18 de ago de 2014

Resenha: King Diamond - Abigail (CD)

Roadrunner Records

Por Marcos "Big Daddy" Garcia


Bem, hora de falar de um grande clássico do Metal, e que sempre foi muito subestimado antes do atual "revival" oitentista. Hora de falar de um dos grupos mais influentes na cena Black Metal e Metal tradicional de todos os tempos: KING DIAMOND, e o disco escolhido não poderia ser outro senão aqueles que é considerado o melhor de sua carreira por uma enorme parte de seus fãs, "Abigail".

Lançado em 21 de Outubro de 1987, é justamente "Abigail" que vai consolidar de vez o nome da banda, já que debates entre a chegada de "Fatal Portrait" ao mundo (17 de Fevereiro de 1986) e de "Abigail" eram comuns, quase sempre comparações entre a banda e o finado MERCYFUL FATE: a contestação de Mikkey Dee como um bom baterista (justamente por ter sido mais direto no primeiro disco da banda, os fãs o achavam inferior a Kim Ruzz, baterista do MERCYFUL FATE), o fato do trabalho da banda ser um pouco menos melódico (não tão ganchudo, digamos assim), já que Andy LaRocque é um excelente guitarrista, mas Hank Shermann é um excelente compositor (basta dizer que compôs sozinho todas as músicas do "Melissa"). Então, o lançamento de "Abigail" chega para acabar de vez com as dúvidas, e encerrar debates tolos.

Mas ao mesmo tempo, "Abigail" rompe de vez com o passado, mostrando que o KING DIAMOND era uma banda diferente do MERCYFUL FATE em tudo: muito mais técnico, canções mais elaboradas e grandiosas, vários "inserts" de Música Clássica e Barroca, King também passou a usar melhor sua voz em inúmeras variações de tons (e abandona de vez os vocais que muitos rotulavam como "chorados" quando cantava em tons normais, uma das marcas registradas do MERCYFUL FATE), e começam a surgir o uso de teclados mais e mais (uma vez que em "Fatal Portrait" eram usados apenas nas introduções). A única ligação com o MERCYFUL FATE explícita eram os solos de guitarra bem característicos de Michael Denner. E por falar nele, Andy monopolizou bastante os solos de guitarra: 11 solos, 5 temas e uma intro com violão, contra 10 solos, 1 tema e uma intro acústica de Michael! E isso sem falar que é em "Abigail" que fica clara a dualidade nas guitarras, já que o estilo de Andy é bem mais técnico e rápido de solar, contrastando bastante com o jeito mais clássico e quase Barroco de Michael. O baixo de Timi Hansen (que já havia abandonado o pseudônimo "Grabber") está ainda mais técnico que antes, fazendo belas incursões e mesmo aparecendo com toques jazzísticos (como vemos em "The Possession"), e Mikkey Dee cala de vez a boca de seus críticos, mostrando que tem bem mais técnica e peso que Kim, matando de vez qualquer saudosismo. E talvez o aspecto mais importante na diferença: enquanto o MERCYFUL FATE é mais pesado e ganchudo, o KING DIAMOND é mais complexo e técnico. Talvez isso ilustre bem a diferença de estilo de compor de Hank e King.

Ao contrário de "Fatal Portrait", King produziu "Abigail" apenas com a ajuda de Roberto Falcão (por favor, não confundam o produtor e tecladista com o jogador de futebol! Essa piada, que existe desde 1986, se já não tinha graça na época, quanto mais hoje em dia...) na engenharia de som, mais Andy na produção adicional das guitarras, Mikkey e Michael como assistentes, não é de se estranhar que a produção seja absurdamente pesada e "volumosa" (o som é bem cheio, podemos dizer assim), pesada e clara, sem um arranjo mínimo que fique imperceptível aos ouvidos. E a capa, um trabalho primoroso e focada em tons escuros, mostra os Cavaleiros Negros guiando uma carruagem fúnebre.

Da esquerda para a direita: Andy, Timi, King, Mikkey e Michael
Mas a capa deixa claro o conteúdo lírico do disco: King, dessa vez, optou por escrever um disco conceitual como um todo, narrando uma estória de horror focada em Abigail La Fey, uma criança concebida de uma relação amorosa da esposa do Conde de La Fey com um amante, que "nasceu" morta no dia 07 de Julho de 1777, e vai causar problemas mais tarde. Não entro em detalhes para que os que ainda não conhecem a estória possam ter o prazer da descoberta por si. Mas se vocês se impressionam com este tipo de coisa, aconselho a lerem durante o dia. Tive problemas severos de insônia na época por conta disso...

Bem, após a intro "Funeral", o disco abre com "Arrival", uma faixa bem ao estilo que o KING DIAMOND já mostrava no "Fatal Portrait", só que com técnica extrapolada a níveis absurdos, especialmente em termos de bateria e guitarras (o contraste entre os solos é algo fantástico). Seguindo, vem "A Massion in Darkness", uma música que rebusca um pouco as influências da NWOBHM que a banda possui, com King cantando maravilhosamente bem sobre uma linha melódica fabulosa. "The Family Ghost" é uma música cheia de mudanças de ritmo, onde Mikkey resolve mostrar as garras de vez (mas uma pena que o vídeo para ela seja ridículo e cortado. Talvez porque a última estrofe da letra seja chocante demais para os padrões da TV). Um violão acústico bem técnico (tocado por Andy) introduz a fabulosa e perfeita "The 7th Day of July 1777", onde mais uma vez a voz de King mostra-se bem diversificada em torno dos personagens da estória. E daqui para diante, o que seria o lado B do vinil, as últimas quatro músicas, o clima começa a ficar mais pesado conforme a estória evolui, já que "Omens" já possui um clima bem tétrico, reforçado pelo uso de teclados e pelas bases de Timi e Mikkey. Timi mostra mais uma vez sua técnica nas quatro cordas em "The Possession", e digamos que ela é a "menos melhor" (me permitam dizer assim, por favor) faixa do disco, sendo excelente. A clássica e hiper-trabalhada "Abigail" dá sequência, cheia de variações de tempo, ritmo e um assalto à mão armada das guitarras e bateria, fora a presença ótima dos teclados. Fechando o vinil e a estória, temos "Black Horsemen", outra faixa mais climática e pesada, introduzida pelo violão clássico de Michael, conduzida por bases de guitarra venenosas, baixo e bateria no auge, King cantando tudo o que sabe, e encerrando com um dos melhores solos da história do Heavy Metal (e não estou brincando. Michael Denner é um mestre).

Em um dos lançamentos em CD, temos um série remasterizada onde o disco tem por bônus "The Shrine" (que fez parte de um B-Side do Single "The Family Ghost", lançado em 01 de Julho de 1987, ou seja, 100 anos depois do nascimento de Abigail!) e alguns rough mixes de "A Mansion in Darkness", "The Family Ghost" e "The Possession". Há também uma versão em CD+DVD de comemoração dos 25 anos, trazendo os mesmos bônus em CD, mas no DVD, uma apresentação ao vivo,  "Live in Gothenberg, Sweden, 1987", com sete canções, "Funeral", "Arrival", "Come to the Sabbath", "The Portrait", "The Family Ghost", "The 7th Day of July 1777" e "Halloween".

Sem desdenhar de "Fatal Portrait" (que é um ótimo disco de estréia), mas é com "Abigail" que o KING DIAMOND mostrou que havia vindo para ficar. E uma pena que a formação acabou de desfazendo antes de "Them", uma vez que Michael e Timi sairiam da banda. E a ida para os Estados Unidos pouco adiantou, pois apesar de "Them" ser o disco mais bem vendido na terra do Tio Sam, nunca tiveram o suporte por parte do público e da gravadora que realmente mereciam. Talvez o abandono de temas muito pesados nas letras (King já criou o KING DIAMOND com isso em mente, conforme várias entrevistas, mas as estórias que viriam em "Them", "Conspiracy" e "The Eye" não são tão apavorantes como em "Abigail"), e até mesmo a mudança na maquiagem (o abandono da cruz reversa na testa) fossem tentativas de buscar maior aceitação mercadológica, que nunca veio na época. Hoje, muitos batem palmas para a banda, mas na época, nunca lhes deram o suporte merecido.

Mas na memória dos fãs da época (o Pai Marcão aqui, inclusive), fica a memória de um disco que merecia MUITO MAIS atenção do que teve. Talvez se saísse um ano antes, quando grandes clássicos do Metal dos 80 foram lançados, "Abigail" obtivesse mais expressão. Cacife para isso eles tinham, e muito.

Mas chega de falar do passado e de reclamar (acho que o Pai Marcão aqui será um velho bem resmungão algum dia), e vamos pôr na vitrola ou no CD player esta obra de arte em forma de música.





Tracklist:

01. Funeral
02. Arrival
03. A Mansion in Darkness
04. The Family Ghost
05. The 7th Day of July 1777
06. Omens
07. The Possession
08. Abigail
09. Black Horsemen


Banda:

King Diamond - Vocais
Michael Denner - Guitarras
Andy LaRocque - Guitarras
Timi Hansen - Baixo
Mikkey Dee - Bateria


Contatos:

King Diamond Coven (site oficial)

18/08/2014: Yekun, Lothlöryen, Black Oil, Gasoline Special, Skinlepsy, Red Front, Feartone



Yekun: Baixe gratuitamente o bootleg oficial!


Já está disponível para download gratuito o bootleg ao vivo do YEKUN. O trabalho conta com seis músicas, incluindo músicas inéditas, e leva o título de ‘Live At Kaffeklubben’.

Para baixar o trabalho, apenas clique no link abaixo:


O bootleg foi gravado no Inferno Club em julho deste ano e mostra uma banda realmente ao vivo, sem muitos retoques e edições. A capa ficou por conta do vocalista JP, também designer profissional.


Uma das músicas inéditas apresentadas no bootleg será o título do novo EP do grupo, que já está em pré-produção: ‘The Boars Nest’. Mais informações em breve.

Contato para shows e merchandise: yekunmusic@gmail.com

Sites Relacionados:



Lothlöryen: Disponibilizado “Websódio” da tour europeia


Os mineiros do LOTHLÖRYEN se afastaram dos palcos em 2014 e no momento se concentram na produção de seu vindouro novo álbum, ainda sem título definido e sem previsão de lançamento.

Enquanto notícias oficiais sobre o andamento das gravações não são divulgadas, a banda preparou um presente especial para os fãs que estão se sentindo órfãos de materiais e notícias nesses últimos meses: uma pequena série de “Websódios” sobre a tour europeia de 2013, que abrangeu sete países e obteve resultados amplamente favoráveis em locais não muito explorados pelas bandas nacionais no leste europeu.

Ao todo serão três episódios que mostram a realidade da banda na estrada, intercalando cenas de shows e depoimentos (alguns emocionantes) do público local.

Ficou curioso? Confira abaixo a “Parte 1” da saga dos beberrões mineiros e inscreva-se nos canais da banda:


Canais:

Contato para shows e merchandise: lothloryen.oficial@gmail.com

Sites Relacionados:



Black Oil: Faixa com músicos do Soulfly e Ministry está disponível


Seguindo nos preparativos finais para o lançamento do novo álbum “Resist to Exist “, o BLACK OIL disponibilizou uma música do material para audição.

A faixa “Callate” conta com a participação de Tony Campos (Soulfly, Static-x) e Aaron Rossi (Ministry). Ouça:


A banda já adiantou que este terceiro álbum de estúdio titulado “Resist To Exist “, está sendo co-produzido pelo próprio grupo juntamente com Cristian Machado (Ill Nino), Logan Mader (SOULFLY, MACHINE HEAD, GOJIRA) e Erik Reichers (SNOOP DOGG). Dentre os convidados ilustres que já registraram suas participações, além de Tony Campos e Aaron Rossi, estão Raymond Herrera (FEAR FACTORY), Hector Guerra (PACHAMAMA CREW), entre outros.

Contato para shows e merchandise:  fuelmusic@hotmail.com

Links relacionados:



Gasoline Special: Rock n’ Roll em videoclipe para música Celofane


A banda GASOLINE SPECIAL acaba de lançar seu primeiro videoclipe, para a música ‘Celofane’, onde mostras um pouco mais de seu apetite pelo Rock sem frescuras.

A música faz parte do álbum “Rck’n’Rll”, lançado no primeiro semestre de 2014 e que vem recebendo excelentes críticas pela mídia especializada.


O clipe conta especialmente com cenas da banda ao vivo, local onde o GASOLINE SPECIAL sabe muito bem se comportar e levar os fãs de Rock’nRoll pesado, descompromissado e incorreto ao delírio, com performances sempre energéticas.


A direção e edição ficaram a cargo de Guilherme Mesquita. A captação de imagens a cargo de Guilherme Mesquita e Fábio Hosoi Rezende.

o GASOLINE SPECIAL disponibilizou de forma gratuita a audição e o download do álbum ‘Rck’n’Rll’ em seu site oficial.

Para baixar o álbum e todo o encarte, visite:


Para quem preferir ouvir o disco em streaming, é só visitar:


O álbum foi produzido por Bruno Fornazza no Bimini Studio (Dharma 101, Felipe Andreoli) e conta com nove faixas. Já a capa ficou por conta do artista curitibano Butcher Billy, conhecido pelo seu estilo extremamente característico (www.behance.net/ButcherBilly).

Aos que preferirem o álbum em formato físico, assim como todo o merchandise oficial da GASOLINE SPECIAL, pode ser comprado diretamente com a banda pelo e-mail: contato@gasolinespecial.com


Sites Relacionados:



Skinlepsy: Álbum disponível para compra em formato digital


O SKINLEPSY anuncia que seu mais recente álbum “Condemning The Empty Souls” está disponível também para compra digital e streaming.

‘Condemning The Empty Souls’ pode ser considerado facilmente como um dos trabalhos iniciais mais bem aceitos da história do Metal tupiniquim.


Mesmo com o grupo formado por músicos experientes da cena que fazem ou fizeram parte de lendárias bandas de nossa cena (leia-se: Siegrid Ingrid, NervoChaos, Anthares, Skullkrusher, Pentacrostic e Opera), ‘Condemning The empty Souls’ continua sendo o primeiro trabalho oficial sob o nome de SKINLEPSY.

E o reconhecimento foi amplo, de notas máximas e citações com um dos melhores discos do ano – não só no Brasil – a banda conseguiu pavimentar fortemente seu nome na cena.

A distribuição do material digital está sendo feita em parceria com Metal Media Digital Music. O álbum pode ser comprado nas principais lojas de venda digital ou diretamente pelo link: http://goo.gl/OUGOET. O álbum também está disponível para streaming no Spotify, Deezer, entre outros.

‘Condemning The Empty Souls’ foi lançado no Brasil, em CD, pela Shinigami Records. O material conta com as participações especiais de Luiz Carlos Louzada (Vulcano, Hierarchical Punishment, Chemical Disaster), Fernanda Lira (Nervosa) e Thiago Schulze (Divine Uncertainty).

Contato para shows e merchandise: skinlepsy@hotmail.com

Sites relacionados:



Red Front: Videoclipe com música inédita está disponível


Desde que anunciou o seu retorno com nova formação, muito se especulou em como está o “novo” RED FRONT, e, para extinguir qualquer dúvida, a banda lança o videoclipe para a nova faixa “N.W.C”.

O videoclipe mostra um RED FRONT mais maduro e técnico, porém sem perder o bom humor, característica que marcou a trajetória do grupo. O vídeo foi editado por Michel Marcos, do M&H Studio. Assista:


“Esperamos que os antigos fãs do RED FRONT gostem da nova cara do grupo. Era importante demais que encontrássemos as pessoas certas para seguir com o trabalho do Red Front. Fomos muito bem recebidos pelo público e somos muito gratos por isso, então queríamos que a nova formação não só respeitasse nossos apoiadores, mas também desse um passo a frente no quesito musical, acho que conseguimos!” – comenta o guitarrista Oscar,o baixista Marq completa no tom de brincadeira que a banda sempre levou a sério: “Que a zuera recomece!“

A nova formação conta com os veteranos Oscar (guitarra) e Marq (baixo) e com os já anunciados Daniel Lunardi (guitarra) e Paulo Zumby (bateria). Para fechar a formação o vocalista Bosco (Granada e Imbyra).

Em breve mais novidades.


Sites Relacionados:



Feartone: Estreando canal e anunciando novidades


A banda do interior paulista FEARTONE acaba de inaugurar seu novo canal no YouTube e aproveita para apesentas novidades.

Primeiramente, os músicos convidam a todos para seguirem o novo canal, que pode ser feito pelo link:


No canal, já é possível ouvir a primeira demo lançada em 2011. Um vídeo com novidades e projetos para esse final de ano também acaba de ser postado, confira:


O FEARTONE apresenta uma música extremamente pesada e técnica, sem medo de se arriscar por diversas influências, buscando um som único e cativante.

Fique atento as novidades da banda, não só pelo YouTube, mas por todos os canais sociais do grupo:


Contato para shows e merchandise: contato.feartone@gmail.com

Sites relacionados:



Fonte: Metal Media
Minds That Rock!
R. Eugênio Xavier de Souza
Jardim Santa Maria
Mococa, SP 13730-160
Brazil
Telefone: 55 19 98271-4968

Kattah divulga gravadora europeia e informações do lançamento de "Lapis Lazuli"




O grupo curitibano KATTAH acaba de assinar contrato com a gravadora europeia Baker Team/Scarlet Records para o lançamento de seu segundo álbum intitulado "Lapis Lazuli".

O CD foi produzido por dois dos melhores produtores musicais da atualidade, Roy Z e Andy Haller, que já trabalharam com artistas como Bruce Dickinson, Ozzy Osbourne, Judas Priest, Rob Halford, Sepultura, André Matos e System of a Down. 

"Lapis Lazuli" tem a capa assinada pelo designer Rohdrich Silva e tem data de lançamento mundial em 28 de outubro.

O KATTAH foi formado no ano de 2006 e sua característica marcante é mistura de elementos da música oriental árabe com Heavy Metal. Dentre suas composições a banda apresenta também ritmos brasileiros e sonoridades que vão além do Heavy Metal, levando o grupo a realizar uma mistura cultural única, o que define a singularidade do grupo. 

Estes diferenciais chamaram a atenção do público e de vários produtores desde o inicio da carreira da banda, e em 2011 lançaram o debut álbum “Eyes of Sand”, que lhes trouxe ótimos frutos e entre eles o lançamento do videoclipe “I Believe” e o convite da banda Angra para excursionar em uma Tour Europeia em 2011, passando pela Bélgica, Suíça, Itália, Espanha e França.

Atualmente o grupo é formado por Roni Sauaf (Vocal), Victor Brochard (Guitar), Cícero Chagas (Bass) e Cristian Alex (Drums). 

Recentemente o quarteto assinou também com a Furia Music Produções que cuidará da Assessoria de Imprensa e de sua agenda de shows.

KATTAH encontra-se com a agenda aberta para a “Lapis Lazuli Tour 2014” e os interessados em tê-los em sua cidade devem entrar em contato através do e-mail contato@furiamusic.com.br . Os jornalistas e órgãos de imprensa interessados em receber o press kit do grupo e agendar entrevistas devem entrar em contato através do e-mail imprensa@furiamusic.com.br .



Pop Javali: assista a banda tocando “Bark At The Moon” do Ozzy




O trio de Hard Rock, POP JAVALI acaba de lançar em seu canal do Youtube, um vídeo onde tocam um dos maiores clássico de Ozzy Osbourne, “Bar At The Moon”. 

A gravação rolou no início deste mês nos estúdios da Oversonic Music, com alta qualidade, tanto em som, quanto em imagens.

O vídeo pode ser visto, aqui:


Na ocasião, a banda gravou ainda, três músicas autorais, que serão liberadas para o público, em breve.

O POP JAVALI lançou recentemente o segundo álbum, “The Game Of Fate”, que foi produzido pelos irmãos Andria e Ivan Busic (Dr.Sin), e vem obtendo excelentes críticas por parte da mídia especializada.  

Na última passagem do Uriah Heep por SP, alguns meses atrás, eles foram os responsáveis pela abertura (na Via Marquês), arrancando muitos aplausos dos presentes.

Se você ainda não conhece a banda, veja o videoclipe oficial de “Healing No More”, presente em “The Game Of Fate”:


A banda é formada por Marcelo Frizzo (baixo e vocal), Jaéder Menossi (guitarra) e Loks Rasmussen (bateria)

Acompanhe o POP JAVALI nas redes sócias:

Capadocia: Confira o Teaser de "Standing Still"




Tocando juntos desde 2011, o CAPADOCIA é uma banda de Metal do ABC paulista, totalmente independente que descende de uma antiga cena de Metal pesado muito forte e influente nos anos 90. Tendo como integrantes Baffo Neto (vocal, guitarra), Palmer de Maria (bateria), ambos da formação clássica da banda Retturn, Marcio Garcia (ex-Postwar), Gustavo Tognetti (ex-Skin Culture).

A banda atualmente está em estúdio finalizando o álbum de estreia, intitulado “Leader’s Speech”, que tem como principal característica musical uma mescla bem dosada de ritmos derivados de várias vertentes da música brasileira.

Com letras dissertativas que abordam desde situações de abuso de poder, corrupção e desvios de conduta até casos e descasos do cotidiano a nível pessoal, o grupo pretende expandir sua música e mensagem por todo mundo.

Como parte da divulgação e do lançamento deste trabalho a banda irá se apresentar em 06 cidades ao lado do Cavalera Conspiracy banda dos irmãos Max e Igor grandes representantes do metal nacional no mundo.

Para conhecer a banda ouça algumas músicas do álbum “Leader’s Speech” no reverbnation: 


Recentemente a banda divulgou o Teaser do primeiro vídeo clip deste álbum que será lançado em Outubro para todo Brasil a música escolhida como primeiro single foi " Standing Still".


O vídeo clip oficial será divulgado nos próximos dias no canal oficial da banda no youtube.



Informações para imprensa e shows: info@hoffmanobrian.com.br



Marketing artístico/entretenimento
Cel: +5511-987916446
Cel: +5511-77912363
Nextel ID: 55*966*13116

Resenha: Prólogo - Equilibrium (CD)

Independente
Nota 8,0/10,0

Por Marcos "Big Daddy" Garcia


Um dos aspectos mais legais da cena do Metal nacional é como ela se encontra antenada com as tendências que vem de fora, talvez uma consequência da agilidade que a internet nos concedeu, e todos os dias, boas bandas de gêneros mais recentes, como o Metalcore, andam surgindo aqui e ali. E das terras de Criciúma (SC), chega o PRÓLOGO, um quinteto ótimo com uma pegada Metalcore bem melodiosa, mas de leque de influências musicais bem amplo, e que em "Equilibrium" mostram as caras.

Primeiro de tudo, a música da banda é forte como um todo, sem muitas exibições pessoais de técnica. Ou seja, o mais importante ao trabalho do quinteto é ser sólido, onde o conjunto é seu ponto mais forte. E isso transpira em cada uma das composições, onde podemos ver o uso de vocais limpos e guturais convivendo amistosamente, riffs de guitarra bem ganchudos e intensos (onde vemos a forte influência do Metal dos anos 90, de bandas como PANTERA e mesmo FEAR FACTORY), o baixo mostra uma técnica muito boa, assim como a bateria, mas ambos estão sólidos na base. E assim, a música da banda desfila por nossos ouvidos cheia de vida e energia, pulsando com melodias agradáveis e bastante identidade (isso sim, o mais importante de tudo).

Slipcase
Produzido pelo próprio quinteto e Adair Daufembach (este último ainda mixou e masterizou o disco), vemos que existe um equilíbrio entre peso e qualidade, já que a música do grupo soa agressiva e melodiosa, mas ao mesmo tempo, bem limpa. E é justamente por estar limpo que os acordes e arranjos musicais do grupo estão bem evidentes aos ouvidos. Na arte, a banda não economizou, já que apesar de encarte mais simples, a capa é ótima, e o CD ainda vem dentro de um Slipcase muito legal, onde está o símbolo do grupo, a letra "P" estilizada, tudo muito funcional em um bom trabalho da DNR Desing e Willian Marchioro.

Prólogo
Outro ponto bem interessante é justamente o uso de letras em português, com mensagens mais positivas e bastante reflexivas, com algumas citações a pensadores e cultura Pop. E deixo a vocês, caros leitores, o trabalho e prazer da descoberta de cada uma delas, pois é um excelente exercício para a mente. E musicalmente, o grupo desfila 10 ótimas canções.

Destaques: a feroz "Pilares" (o uso de vocais limpos entremeado de urros guturais e alguns vocais rasgados ficou ótimo), a bela e melodiosa "Equilíbio" (reparem bem no ótimo trabalho de baixo e bateria da banda), "Lenços Sujos" com seu tempo mediano (com muito Thrash e Groove nas guitarras), a azeda e forte "Amanhecer" (mais uma vez excelente trampo das guitarras, e com participação de Dijjy Rodrigues), a ríspida e seca "Espelho", e a complexa e melodiosa "Refração".

Uma bela estréia, e esperamos ouvir mais coisas da banda o mais breve possível.

Ah, sim: o CD está disponível para download gratuito aqui, mas vale muito mais a cópia física, logo, adquiram as suas.





Tracklist:

01. Pilares
02. Sintonia
03. Fluxo Inerte
04. Equilíbrio
05. Lenços Sujos
06. Amanhecer
07. Íris
08. Espelho
09. Refração
10. Bem Maior


Banda: 

William Marchioro - Vocais
Felipe Taboada - Guitarras, vocais
Jonas Schlengman - Guitarras
Welton Souza - Baixo
Lucas Taboada - Bateria, vocais


Contatos:

NERVOSA: South American Tour announced




NERVOSA announce their first tour abroad, in order to keep up promoting their latest album 'Victim of Yoursef'.

The tour, which will pass through South America, will take place in September and will feature 9 dates in 4 countries - Peru, Chile (where the band will play with the American thrasher from Municipal Waste), Colombia and Argentina.

More info about the dates as well as each gig's posters will be announced during the next days.

Check the official tour poster attached, which is presented by the Brazilian booking agency Xaninho Discos.



For further info on Nervosa, please check:
Twitter e Instagram: @nervosathrash



Source: Nervosa

NERVOSA: Turnê Sulamericana é anunciada




A banda NERVOSA anuncia sua primeira turnê fora do país afim de continuar a divulgação de seu mais recente disco, 'Victim of Yourself'. 

A tour, que passará pela América Latina, acontecerá durante o mês de setembro e contará com 9 datas em 4 países - Perú, Chile (onde a Nervosa dividirá o palco com a banda americana Municipal Waste), Colômbia e Argentina.

Mais informações sobre as datas assim como todos os flyers dos respectivos shows serão divulgados ao longo dos próximos dias!

Confira em anexo o flyer oficial da turnê, que tem realização da produtora paraense Xaninho Discos.



Para mais informações sobre a NERVOSA, acesse:
Twitter e Instagram: @nervosathrash



Fonte: Nervosa

Resenha: République Du Salém - O Fim da Linha Não é o Bastante (CD)

Independente
Nota 9,5/10,0

Por Marcos "Big Daddy" Garcia


A extavagância em certos trabalhos musicais, enquanto arte, realmente é algo extremamente desejado, faz parte da musicalidade de muitas bandas. Isso sempre nos concede atrativos sonoros e visuais de primeira linha. E o quarteto RÉPUBLIQUE DU SALÉM, de São Paulo, é capaz de ser extravagante e surpreendente nas mesmas medidas em seu CD "O Fim da Linha Não é o Bastante", lançado de forma independente e que nos dá um sopro de esperança em termos de música na terra brasilis.

Primeiro de tudo, a banda faz um misto de Rock'n'Roll com influências do Hard Rock setentista mais doses homeopáticas e saudáveis de Folk Rock e Southern Music, sendo acessível a um público maior, e isso sem deixar o trabalho descaracterizado como "Rock". É algo cheio de vida e energia de sobra, fugindo completamente a certos estereótipos musicais, e só faz bem aos espíritos e mentes cansados de certas coisas que teimam em jogar em nossos ouvidos nas grandes rádios do Brasil. Uma mistura de vocais fortes, viscerais e bem postados (com boas doses de agressividade e melodia), um trabalho de guitarras que é ótimo e pode ser descrito como eclético, baixo e bateria firmes em uma base técnica e não muito convencional ao que ouvimos nos dias de hoje. E como é bom!

Adriano Daga e Brendan Duffey fizeram todo o trabalho de produção, mixagem, masterização e gravação no Estúdio Norcal, em São Paulo. A produção, como de praxe, é excelente nos quesitos clareza, peso e ambientação (nisso, Brendan e Adriano são mestres), e percebemos que a qualidade dos timbres escolhidos é ótima. A arte, onde vemos algo realmente extravagente, bem próximo ao que era visto constantemente nos 70, é um trabalho primoroso e bem cuidado de Thiago Sttrachi (vejam o painel formado pela capa e terão a clara idéia do que o Pai Marcão aqui está falando).

République Du Salém
Musicalmente, a banda realmente sabe criar arranjos bem feitos e que se encaixam perfeitamente, sem pôr algo desnecessário ou tirar algo essencial que seja das músicas, além das letras em português mostrarem que a métrica da língua portuguesa pode ser bem adaptada ao Rock sem problemas (e que possuem letras muito interessantes e que merecem uma reflexão mais profunda). E nem falamos ainda nas participações especiais de Rachel Billman (vocais em "Apenas uma Canção de Amor"), Adriano Ganzarolli (que toca o bom e velho Hammond em "Sem Hora pra Voltar") e Adriano Daga na percussão.

Em "Cidadão Kane", temos um típico Rock'n'Roll pesado e cheio de psicodelia setentista, com ênfase nos ótimos vocais e guitarras (reparem bastante no solo de guitarra, cheio de wha-wah, um traço forte da influência dos guitarristas da época), enquanto "Corpo Achado, Bala Perdida" já tem um jeitão bem gorduroso à lá Southern Rock/Blues, enfatizando demais o trabalho perfeito da cozinha baixo-bateria. Em "Apenas uma Canção de Amor", obviamente temos uma balada com belos vocais, mais um violão muito bem colocado (de onde vem a clara influência da Folk Music e que muitos poderão confundir com MPB), que começa amena e vai ganhando peso conforme avança (e encerra amena), se tornando um dos melhores momentos do CD (o uso de letras em português com um verso em inglês foi uma ótima idéia). "Sem Hora pra Voltar" é uma típica canção pesada com forte influência da Soul Music americana, logo o baixo e os corais se sobressaem quase que magicamente. "Os Homens" é pesada, mas mais intimista, com forte dose de Blues, com vocais e guitarras geniais. E fechando, "Expresso 212" é um típico Rock "Zeppeliniano", onde baixo e guitarras se sobressaem muito. O único defeito é: só seis músicas? Poxa, poderiam ter dez, quinze, vinte, pois o CD não nos cansa.

Excelente banda, sem sombra de dúvidas, e isso é Rock'n'Roll de primeira, senhores! 



Tracklist:

01. Cidadão Kane
02. Corpo Achado, Bala Perdida
03. Apenas uma Canção de Amor
04. Sem Hora pra Voltar
05. Os Homens
06. Expresso 212


Banda:

Davi Stracci - Vocais
Guido Lopes - Guitarras, violão e piano
Marcio Albano - Baixo
Raul Lino - Bateria, backing vocals


Contatos: