19 de jan de 2013

Panaceah - Spiral of Time (CD)



Independente - Nacional
Nota 8,5

Por Marcos Garcia

Uma boa banda que faz um típico som onde a mescla de elementos do Progressivo clássico dos 70 e do Metal/Rock do mesmo período, mais umas pitadas de Fusion aqui e ali. O PANACEAH pode ser definido desta forma, já que usa de uma fluência musical que rompe fronteiras e é agradável aos ouvidos neste ótimo disco, 'Spiral of Time'.

Esta mescla não é novidade, já tendo sido realizada várias vezes, mas o quinteto tem uma personalidade pulsante e bastante presente, e sua sonoridade é agradável aos ouvidos, mas sem perder o peso, com vocalizações bem cuidadas, ótimos riffs e solos de guitarra, teclados que dão uma tônica etérea às música, e uma cozinha baixo-bateria bem diversificada e coesa, em uma música que apesar a herança do Progressivo, busca não ser muito complexa, mas tão pouco é simplista, e o resultado é muito satisfatório.

A produção do trabalho salta os olhos, porque a música da banda flui de forma natural e limpa, sabendo dar destaque e brilho a cada instrumento separadamente, mas ao mesmo tempo, mantendo o trabalho coeso e pesado na medida certa, mas sem praticar uma eutanásia com o lado etéreo do grupo.

O CD mantém um nível muito bom o tempo todo, então fica meio que difícil (e doloroso para o ouvinte) destacar uma ou outra faixa, pois percebe-se que o mesmo foi bem composto, e que o ato de criar foi embalado por muito carinho e feeling.

'Fiat Lux' é uma música que oscila entre momentos mais pesado e outros mais etéreos, que valorizam os teclados e o baixo, mas ao mesmo tempo mostra a potencialidade dos vocais, assim como 'Dream Land', que já tem um belíssimo trabalho dos teclados e seja um pouquinho mais enfocada no peso; a pesada e modernosa 'New Messiah', com ótimas guitarras e vocais; a linda, grandiosa e empolgante 'Over the Perception', que usa mais uma vez o recurso de alternar entre peso e momentos mais etéreos, com belos backing vocals e um refrão absolutamente indispensável; já 'Tuareg' é uma faixa menos veloz e mais focada em andamentos mais emotivos e fortes, se destacando bastante a bateria; 'Seven Mirrors' pega pesado, com ótimos riffs e vocalizações muito boas, sem agudos exagerados; 'Spiritual Alchemy' é mais 'heavyssíva', ou seja, um encontro bem feito e balanceado entre as influências da banda; e 'Treasures and Tales' se comporta como uma bela balada até o meio, onde ganha peso e segue até o fim sendo uma bela canção.

Uma ótima revelação de terras cariocas, sem sombra de dúvidas, e esperemos que venham outros trabalhos no futuro, pois a banda tem muito a oferecer.


Over the Perception

Tracklist:

01. Fiat Lux
02. Dream Land
03. New Messiah
04. Over the Perception
05. Tuareg
06. Seven Mirrors
07. Spiritual Alchemy
08. Treasures and Tales


Formação:

M.S. Larbos - Vocais
Rodrigo Dussak - Baixo
Hugo Defante - Guitarras
Bruno Melquiades - Teclados
Rodrigo Machado - Bateria



Contatos:


AÇÃO DIRETA: gravação de videoclipe e campanha Abril Pro Rock 2013




= = =

AÇÃO DIRETA: gravação de videoclipe e campanha Abril Pro Rock 2013


O quarteto do ABC paulista se prepara para rodar o primeiro videoclipe de trabalho de uma música de seu novo álbum, World Freak Show. A escolhida foi a música Desconstrução.

O vídeo será dirigido por William Sernagiotto, em parceria com alunos da ETEC, Escola de Cinema de São Paulo.

World Freak Show foi lançado no inicio de dezembro de 2012 e vem recebendo excelentes criticas por parte da mídia especializada e público.

Seguindo as comemorações de 25 anos da banda, o Ação Direta está numa campanha realizada no Facebook, pelo selo Purgatorious Records, que lançou World Freak Show no nordeste, além de fãs do quarteto, onde as pessoas pedem a inclusão da banda no famoso festival Abril Pro Rock, que rola todo ano em Recife no mês de abril. É a campanha “Ação Direta no Abril Pro Rock 2013, Eu Recomendo!”.

Quem quiser participar, é só clicar no link abaixo, compartilhar, curtir e deixar comentários.


Mais infos em:


= = =


“Queremos alcançar todas as pessoas e pessoas de todas as crenças são fãs da nossa música” - Entrevista com STRYPER



Dentre tantas bandas que se destacaram nos anos 80, o STRYPER foi sem dúvidas umas das que mais surpreenderam. A banda declaradamente cristã, sempre fez questão de escrever sobre sua crença e este nunca foi um empecilho para que acumulassem milhares de fãs ao redor do mundo.

Formada por Michael Sweet (vocal/guitarra), Oz Fox (guitarra), Tim Gaines (baixo) e Robert Sweet (bateria). Recentemente, eles anunciaram o lançamento de 'Second Coming', álbum traz regravações dos grandes sucessos da banda, além de duas faixas inéditas. 

Em entrevista exclusiva à The Ultimate Music, o vocalista e guitarrista Michael Sweet comentou sobre 'Second Coming', os planos da banda para um novo álbum, além da expectativa dos músicos em retornar ao Brasil.

por Juliana Lorencini - especialmente à The Ultimate Music – PR
edição Costábile Salzano Jr

O novo álbum do STRYPER  'Second Coming' está prestes a ser lançado trazendo alguns sucessos da banda regravados e ainda duas músicas inéditas. Como surgiu a idéia de lançar um álbum com antigos sucessos? 

Michael Sweet: Por um longo tempo queríamos regravar alguns dos nossos clássicos. Tenho muito orgulho das versões originais dessas músicas, mas com o passar dos anos tem muitas coisas que eu gostaria de ter feito um pouco diferente, também em relação à produção e algumas pequenas mudanças na musicalidade. Depois de tantos anos tocando essas músicas ao vivo, apenas nos tornamos melhores as tocando, naturalmente. Então, sentimos que seria legal fazer um tributo a essas músicas e dar a elas uma produção melhor, bem como atenção que sempre quisemos dar, mas ocasionalmente não tivemos a chance para fazer isso – por orçamentos limitados, tempo, ou qualquer outra razão. Essa é nossa chance para mostrar essas músicas como nós soamos em 2013.



Como foi feita a escolha das faixas que compõem 'Second Coming'?

Michael Sweet: Foi uma combinação de músicas que sempre quisemos regravar e músicas que sentíamos que nossos fãs curtiriam ouvindo. Isso foi fácil! Temos um longo catálogo de músicas, mas com o tempo reduzimos para o que sentíamos ser o melhor para o álbum e para os fãs.


Por que lançar um álbum de regravações ao invés de um disco de inéditas? Ou essas duas novas faixas já são um indício de que um novo álbum está por vir?

Michael Sweet: Um novo álbum está próximo. Começaremos a trabalhar esse ano em um novo álbum com material inédito. Então sim, nesse sentido, essas novas duas músicas inclusas em 'Second Coming' são um indício que existe muito mais por vir do STRYPER nos próximos meses e anos. 


As músicas inéditas estarão incluídas no setlist do show que vocês farão aqui?

Michael Sweet: Ainda não temos certeza. Não tivemos muitas oportunidades de ensaiar essas músicas, então teremos que esperar para ver como será. Uma vez que moramos longe um do outro, ensaiar é difícil. É possível, mas quase sempre o set é cheio de músicas favoritas dos fãs. 


Durante o processo de gravação de 'Second Coming' vocês tentaram apenas atualizar os já então sucessos da banda ou de alguma forma houve a intenção de dar uma nova cara a essas músicas?

Michael Sweet: A regravação desses velhos hits definitivamente se mantém verdadeiros às versões originais, mas com uma atualização e um som mais moderno. A estrutura de cada música permanece a mesma, então não é como se tivéssemos feito novos arranjos ou algo do tipo. Mas eu de fato não estou cantando como fiz nos anos 80, de muitas formas sinto que estou muito melhor, logo estou muito empolgado colocando minha voz nessas canções onde não soo como um garoto de 20 anos. 



Qual a impressão final de sobre 'Second Coming'?

Michael Sweet: Estou muito feliz com tudo isso. Recentemente enviei a masterização final à gravadora e acredito que elas estão ótimas. Estou muito ansioso para que os fãs possam escutar isso.


Antes do final das gravações a banda especulou, por meio da sua página no Facebook, a possibilidade de pedir ajuda financeira aos fãs para que assim o álbum pudesse ser concluído. Agora com o álbum pronto, você pode nos contar de que forma isso se deu? Houve ajuda dos fãs? 

Michael Sweet: Nossos fãs têm sido sempre incríveis e dispostos a nos ajudar seja no que for. Sou muito grato por isso, de qualquer forma, neste caso não precisamos de ajuda financeira. Felizmente nos juntamos a uma grande gravadora, Frontiers Records, e estamos muito orgulhosos de trabalhar com eles. Esperamos que os fãs nos ajudem comprando o álbum quando ele for lançado.


No passado vocês ainda lançaram o DVD 'Live In Indonesia at Java Rockin' Land', gravado na Indonésia. Como surgiu a oportunidade de gravar um DVD por lá, o que de fato foi um pouco inusitado, uma vez que a Indonésia é majoritariamente um país muçulmano e vocês são uma banda cristã?

Michael Sweet: Estávamos próximos do lançamento desse show em DVD e depois de assistir as sequências sentimos que seria um ótimo DVD para os fãs. Nos divertimos tocando na Indonésia e estamos honrados por ter feito parte do Java Rockin’ Land. Você está certa, esse é um país predominantemente muçulmano, mas o STRYPER sempre tem sido o tipo de banda que toca em qualquer lugar. Queremos alcançar todas as pessoas e pessoas de todas as crenças são fãs da nossa música.


Michael, no ano passado, você foi convidado para assumir os vocais no T&N  durante a turnê do seu primeiro álbum ‘Slave to the Empire’. Como surgiu esse convite e quais suas expectativas para essa turnê?

Michael Sweet: Estou muito animado sobre a ideia de trabalhar com esses caras. Fizemos muitas datas com LYNCH MOB e sempre me divirto trabalhando com George e os outros caras. George e eu começamos a conversar e nos sentimos bem. Nos damos muito bem juntos. 


Seu próximo álbum solo também deverá ser lançado em breve e com as participações de Kenny Aronoff (baterista CHICKENFOOT), Doug Aldrich (guitarrista WHITESNAKE), Tony Harnell (TNT), seu irmão Robert Sweet e seu companheiro Timothy Gaines. O que você pode nos contar sobre esse álbum até o momento?

Michael Sweet: Estou muito feliz com o modo como esse álbum veio. Eu tenho alguns grandes amigos nele e em adição a quem você mencionou, Cris Jericho está também em uma música, assim como Kevin Max. Ainda tenho nesse álbum uma canção que eu escrevi para minha esposa Lisa e cantei em nosso casamento. Tenho publicado alguns clipes na internet sobre as gravações e a reação tem sido esmagadoramente positiva. Mal posso esperar para lança-lo, e espero que seja em breve. 


Além de falar sobre sua carreira e vida pessoal, podemos esperar por histórias inéditas do STRYPER na sua biografia?

Michael Sweet: O livro será chamado 'Honestamente' e essa é a verdadeira e honesta história da minha vida, de ambas as formas, boa e ruim. Será lançado simultaneamente com o meu álbum solo no final deste ano. Escrever um livro tem sido um longo processo – e isso tem levado mais tempo do que o esperado, mas 98% está pronto até o momento, então não levará muito tempo até que ambos sejam lançados.


O fato de vocês serem considerados uma banda cristã com certeza os atrapalhou muito no início da carreira. Ainda hoje, após tantos anos e um reconhecido sucesso, vocês sentem algum preconceito em relação a isso?

Michael Sweet: A qualquer momento alguém toma uma postura firme, sobre tudo, e isso pode ser difícil – particularmente quando essa postura é para Deus. Mas desde o começo tenho sido honesto sobre quem eu sou. Sou cristão, então é natural para mim cantar músicas sobre a minha fé. Sim, claro que existiram muitos tropeços ao longo do caminho como você disse – mas existiram sempre muitas portas abertas também. Deus pode fazer coisas incríveis. Éramos apenas quatro garotos medianos e Deus nos levou e nos usou para abrir muitas portas durante os anos. Sentimos-nos muito abençoados em fazer o que temos feito.


Como eu não poderia deixar de perguntar, quais as expectativas da banda em retornar ao Brasil?

Michael Sweet: Estamos muito animados em voltar ao Brasil. Nossos fãs brasileiros são ótimos e mal posso esperar para ver muitos rostos familiares e conhecer muita gente nova também.


Muito obrigada pela entrevista e, por favor, deixe uma mensagem para os fãs do STRYPER no Brasil.

Michael Sweet: Obrigado! Eu realmente gostei de ter sido entrevistado. Brasil esteja pronto para um grande show! Estamos muito ansiosos para ver todos vocês e muito empolgados em voltar!


Links relacionados:


Serviço São Paulo
Dark Dimensions apresenta Stryper
Data: 17 de Fevereiro 2013
Local: Carioca Club
End: Rua Cardeal Arcoverde, 2899 - Pinheiros (próximo ao Metrô Faria Lima)
Hora: Abertura da casa: 18h | Show: 20h
Preços: R$ 70,00 (pista estudante), R$ 90,00 (pista promocional antecipada) e R$ 140,00 (porta)
Pontos de venda: Galeria do Rock (loja Lady Snake – somente dinheiro) | Carioca Club
Imprensa: (13) 9161.6267 – press@ultimatemusic.com


= = =

for Sepultura, Krisiun, Shadowside, Confronto, Kiara Rocks, Pleiades, Hugin Munin and international concerts
A/C Costábile Salzano Jr
13 9161.6267


Próximas divulgações THE ULTIMATE MUSIC - PR:
17/02 – Stryper – Carioca Club - SP/SP
10/03 – Sonata Arctica - Via Marquês - SP/SP
26/03 – Saxon – A Seringueira – SP/SP
11/04 – Carcass – Carioca Club - SP/SP
12/04 – Symphony X – Carioca Club - SP/SP
20/04 – Texas Hippie Coalition - Manifesto Bar - SP/SP
27/04 – Demon Hunter – Inferno Club - SP/SP
28/04 – Demon Hunter – Rio Rock Blues - RJ/RJ
European tour: Shadowside + Helloween + Gamma Ray – 28/02 - 21/04