu.be/P_OIR6xHTjw


Produzido por Daniel de Sá (Andragonia, Crossrock) "Involution" reune as faixas "Primator", "Black Tormentor", "Deadland", "Flames of Hades", "Erase The Rainbow", "Caroline", "Let Me Live Again", "Face The Death", "Praying for Nothing" e "Involution".

A capa do álbum foi desenhada pelo próprio vocalista da banda, Rodrigo Sinopoli, e traz um conceito bastante influenciado em "A Origem das Espécies" de Charles Darwin.

"Involution" já está à venda em várias lojas do Brasil. Na Galeria do Rock, em São Paulo, o álbum pode ser encontrado na Die Hard, Aqualung, Hunter, Mechanix, Baratos Afins, Hellion, Rock Shock e Paranoid Records. 

Já o show do Dark Avenger deste sábado será bastante especial, uma vez que a banda tocará na íntegra o seu aclamado álbum de estreia autointitulado. Se não bastasse, o grupo ainda trará ao palco participações pra lá de especiais, como a dos vocalistas Mario Pastore e Alírio Netto.


Serviço:

Shows Primator e Dark Avenger (com participações especiais de Mario Pastore e Alírio Netto)
Data: Sábado, 11 de Abril de 2015
Horários: Abertura da casa às 20:00 e início dos shows às 23:00
Local: Gillan's Inn - Rua Marquês de Itu, 284, Vila Buarque, São Paulo/SP

Ingressos: R$ 40,00 (a ser cobrado no final da apresentação, juntamente com a comanda de consumação)

Informações e reservas: (11) 3129-8710 / (11) 2765-0966 / (11) 2712-9566 / http://www.gillansinn.com.br


Mais Informações:



Fonte: Som do Darma
Informações para Imprensa
A/C Eliton Tomasi

Cadaverizer: show com Marduk em Limeira - confira vídeo promocional




A banda mineira de death metal CADAVERIZER confirma oficialmente que se apresentará no dia 24 de abril ao lado da banda sueca de black metal Marduk, o evento será realizado na casa de shows Mirage Eventos.


A banda CADAVERIZER informa que está muito contente pelo convite feito pela empresa Circle of Infinity Produções para dividir o palco com esta enorme banda do cenário da música extrema, o evento contará também com a apresentação da banda Lusferus, de Ribeirão Preto.

Marduk, Cadaverizer, Lusferus - 24/04/15 - Mirage Eventos - Limeira - Teaser promocional:


A banda de Death Metal Cadaverizer foi formada em 1991 na cidade de Passos, estado de Minas Gerais. Executando um poderoso death metal influenciado pela velha guarda “Old School” destaca-se como principais influências do quarteto mineiro nomes conceituados como Morbid Angel, Sadus, Blasphemy, Apostasia, Death, Infrantricide, Masturbator, Necrófago, Corpse Grinder, Tiamat, Abohent, Gorefest, Therion, Deterioration, Thyabohent, Funebre, Toxaemia, Bolt Thrower, Massacre (USA), Salem, Incision, Cannibal Corpse, Xysma, Purtenece Avulsion, Nausea, Messiah Death, Terminal Death, Deicide, entre outras bandas do gênero.

A banda já realizou concertos pelo estado de Minas Gerais e São Paulo, seu primeiro registro oficial foi lançado em 1992, a demo-tape intitulada “Hideous Valley” com quatro faixas: Might Ilusion Obliteration of World, Spiritual Poverty, Spirit Of Existence e Horrid Hecatombe.


Os ingressos para a apresentação que a banda CADAVERIZER fará ao lado do Marduk estão à venda através do link:


Em Limeira os ingressos estão disponíveis nas lojas Sintonia e Classics Forever, em Piracicaba na loja Classics Forever e em Vinhedo na Attitude Headbangers House.

Ouça uma prévia de "Necroforia", nova música da banda CADAVERIZER:



Links relacionados:




Fonte: Press RTV
Assessoria de Imprensa e Comunicação