5 de dez de 2014

Ancesttral: novo single será lançado dia 12 de dezembro!





Enfim a espera está chegando ao fim! O ANCESTTRAL anuncia que o primeiro single retirado do vindouro álbum será lançado na sexta-feira, dia 12 de dezembro.

O single leva o título de ‘What Will You Do’, será lançado com um lyric video e apresenta uma vez mais o que a banda sabe fazer de melhor: mesclar muito peso, riffs afiados e melodias que nunca saem da cabeça.


O trabalho, assim como todo o álbum ‘Web of Lies’ está nas mãos do renomado produtor ganhador do Grammy Latino, Paulo Anhaia. Toda a gravação do material está sendo feita no próprio estúdio do ANCESTTRAL e contará com Denis Grunheidt na bateria.

Para aliviar a ansiedade até sábado, a banda convida todos os amigos assistirem o medley com três músicas inéditas gravado ao vivo em agosto deste ano no Manifesto Rock Bar:



Sites Relacionados:



Fonte: Metal Media

Andsolis - Vigil (CD)

Nota 10,0/10,0

Por Marcos "Big Daddy" Garcia


O número de bandas que surgem nos dias de hoje é impossível de ser medido. Não dá, sempre surgem bandas novas em todos os cantos do mundo, e isso de certa forma causa uma dispersão dos fãs de Metal, fato ainda mais agravado por regras radicais sem sentido, divisionismos e outros fatores. e por conta de tudo isso, algumas excelentes bandas quase nos passam desapercebidas. A propaganda, hoje em dia, é a chave do sucesso para uma boa banda (mas sem talento, também não adianta nada), e ainda bem que a Shinigami Records, em um ato de heroísmo, remando contra a maré mercadológica em um momento que o MP3 gratuito anda prejudicando demais o cenário, trouxe ao mercado nacional mais um excelente nome: o do septeto alemão ANDSOLIS, que chega com seu primeiro trabalho, o viciante e excelente "Vigil". É mais um CD que chega a todos pela parceria do selo brasileiro com a Quality Steel Records da Alemanha.

O nome da banda significa "Em oposição ao Sol" em nórdico antigo. E sua música pode ser definida como "Melodic Progressive Death Metal", ou seja, é uma banda de Death Metal que lança mão de uma gama bem vasta de influências musicais para criar algo espantosamente ótimo, sem que tantos elementos soem dispersos em meio à música. A mistura de vocais guturais e limpos (à lá VINTERSORG e BORKNAGAR), riffs e solos maravilhosos que misturam técnica, melodia e boa dose de agressividade), base rítmica forte e pesada, com boa técnica, e belas incursões de teclados, com tudo na medida certa, faz de "Vigil" um vício para os fãs do gênero. E mesmo para outros fãs de outras vertentes que ouvirem o disco, já que a mistura de brutalidade com momentos mais melodiosos, outros amenos e outros ainda mais introspectivos, é de excelente qualidade.

A qualidade sonora é crua, mas muito boa, apesar de não ser nenhuma super-produção do gênero. Soa pesada e limpeza suficiente para que os instrumentos soem audíveis separadamente, sem que exista a sobreposição de um ou outro. Não, longe disso, Marc Ayerle (que produziu, mixou e masterizou o álbum, além de dar uma canja nas guitarras e teclados) soube dosar tudo comedidamente, colocando cada coisa em seu devido lugar, e pondo timbres nos instrumentos o mais próximo da forma mais tradicional do Death Metal. A arte de Juanjo Castellano para a capa e layout do encarte não só é bem escolhida para dar corpo à música do grupo, mas resgata um pouco o estilo visto em muitas capas de discos de Death Metal do início da década de 90.

Andsolis
O septeto mostra que consegue, dentro dos moldes que eles mesmos estabeleceram para sua música, fazer um trabalho musical com esmero e sabedoria. Arranjos muito bem cuidados, dinâmica rítmica que varia de forma não abrupta, embalando o ouvinte sem problemas, e fazendo de "Vigil" um CD obrigatório. E isso em sete faixas longas, sendo que a menor passa tranquilamente dos cinco minutos. E sem que as músicas soem cansativas aos nossos ouvidos!

"Stand Vigil" é pesada, um pouco mais azeda e com ótimo trabalho da cozinha rítmica, mas as incusões de vocais limpos épicos realmente são fantásticas, e lá se passam nove minutos como se nada fossem. Em "Kingdoms Without Shape", música do vídeo de divulgação, tem um clima um pouco mais melancólico, dominada principalmente por vocalizações limpas, mas quando os vocais guturais aparecem, a música se torna bem agressiva, mas não se iludam: ela muda muito de andamento, logo, existem grandes variações. E mais mudanças de ritmo, com belo trabalho das guitarras é o que nos aguardam em "In Silent Confidence", e sem contar que a presença dos teclados dão um certo toque de Progressivo à canção em muitos momentos. Levemente mais bruta e agressiva é "The Mystic", mas se prestarem atenção, por volta dos 3 minutos, surge um momento ameno e mais tenebroso, com arranjos de pianos e guitarras limpas. A precisão e lindas melodias de guitarras dão a tônica em "Days of Receding Light", mais a excelente técnica, momentos limpos, e não é exagero dizer que chegam muito perto de serem um DREAM THEATER Death Metal ao ouvir esta canção (só que mais coeso e centrado na música). Ao ouvir "Meridian Smiles", vemos que ela já inicia mais bruta e opressiva, mas logo surgem momentos em que surgem elementos de Jazz, Progressivo e outros vão se misturando e dando um toque único e personalizado ao trabalho do grupo, abrilhantado mais uma vez pelo contraste de vocais urrados e limpos. Fechando o álbum, temos a excelente "The Laughter Echoes", uma faixa mais introspectiva, toda em momentos limpos, beirando o Progressivo/Folk Rock, elegante e encaixada com a proposta totalmente avantgardê do grupo.

O ANDSOLIS é algo de maravilhoso, e a Shinigami Records está de parabéns por tornar um CD tão bom e maravilhoso acessível aos fãs. Logo, compre a sua cópia o mais rápido possível!

E o CD pode ser adquirido aqui.




Músicas:

1. Stand Vigil
2. Kingdoms Without Shape
3. In Silent Confidence
4. The Mystic
5. Days of Receding Light
6. Meridian Smiles
7. The Laughter Echoes


Banda:

Manuel Siewert - Vocais
Oliver Kilthau - Vocais
Stefan Rosenmayer - Guitarras
Simon Abele - Guitarras
Martin Pohl - Teclados
Bryan Zwiers - Baixo
Marco Tecza - Bateria


Contatos:

Mais uma edição da Rock Meeting acaba de ser lançada!




Já baixou a nossa coletânea comemorativa pelos 5 anos da Rock Meeting? Rock Meeting Collection vol. 2, totalmente gratuito, assim como esta revista sempre foi.


Leia agora esta edição feita especialmente para você!



# Nesta edição #

Capa: Within Temptation
Coluna – Doomal | Review | O que estou ouvindo? | Perfil RM com Antonio Araújo (Korzus)
News – World Metal 
Entrevista – Gustavo Sazes | Republica | Evil Syndicate
Review – Behemoth | Kreator & Arch Enemy | Primavera Club




Você não viu as edições anteriores?
Veja todas as edições - http://issuu.com/rockmeeting



Fonte: Rock Meeting

Edguy e Hammerfall: discos disponíveis e shows no Brasil





Hammerfall


Edguy

Dois dos principais nomes do Heavy Metal europeu estarão aportando no Brasil este mês para divulgarem seus mais recentes discos de estúdio: o alemão EDGUY e o sueco HAMMERFALL. Completa ainda o lineup da tour o suíço Gotthard.

O EDGUY promove seu novo álbum ‘Space Police – Defenders of the Crown’ e o HammerFall o recém-lançado disco de retorno ‘(r)Evolution’ ambos lançados no Brasil e já disponíveis para venda pela Nuclear Blast Brasil. O Gotthard divulga o álbum ‘Bang!’, ainda não lançado em nossas terras.


As apresentações acontecem nas seguintes datas:
06/12 – Porto Alegre/RS
07/12 – São Paulo/SP
08/12 – Belo Horizonte/MG


De volta às raízes do grupo, ‘(r)Evolution é, sem dúvida, o trabalho que os fãs tanto esperavam do HammerFall.


O novo disco conta com onze músicas e uma bônus, ‘Demonized’, e foi produzido pelo sueco Fredrik Nordström, responsável pelos clássicos ‘Glory To The Brave’ e ‘Legacy Of Kings’. Confira um clipe para a música ‘Hector’s Hymn’:


O Edguy continua em seu sempre crescente reconhecimento e apostou – e ganhou – em ‘Space Police’ uma volta ao som que consagrou o grupo alemão: Power Metal. Claro que as altas doses de bom humor e os refrães contagiantes estão lá!

No Brasil o álbum foi lançado em versão dupla. Confira um videoclipe retirado do trabalho:


Para ficar por dentro das novidades e lançamentos da NUCLEAR BLAST BRASIL, curta a fan page no Facebook: www.facebook.com/nuclearblastbrasil

Para ingressos do show: Die Hard na Galeria do Rock – (11) 3331-3978 ou www.diehard.com.br



Fonte: Metal Media
Minds That Rock

Centúrias: o elogio mais inusitado da carreira



Nilton "Cachorrão" Zanelli: "Até que esta bosta presta", um 'elogio' inusitado! (Foto: Ricardo Ferreira)

Nilton "Cachorrão" Zanelli, vocalista do CENTÚRIAS, um dos pioneiros do Heavy Metal brasileiro, relembra um show ao lado da banda Vodu no extinto Teatro Mambembe (SP), realizado a 29 de julho de 1987, poucos meses após ter gravado o álbum "Ninja" (1988) no estúdio Guidon (SP). Na ocasião, ele ouviu uma frase que jamais esqueceu: "Começamos com 'Guerra e Paz' e 'Animal', sem intervalo entre as músicas. Depois, vendo o vídeo em casa, notei uma voz no final da 'Animal': 'Até que essa bosta presta!'. Pô, tomei como um elogio", diz. "O cara foi achando que seria ruim, acabou gostando e o 'elogio' foi bem espontâneo. Tocamos no Mambembe algumas vezes e também íamos a shows de outras bandas. Foi lá que ocorreu o sempre lembrado show 'No Posers' e outros com fatos engraçados", acrescenta.

Atualmente, Nilton "Cachorrão" Zanelli, Ricardo Ravache (baixo), Roger Vilaplana (guitarra) e Júlio Príncipe (bateria) estão com uma agenda regular de shows e em processo de composição do álbum que sucede o single "Rompendo o Silêncio" (2013). "Não queremos colocar uma data limite para não acelerar o processo e fazer as coisas na correria. Estamos ativos, produzindo e o novo álbum está nos planos", conclui o vocalista.

Contato para shows e merchandising: contato@centurias.com.br



Perc3ption se apresenta com Andre Matos em Sorocaba




O PERC3PTION, que segue promovendo "Reason and Faith" (2013) e trabalha na criação das composições do álbum seguinte, voltará aos palcos para um show ao lado da banda de Andre Matos. O evento será realizado no dia 12 de dezembro (sexta-feira) no Pirilampus Bar e Boliche, em Sorocaba (SP). 

Além de comemorar a boa fase e o entrosamento musical e pessoal, Raphael Dantas (vocal), Rick Leite e Glauco Barros (guitarras), Wellington Consoli (baixo) e Peferson Mendes (bateria) exaltam o orgulho em tocar com uma de suas referências. "Nunca tocamos com Andre Matos, referência máxima no Power Metal e um dos orgulhos do Metal brasileiro. Será um prazer dividir o palco com a banda dele", revela Glauco Barros. "Minha escola é essa, pois gosto muito do que as bandas de Prog e Power Metal fazem desde a década de 80. Nunca deixo de mencionar o trabalho de Andre Matos, que é um pioneiro do estilo, quando me questionam sobre as minhas referências", acrescenta Raphael Dantas. "Gosto muito do trabalho de diversos talentos do Brasil, como Mario Pastore, Edu Falaschi, Ricardo DeStefano do Inheritance e Thiago Bianchi, e recentemente tive o prazer de dividir o palco com outros grandes vocalistas que admiro, como Julio Federici do King of Bones e Alírio Netto do Age Of Artemis", finaliza.

Serviço:


Perc3ption, Andre Matos e Daily Jack
Data: 12 de dezembro
Horário: 21h
Ingressos: 1º lote pista- R$ 35,00 / 1º lote camarote - R$ 60,00 
Local: Pirilampus Bar e Boliche 
Endereço: Av. Comendador Pereira Inácio, 1801 - Sorocaba/SP
Informações: www.pirilampusbar.com.br / (15) 3211-8353 
Pontos de venda: Pirilampus Bar, Radical Vest do Sorocaba Shopping, Radical Vest do Iguatemi Esplanada
Realização: Sorocaba Rock Produções e Rádio Fox Rock

Sites relacionados:

Contato para shows e merchandising: contato@perc3ption.com



Super Metal e uma Super Banda – Entrevista com o Immortal Guardian




Por Marcos “Big Daddy” Garcia


Quando se fala em Power Metal, em geral as pessoas têm uma visão bem limitada do que realmente ele o é, mas após a explosão ocorrida entre o final dos anos 90 e o início da década passada, houve uma esfriada. Mas interessante é vermos uma banda jovem do estilo surgir em plena terra do Tio Sam, onde o Alternativo e o Metalcore imperam. Sim, estamos falando do IMMORTAL GUARDIAN, uma super banda que não só faz Power Metal, mas cria um novo híbrido, lançando mão de elementos extremos e de outros gêneros ao seu bel prazer criativo. 

Chamados por seus fãs de “Super Metal”, esse quinteto tem ganhado aplausos da crítica especializada e público, e agora estão lançado seus esforços por todo mundo, dispostos a abrirem as portas para o sucesso, nem que seja na marra!

Aproveitando o momento em que seu EP “Revolution Part I” chega às lojas (inclusive por aqui), fomos bater um papinho com Carlos Zema, vocalista brasileiro que integra a banda, buscando saber mais sobre estes novos heróis e seus planos.


BD: Primeiro de tudo, gostaria de agradecer pela entrevista. A primeira pergunta é sobre o EP: como “Revolution Part I” tem sido recebido pelos fãs? Ele chega a estar abrindo mais portas para vocês que “Super Metal: Edition Z”?

CARLOS ZEMA: Obrigado você pela oportunidade Marcos. Sim, a aceitação do "Revolution Part I", foi bem melhor do que o "Super Metal – Edition Z", diga-se de passagem. O "Revolution Part I", foi SOLD OUT no Japão, vendemos praticamente a primeira prensagem nos Estados Unidos em apenas uma semana, e assim estamos com a mesma intensidade e os números só vem aumentando. Com certeza as portas estão sim se abrindo, de forma surpreendente.


BD: Uma pergunta bem interessante é o que seria o “Super Metal”, rótulo que os fãs costumam chamar o estilo de vocês? E sejamos bem sinceros: realmente o IMMORTAL GUARDIAN possui aspectos bem personalizados...

ZEMA: O "Super Metal" foi um estilo batizado pelos nossos fãs aqui dos Estados Unidos. Todos nós na banda somos fãs de vários estilos de Metal e com certeza tentamos incorporar isso em nosso som, ao máximo possível.


BD: Zema, esta é toda para você: você é brasileiro, então, como é ser o frontman de uma banda norte-americana? Não chegou a enfrentar certa resistência por este fator? E acredita que em suas futuras contribuições musicais possam trazer certos aspectos da música brasileira ao trabalho do IMMORTAL GUARDIAN? 

ZEMA: Cara, ser um brasileiro em uma banda americana, no mercado mais competitivo do mundo, com certeza é uma puta responsa. Cheguei a enfrentar alguns preconceitos no começo, mas hoje em dia conquistei, com muita sorte e trabalho duro, o meu espaço e respeito. Meu intuito é sim aplicar os meninos cada vez mais na música brasileira e, contudo, poder incorporar isso em nossa música sim.


BD: Falando do EP em si: por que apenas um EP, e não um disco inteiro? Sei que “Revolution Part II” deve sair em breve e vai suprir esta necessidade, mas realmente é curioso...

ZEMA: A intenção de ter lançado um EP, foi na verdade, inicialmente, uma ideia do Roy Z, que nos sugeriu lançar um material com menos músicas, com o propósito de trabalhar lançando dois EPs por ano ao invés de um disco completo por ano. Mas decidimos lançar um disco completo no "Revolution Part II". Vamos trabalhar de forma mais efetiva nesse material para conseguirmos uma consistência maior em termos de lançamento de trabalhos.



BD: Ainda, quais as maiores diferenças entre “Revolution Part I” e “Super Metal: Edition Z”? Você chega a perceber alguma diferença muito grande entre eles em termos musicais e como banda mesmo?

ZEMA: Como banda, eu diria que o "Revolution Part I", comparando-se ao "Super Metal - Edition Z", é um disco muito mais maduro, mesmo sendo um pouco mais tradicional em termos de estilo, mas em minha opinião a banda está muito mais coesa e sólida. Pecamos um pouco em termos de produção no "Super Metal" e, em termos gerais, o público gostou mais do "Revolution Part I", com certeza.


BD: Roy Z produziu o EP, e fez um trabalho ótimo, se bem que ele é o Rei Midas do Metal em termos de produção (risos)... Como ele foi escolhido para trabalhar com vocês, e como foi o ter por perto? E já que ele deu uma bela de uma participada em “Immortal”, como foi que surgiu a ideia dele tocar com vocês? 

ZEMA: Eu e o Roy somos grandes amigos e eu já o conheço há anos. Já pensávamos em trabalhar juntos, e quando eu sugeri que poderíamos trabalhar juntos no IMMORTAL GUARDIAN, ele mostrou bastante interesse e nos fez uma proposta irrecusável. A ideia de tê-lo tocando conosco em uma música, foi inevitável. Ter a participação dele no disco foi realmente uma grande honra.


BD: outro fator legal do IMMORTAL GUARDIAN é o fato de ter músicos notáveis como Gabriel Guardian nos teclados e guitarras (um dia, ainda vou descobrir como ele consegue tocar assim!), além de Jyro Alejo na outra guitarra, sendo que ambos são bem reconhecidos no meio, além de você mesmo, Zema, que tem uma penca de ótimos trabalhos, mas a música da banda não soa como um todo, forte e pesada. Como é administrar tanta técnica, mas sem perder a noção de uma unidade? 

ZEMA: Bom, essa unidade, em minha opinião, é apenas fortalecida com técnica. Mas eu entendo seu ponto de vista. Tentamos acrescentar muito feeling, ao mesmo tempo que aplicamos muita velocidade e passagens muito técnicas. Contudo, no "Revolution Part I", tentamos manter uma pegada bem tradicional, especialidade do Roy. E em termos de estilo, tentamos manter a produção do disco bem fiel ao que o Roy fez nos anos de ouro do Bruce Dickinson. Para o "Revolution Part II", já estamos buscando algo diferente com o Roy. 


BD: Essa é venenosa: em “Beyond the Skies”, há uma citação interessante, que é “Libertas Qua Sera Tamen”, ou seja, “Liberdade Ainda que Tardia”, lema da Inconfidência Mineira, evento histórico particular do Brasil. E toda a idéia da letra nos remete diretamente à questão da luta pela liberdade em um contexto amplo e subjetivo. Há alguma ligação explícita da letra com o referido movimento, ou é mais uma referência em meio a tantas outras?

ZEMA: Na verdade, a referência foi em forma de uma homenagem ao Brasil, e eu sempre procuro fazer uma referência. De fato, a “Beyond the Skies”, é sim uma música que trata da conquista pela liberdade. A referência à Inconfidência Mineira foi uma referência à verdadeira liberdade, e não à liberdade pregada pelo governo norte-americano. Dessa forma, fizemos uma analogia com a letra da música de uma forma bem ampla, tratando-se da liberdade que lutamos em nosso dia-a-dia. Um verdadeiro motivo para que possamos nos unir e conquistá-la por definitivo.


BD: Ainda falando em “Beyond the Skies”, o lyric video ficou muito interessante nesse formato, usando cenas da banda ao vivo, mas surgindo também a letra da canção. Como foi que tiveram essa idéia? E particularmente, não me lembro de outras bandas usando esse expediente. Até nisso, vocês querem inovar? (risos)

ZEMA: De fato queríamos lançar um vídeo com letras, o que parece ser bem efetivo em termos da aproximação do público e das nossas letras, que é o que prezamos muito. Ao investigar mais de perto outros "lyric vídeos", encontramos alguns bem interessantes, mas decidimos lançar o nosso com as imagens ao vivo, para não participar do clichê e ao mesmo tempo para ficar mais interessante para os espectadores. 


BD: Bem, já que falamos em letras, existiria um tema central, uma mensagem única, por trás delas? E se sim, qual seria esse tema? 

ZEMA: Cada música da banda abrange certamente um tema diferente, apesar de que, tanto o "Revolution Part I", quanto o "Revolution Part II", fazem parte de uma sequência de temas relacionados com "revoluções". Essas, diversificam-se em suas diretrizes, mas sempre tratam, de certa forma, de um tipo de revolução. Carregamos esse tema nos dois discos, para retratar a cena mundial atual e nossos conflitos diários.


BD: Zema, sei que este assunto deve ser meio chato, mas você foi um dos que rechaçou completamente Jack Endino e as declarações duras dele contra bandas brasileiras que cantam em inglês. No fundo, é até estranho ele falar nisso, já que ele produziu o “Titanomaquia”, do TITÃS, e não creio que ele fale português. E como você é brasileiro e canta em um inglês perfeito, acho que ele não só errou feio, mas perdeu a chance de ficar quieto. Acha que essa forma dele pensar é mais abrangente do que sabemos, ou seja, que outros profissionais da área da música, pensam assim? E que tal um dia mandarmos uma cópia do “Revolution Part I” para ele? Pelo menos, ele veria que um brasileiro canta bem melhor e mais inteligível que o Kurt (risos)!

ZEMA: Bom, de certa forma, eu acho que o criticismo de Endino foi precipitado e não vejo de forma alguma como isso poderia ter sido construtivo. E uma crítica, em minha humilde opinião, que não está fundamentada em nenhuma forma de acrescentar, deveria ser evitada. Apenas por que não se justifica ou se caracteriza, uma nação e um estilo, tendo como exemplos as bandas ou artistas ruins e medíocres. Isso, sinceramente, pra mim, soou como um depoimento de um músico frustrado e não de um produtor renomado.


BD: Acima, falamos de “Revolution Part II”, então, que tal nos falar alguma coisinha sobre ele? Tudo bem, sabemos bem que existem segredos que só quando ele sair poderão ser ditos, mas a curiosidade é enorme (risos)!

ZEMA: O "Revolution Part II", está mais pesado, mais diverso e mais interessante do que o "Revolution Part I". Em minha opinião, haverão várias surpresas em termos de timbragem e de vocalizações. O disco trará mais vocais agressivos do que o "Revolution Part I", o que para muitos isso pode agradar. Veremos! :)


BD: E em termos de shows, a quantas andam as coisas para o grupo por aí? Alguma tour em vista pelos EUA, Europa e Japão? E quando teremos a honra de assistir o IMMORTAL GUARDIAN no Brasil? E já sabe que vou levar minha cópia do “Revolution Part I” para autografar, não é (risos)?

ZEMA: A banda está tocando muito aqui nos Estados Unidos e estamos constantemente viajando para tocar em muitos lugares. Estamos prevendo uma tour pela costa oeste dos Estados Unidos para o primeiro semestre de 2015 e, ao mesmo tempo, estaremos começando as gravações do "Revolution Part II" nesse período. O disco está todo escrito e pré-produzido. Os membros da banda possuem projetos paralelos e combinamos de podermos investir nos mesmos de agora até o fim do ano. Assim como, estarei no Brasil fazendo um show de aniversário da minha antiga banda, Heaven’s Guardian. 



BD: Bem, agradeço demais por suas palavras, e que tal mandar sua mensagem aos nossos leitores, esse público que somente agora está descobrindo o IMMORTAL GAURDIAN? O espaço é seu.

ZEMA: Muito obrigado, primeiramente, a você que leu essa entrevista até aqui. Queria mandar um grande alô para todos os fãs de Heavy Metal do Brasil, e dizer que mesmo com todas as tendências e modismos, ainda confiamos que nosso bom e velho Heavy Metal prevalecerá, acima de tudo. Muito obrigado pelo espaço no Metal Samsara e por vocês acreditarem em nossa música favorita! :)

Me desculpem, por favor, os que não concordam com minha opinião. E assim como nosso som, ninguém é obrigado a nos engolir, muito menos a aceitar. Mas independente do estilo, fazemos com o coração e com a maior sinceridade do mundo. Tudo de bom pra vocês e sempre acreditem em seus sonhos. Só vocês podem torná-los realidade. Grande abraço.


Contatos:



Vejam o vídeo de "Beyond the Skies":



O Metal Samsara gostaria de agradecer a Carlos Zema pela entrevista e a Richard Navarro (da BMU/ASE Press Music) por tê-la tornado possível.

Age of Artemis é destaque da edição nº 175 do programa Heavy Nation




A banda AGE OF ARTEMIS foi destaque da edição #175 do programa Heavy Nation, que foi ao ar no último dia 4/12/2014 pela Rádio UOL. Em entrevista exclusiva aos apresentadores Julio Feriato e Fernanda Lira, o vocalista Alírio Netto e o baixista Giovanni Sena falaram sobre o lançamento de "The Waking Hour", seu segundo álbum de estúdio, que está nas lojas em todo o Brasil. 

Para ouvir o programa acesse o link http://uol.fm/bycSMG. Compartilhe com seus amigos e divulgue o programa Heavy Nation.

Neste momento, a banda AGE OF ARTEMIS realiza se prepara para promover o elogiado álbum “The Waking Hour” em todo o Brasil. Recentemente, os músicos fizeram um show bastante elogiado pela crítica especializada em São Paulo, no Gillians inn English Rock Bar. Este trabalho foi produzido pelo norte-americano Brendan Duffey e Adriano Daga (Malta), no Norcal Studio, em São Paulo.

Confira o videoclipe produzido para o single “Hunger and Shame”:


Links relacionados:

Extreme Aggression Festival: Evento em Curitiba está oficialmente CANCELADO!





Por alguns problemas de logística das bandas envolvidas, SUFFOCATION, WATAIN e CRYPTOPSY, a DARK DIMENSIONS, produtora responsável pelo EXTREME AGGRESSION FESTIVAL, se vê obrigada a informar sobre o CANCELAMENTO do mesmo.

O evento aconteceria em Curitiba, no Music Hall, dia 6 de dezembro, sábado.

O Extreme Aggression Festival: Evento em Curitiba está oficialmente CANCELADO!

Reembolsos ocorrerão pelo site da Ticket Brasil, basta acessar http://bit.ly/1sMIkDW para os procedimentos necessários.

Os ingressos valerão ainda para o EXTREME HATE FESTIVAL, em São Paulo, dia 7 de dezembro, domingo, porém as despesas de deslocamento, alimentação, hospedagem, etc. ficarão por conta única e exclusivamente do portador deste ticket. Muito obrigado,




Fonte: Dark Dimensions
A/C Durval "Durr" Campos (Assessoria de imprensa)

Mobb Deep se apresenta neste domingo em SP






SOUL RAP APRESENTA - MOBB DEEP

Dia 07 de dezembro de 2014, domingo

Os verdadeiros gangstas do hip hop americano pela primeira vez no Brasil, comemorando 20 anos do álbum “The Infamous”


Após o sucesso com o único show do Cypress Hill no Brasil realizado em novembro de 2013 no Espaço das Américas a produtora Top entretenimento em uma nova parceria com a GW Entertainment apostam novamente no seguimento do Hip Hop trazendo pela primeira vez ao Brasil o grupo Mobb Deep que desembarca em São Paulo no dia 07 de dezembro para ser headliner do festival SOUL RAP, apresentando a turnê que comemora os 20 anos do lançamento de seu álbum clássico “The Infamous” e muitos outros hits.


Carreira e Histórico

Formado pelos rappers Prodigy e Havoc, que estão juntos desde a década de 1990, o Mobb Deep é conhecido mundialmente por sua sonoridade e grande influência dentro da cena hip hop americana. O primeiro álbum lançado pelos rappers foi Juvenile Hell, lançado em 1993 e desde então o grupo tem colecionado uma grande quantidade sucessos ao longo da carreira.

The Infamous lançado em 1995 consagrou o grupo que já tinha uma grande aclamação das ruas, sobretudo em Nova York. Foi assim, relatando o seu cotidiano, que acabou por personificar o cotidiano vivido nos guetos americanos, rodeados da vida do crime, drogas e afins, que o Mobb Deep conseguiu atrair um grande número de fãs em todo o mundo. Neste disco encontramos um dos melhores temas de todos os tempos no que ao hip-hop diz respeito. Fala-se claro de "Shook Ones Pt. II". Com uma série de boas rimas, Prodigy estava ainda no topo da sua forma, e um magnífico beat de Havoc, que também não fica nada mal nos seus versos: 

"I'm buggin' think I'm how bizar to hold my hustlin'
get that loot kid, you know my function
cause long as I'm alive I'ma live illegal
and once I get on I'ma put on, on my people."

Se "Shook Ones Pt. 2" ficaria para sempre na história do rap, temas como "Survival of the Fittest", "Temperature's Rising" e "Craddle to the Grave", são também execelente. Aliás, fazendo justiça, The Infamous é, todo ele, um grande álbum, daqueles poucos que se ouvem do princípio ao fim sem saltar qualquer faixa, os Mobb Deep tornavam-se um dos expoentes máximos do rap hardcore nova-yorquino.



Informações gerais: www.facebook.com/soulrapbr



SERVIÇO COMPLETO: MOBB DEEP EM SÃO PAULO

Local: Via Marquês
Endereço: Av. Marquês de São Vicente, 1589 - Barra Funda, São Paulo
Dia: 07/12/2014, domingo
Abertura: Jan King - Dbs gordão chefe - Nocivo Shomon
Abertura da casa: 16h00
Primeira apresentação: 17h30
Mobb Deep: 21h30

Informações e compra de ingressos:


Para a compra de ingressos para estudantes, aposentados e professores estaduais, os mesmos devem comparecer pessoalmente portando documento na bilheteria respectiva ao show. Esclarecemos que a venda de meia-entrada é direta, pessoal e intransferível e está condicionada ao comparecimento do titular da carteira estudantil no ato da compra e no dia do espetáculo, munido de documento que comprove condição prevista em lei.


BILHETERIA:

Pista 1° lote: R$70,00 (promocional com doação de 01 kg de alimento no evento) - ESGOTADO 

Pista 2° lote: R$ 80,00 (promocional com doação de 01 kg de alimento no evento) - ESGOTADO

Pista 3° lote: R$90,00 (promocional com doação de 01 kg de alimento no evento) 

Mezanino: Lote único - R$2.100,00 para 15 pessoas - Dúvidas: (11) 9 4727-3697 ou 3662-3285 - Ximenez


Capacidade: 2000 lugares

Censura: 18 anos (desacompanhados). Menores dessa idade somente acompanhados dos pais ou responsáveis.

Duração do evento: Aproximadamente 5h30
Abertura da Casa: 2h antes do espetáculo
Estacionamento: Convênio no local
Aceitamos dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners)
Não aceitamos cheques
Acesso para deficientes físicos
Ar condicionado
Realização: Top Entretenimento
Produção: Top Entretenimento and Gw Entertainment
Assessoria de Imprensa – Hoffman & O’Brian
Damaris Hoffman – damaris@hoffmanobrian.com.br



Marketing artístico/entretenimento
A/C Damaris Hoffman
Nextel ID: 55*966*13116

Krucipha lança o single “Pulse” para download gratuito





A banda KRUCIPHA é uma das grandes revelações do metal curitibano e pratica um thrash metal visceral mesclado com um tempero e uma veia brasileira presentes em sua percussão. Composta por Fabiano Guolo (guitarra/vocal), Luís “RazorB” Ferraz (guitarra), João Ricardo Cavali (baixo/vocal), Jgör Nosnyój (percussão/vocal), Felipe Nester (bateria), a banda agradou os antigos fãs e vem conquistando cada vez mais novos fãs com o primeiro CD, ‘Hindsight Square One’. 

O CD foi lançado recentemente e uma das músicas com maior destaque é a faixa ‘Pulse’, que será lançada como um single através do Facebook do grupo, e também, contará com um link para download gratuito. 

A distribuição deste material será feita na página oficial da banda para todos os fãs que os acompanham, basta acessar o link:


Atualmente, a banda KRUCIPHA está em turnê nacional para a divulgação do CD ‘Hindsight Square One’ e os produtores interessados em levar a banda para a sua cidade devem entrar em contato através do e-mail krucipha@krucipha.com. Os jornalistas interessados em entrevistas com os integrantes da banda, ficha técnica do CD e material promocional, deverão entrar em contato no e-mail imprensa@furiamusic.com.br

Tracklist do CD ‘Hindsight Square One’:
1. Greater Good Parasite
2. Pulse
3. Denial
4. Indigenous Self
5. The Warning
6. Afforddiction
7. Tribal War
8. Reason Lost

Links relacionados: