10 de ago de 2015

10/08/2015: News Metal Media




Infestatio: perto de finalizar a gravação do seu novo single


O grupo jundiaiense INFESTATIO segue trabalhando pesado para deixar seu novo single com a melhor qualidade possível, que está próximo de ser lançado.

O baixista Regi comenta mais do processo:

“Gravar o baixo para este single foi uma experiência muito bacana e estamos muito contentes com o resultado. A experiência e o conhecimento do Caio (Wink Studio) somaram muito para atingirmos um som extremamente pesado. Para a gravação, usei 2 baixos diferentes e tivemos muita liberdade para discutir ideias e gravar diferentes passagens para comparação, o resultado final é surpreendente! Aproveito a ocasião para agradecer ao Zé Cantelli do DNR por disponibilizar todo seu equipamento para gravarmos. Valeu, Zé!”

Como noticiado o INFESTATIO está no estúdio Wink gravando o novo trabalho e em breve saberemos o título e mais detalhes deste single.

Para conhecer o grupo, é possível fazer o download gratuito o EP ‘F.Y.A.’. Para baixar, clique no link: http://infestatio.com/fya.zip

Contato para shows e merchandise: infestatio@infestatio.com

Sites relacionados:



Crom: grupo participando de tributo a Percy Weiss


Nada como uma homenagem de alto nível para alguém que teve uma carreira que será sempre lembrada pelos fãs de Rock e Metal. E através desta premissa que as rádios Stay Rock Brazil e Dixie Rebel estão preparando um tributo ao músico Percy Weiss e o CROM será uma das bandas.

O trabalho será disponibilizado para download gratuito e terá capa feita pelo artista Johnny Adriani. Ao todo serão 21 faixas com bandas dos mais variados estilos homenageando o músico.

O CROM participará com a música ‘Na Calada da Noite’, retirada do álbum ‘7’ do Harppia. Além do CROM, bandas como Hellish War, Made In Brazil e Tublues também participarão. Para conferir todas as bandas e músicas, curta e visite a Fanpage dedicada ao assunto:


O grupo recentemente anunciou o lançamento da segunda parte de seu EP ‘We are Steel’ e agora libera a primeira música retirada do vindouro trabalho. A faixa, instrumental, leva o título simplesmente de ‘Crom’. Confira:


Assim como a primeira parte de ‘We Are Steel’, o EP está sendo gravado no estúdio Feeling Ritmos & Cordas (Studio Áudio Produções). A produção ficou por conta do renomado guitarrista e produtor Alexandre Freitas (Tublues) e capa pela próprio baixista, Cezar Heavy.

Esta será também a última participação do baterista Claudivam Silva, que está deixando a banda. Agora o CROM procura por bateristas para preencher a vaga. Interessados devem entrar em contato com o grupo por e-mail ou Facebook.


Sites Relacionados:



Alexandre De Orio: parceria com a Peavey – assista ao vídeo!


O músico Alexandre de Orio, autor do livro Metal Brasileiro, guitarrista da banda Claustrofobia e Quarteto de Guitarras Kroma gravou um vídeo em parceria com a Peavey, empresa estadunidense fabricante de equipamentos de som.

O guitarrista apresenta diversas possibilidades que podem conseguir com a série Valveking, na qual é endorsee, e mostra um pouco da sua versatilidade nas seis cordas, tocando trechos de diversos gêneros musicais, que vai desde Metal, incluindo alguns riffs do Claustrofobia, até o jazz, chorinho, blues, entre outros.

Há duas versões do vídeo, uma mais curta e direta, com exemplos mais práticos; e outra versão mais longa e mais específica pra quem toca e quer saber detalhes do amplificador.

O vídeo, que foi produzido pelo Kaiowas Studio, acaba de ir para o canal no youtube da Peavey americana.



Instagram: @alexandredeorio



Syren: música nova disponibilizada para audição


O SYREN acaba de disponibilizar uma música inédita de seu recente ‘Motordevil’ para audição. Trata-se da música ‘Eyes Of Anger’, sexta faixa do álbum.

Para ouvir, visite o link:


‘Motordevil’ foi lançado este ano em parceria com a Shingami Records e já vem colhendo citações de um dos melhores discos nacionais de 2015.


O disco já está à venda. Quem quiser comprar o CD de ‘Motordevil’ pode fazer entrando em contato diretamente com a banda por e-mail ou Facebook. Ele também está disponível nas melhores lojas especializadas e no site da Shinigami: http://goo.gl/C0IyzC

Anteriormente uma música já havia sido lançada, ‘My Shadows, My DearFriend’:



Sites relacionados:



Necromancia: levando seus 30 anos de Thrash para Campinas


Os fãs de Thrash Metal de Campinas e região tem um encontro marcado com um dos principais nomes do Metal nacional de todos os tempos: a banda NECROMANCIA estará se apresentando na cidade.

O trio se apresenta no dia 16 de agosto, um domingo, na edição 2015 do Festival AutoRock, que conta ainda com a participação das bandas Necromancia, Desalmado, Mortage, Laconist e Kliav.

Mais informações sobre o evento: https://www.facebook.com/events/918192341570931/

O NECROMANCIA segue preparando o novo álbum, sucessor do aclamadíssimo ‘Back From The Dead’ e em breve deverá nos apresentar novidades, enquanto isso vamos curtindo os dois clipes retirados do álbum:



A banda está disponível para shows por todo o território brasileiro, para agendar datas entre em contato pelo e-mail:necromanciaband@hotmail.com

Sites relacionados:



Fonte: Metal Media

Monstractor – Recycling Thrash (CD)

Die Hard Records
Nota 9,5/10,0



Por Marcos "Big Daddy" Garcia



Existem bandas que, mesmo sem buscar caminhos inovadores para sua música, são tão ferozes e com sangue nos olhos que chegam a assustar os mais incautos. E tem bandas que chegam apresentando tantas qualidades que realmente se torna impossível não os aplaudir, pois merecem. E um dos grupos mais insanos em termos de Metal extremo em nosso país é, sem sombra de dúvidas, o Sasquatch de Resende (RJ) MONSTRACTOR, que acaba de lançar o seu primeiro álbum, o furioso “Recycling Thrash”. 

Imaginem uma fusão bem equilibrada de um MOTORHEAD Thrash Metal com aspectos pesados do Doom/Stoner, e alguns toques dos momentos mais ferozes do PANTERA. Está chegando perto do que o MONSTRACTOR faz, mas tal comparação é bem simplista para falar dessa insana mistura de vocais urrados em timbres quase naturais (mas com boa dicção), guitarras azedas e com timbres fortes e pesados, baixo e bateria com muito peso e técnica nas medidas certas. E isso tudo soa como um estouro de um bando de mamutes por nossos ouvidos, mas encorpado e com certas sutilezas que tornam sua música requintada em meio ao caos furioso que ela se propõe a ser.

Monstractor
Gravado, mixado e masterizado no Mr. Som Studio, em São Paulo, ao ver os nomes de Marcello Pompeu e Heros Trench na produção, não é de estranhar que o CD soe tão bem aos nossos ouvidos. A gravação é abrasiva, pesada e azeda, uma especialidade deles dois, mas ao mesmo tempo, a clareza sonora necessária para que o trabalho possa ser absorvido completamente. É sujo, pesado, agressivo, mas com muita qualidade e clareza.

Ora mais veloz, ora mais cadenciado e azedo, o trio mostra um trabalho que prima, antes de tudo, pelo conjunto. A técnica individual de cada uma (que é de bom nível) fica sempre atrás do mais importa: uma música vibrante, bruta e cheia de energia o tempo todo, com bons arranjos, refrões ótimos e mudanças de andamento.

O CD abre com a feroz “Take the Suffering”, com andamento em tempo médio, bastante pesada e cheia de energia, com vocais crus vociferados com garra, fora uma dinâmica ótima nos riffs. Em “Bermuda Triangle”, também com andamento não tão veloz, mas cheia de energia, vemos algumas belas levadas de bateria, um solo de guitarra ótimo. Em “Monsterman”, uma canção empolgante e com o groove sensacional, temos vocais insanos e belos corais. “Lycanthrone”, um pouco mais acelerada, com alguns ritmos quebrados bem colocados, se sobressaem as bases de guitarras muito pesadas e abrasivas, basicamente os mesmos elementos que ouvimos na mais espontânea “Whiskey Hangover”, onde um ranço de MOTORHEAD é bem tênue, bem como surgem algumas partes mais brutais. “Brazilian Roswell” (música do primeiro lyric video do CD) também é bruta, mas com algumas melodias por baixo da pancadaria (a letra foca a questão dos ETs de Varginha, MG, em 1996, e faz um paralelo com o Incidente de Roswell, EUA, em 1947), e “Death by Walrus” tem um jeitão mais anos 90 de se fazer Thrash Metal, ambas com guitarras fazendo ótimos riffs e solos. “Immortal Blood”, faixa do vídeo oficial de divulgação, é uma pedrada, com ótimo trabalho de baixo e bateria, andamentos alternados, e uma ferocidade ímpar, e em “Vultures”, mais peso abrasivo, Thrash Metal modernoso com momentos opressivos e densos, e vocais ferozes ótimos, muito bem assentados sob a base instrumental da banda, além de excelente presença de riffs e solos caprichados. Uma dinâmica linda entre bases que lembram uma fusão do Thrash com groove dos 90 com belas construções em termos de riffs melodiosos dos 80 é o que temos em “Corrosive Envy”, uma das grandes músicas do CD, mostrando uma técnica sóbria em uma música fantástica, enquanto “The 4th Kind” mostra o grupo com uma canção em que estão misturados momentos mais dinâmicos e outros cadenciados. Fechando o CD, temos “The Brood”, um cover do EXPANTOR (antiga banda do baixista/vocalista Christian Klein), que é bem pesada e pesada, mas com certo toque do METALLICA do “Black Album”, ou seja, pesado e melodioso, mas com arranjos Thrash não tão exagerados na técnica.

Assim, o MONSTRACTOR se mostra uma banda digna de aplausos e elogios, pois apesar de não estar revolucionando o Metal, tem personalidade definida, e uma música excelente que realmente nos ganha pelos ouvidos.



Músicas:

01. Take the Suffering
02. Bermuda Triangle 
03. Monsterman
04. Lycanthrone
05. Whiskey Hangover
06. Brazilian Roswell
07. Death by Walrus
08. Immortal Blood
09. Vultures
10. Corrosive Envy
11. The 4th Kind
12. The Brood


Banda:

Christian "Sabbertooth" Klein – Vocais, baixo 
Monsterman – Guitarras 
Demétrios Maia – Bateria 


Contatos:

Serenity in Fire - Give Him Your Soul (CD)

2015 - Eternal Hatred Records/Black Legion Productions/Rising Records - Nacional 

Nota 7,5/10,0

Texto: Marcos "Big Daddy" Garcia


Fazer Thrash Metal bruto e agressivo, mas com bom nível técnico, é uma tradição no Brasil desde que o SEPULTURA, ainda em 1987, soltou o clássico "Schizophrenia". De lá para cá, entre altos e baixos do gênero, o país sempre tem um saldo bem positivo, mesmo nesse momento de alta de agora. E é interessante conhecer novas bandas que andam mostrando as caras. E mesmo já não sendo uma banda tão jovem (ano que vem, o SERENITY IN FIRE completará 10 anos de carreira), o SERENITY IN FIRE de Sete Lagoas (MG) mostra um bom trabalho em "Give Him Your Soul", seu primeiro álbum, lançado pela parceria Eternal Hatred Records/Black Legion Productions/Rising Records.

Como o já citado SEPULTURA, esta dupla (já que o baterista André Bastos é um músico convidado) destila Thrash Metal técnico e pesado sem medo, energia de sobra e muita garra. E podemos aferir que a banda busca um meio termo, sem querer soar old school ou moderna, mas apenas como os seus membros desejam. Outra influência sensível no trabalho deles seria o SLAYER em seus primeiros trabalhos, ou seja, peso e agressividade sem ser tão extremo e sem esbarrar no Death Metal.

Serenity in Fire
A produção sonora está em bom nível, mais um trabalho muito bom de Fabiano Penna. A qualidade sonora realmente poderia ser melhor, sem dúvidas, pois soa bem crua e um pouco "enfumaçada", mas não chega a ser ruim. Conseguimos entender os instrumentos, e tem peso, mas poderia ser um pouco mais clara, apesar de perceber-se que eles buscaram algo que refletisse a sonoridade de um show ao vivo. E a arte é enigmática, mas muito bem feita, um trabalho instigante de Jean Michel da Designations.

The Last Surprise - Apenas uma introdução mórbida.

Fire Burns the World - Aqui, temos uma canção não tão veloz como poderíamos esperar de uma faixa de abertura, mas pesada e bem dinâmica e com bons arranjos nas guitarras (reparem como os riffs são intensos).

Two Faces - Outra com velocidade moderada (embora o ritmo mude em muitos momentos, gerando uma boa riqueza nesse aspecto), um bom trabalho nos vocais, e riffs muito bons.

Kill Believers - Mais focada na técnica, esta canção tem uma velocidade um pouco menor que as anteriores em seu início (depois retoma o mesmo pique de antes), e apresenta um trabalho da base rítmica pesado e interessante.

Inverted Crosses - Um dos pontos altos do disco, com riffs que realmente nos empolgam bastante, e uma dose maior de agressividade que as outras, mas ao mesmo tempo, as melodias dão um sabor interessante ao trabalho dos vocais.

Master of Darkness - Outra faixa bem empolgante, com um andamento que nos pega pelos ouvidos e não solta mais, com algumas boas variações de ritmo e uma bateria mostrando o que sabe fazer.

Die... My Symphony (Destruction) - Novamente o andamento se torna um pouco mais lento (embora continue agressivo e técnico) no início, e depois a velocidade dá uma aumentada, naquele 1 X 1 bem característico do Thrash Metal que conhecemos de 1985 a 1987, com bom trabalho dos vocais.

Wisdom Tower - Um certo feeling mais voltado ao Heavy Metal tradicional/Rock'n'Roll à lá MOTORHEAD se apresenta aqui, com uma velocidade longe de ser extrema, mas com resultados ótimos em termos de guitarra.

A Step (for Destruction) - Ainda mantendo o peso e agressividade do grupo, é uma faixa que mostra alguns leves toques de modernidade, com base e bateria mostrando bem as caras, que dividem o show com as guitarras.

Melhorando a qualidade sonora, esses caras prometem. E que "Give Him Your Soul" seja apenas o início de uma longa sucessão de álbuns.


Músicas:

01. The Last Surprise 
02. Fire Burns the World 
03. Two Faces 
04. Kill Believers
05. Inverted Crosses 
06. Master of Darkness 
07. Die... My Symphony (Destruction) 
08. Wisdom Tower 
09. A Step (for Destruction)


Banda:

André Leão - Baixo, vocais
Jiusepe Gáspari - Vocais, Guitarras
André Bastos - Bateria (músico convidado)


Contatos:

MS Metal Agency Brasil (Assessoria de Imprensa)