9 de mar de 2013

God Dethroned - Under the Sign of the Iron Cross (CD)


Shinigami Records - Nacional
Nota 10

Por Marcos Garcia

Infelizmente, o holandês GOD DETHRONED, um baluarte da arte de se fazer Death Metal bruto e agressivo com boas estruturas melódicas, já não está mais entre nós, pois encerrou suas atividades em 2011, mas mesmo assim, seus trabalhos ficam para a posteridade, como testemunho de uma ótima banda que merecia melhor destino, e a Shinigami Records, em um ato de coragem, disponibilizou a versão nacional de 'Under the Sign of the Iron Cross',  de 2010, derradeiro álbum do grupo, e talvez uma de suas obras mais brilhantes.

Os holandeses botaram muita energia e garra neste disco, pois a combinação dos vocais guturais, riffs pesados, agressivos e bem compostos, solos raivosos, com ótimas melodias vez por outra, baixo vibrante e firme na marcação, e uma bateria rápida, mas com muita técnica, especialmente pelos bumbos e viradas, é capaz de satisfazer o mais exigente fã de Death Metal.

A produção conjunta de Henri Sattler (guitarrista e vocalista da banda) e Jörg Uken, feita nos Soundlodge Studios em Leer, na Alemanha, ficou muito boa, permitindo que cada detalhe mínimo da música do quarteto fique aparente e em seu devido lugar, pois ao contrário do que muitos dizem por aí, produzir Death Metal não é tarefa simples. A arte do CD, trabalhada em tons de preto, branco e cinza, ficou ótima, com tudo nos conforme e dando clima às músicas do CD e sua temática: a Primeira Guerra Mundial.

E as músicas do CD refletem bem esta temática, pois estão brutais e muito bem trabalhadas, mantendo o nível do CD nas alturas, como mostram os destaques da arrasadora 'Storm of Steel', que abre o CD sob uma saraivada bem trabalhada de agressividade, com riffs ótimos e bateria bem veloz e técnica; a mais tradicional (em termos de Death Metal) 'Fire Storm'; o hino definitivo de 'Under the Sign of the Iron Cross', com melodias bem na linha do Metal tradicional nos solos, andamento bem variado, e vocais animalescos e com boa impostação, inclusivo com bela inclusão de vocais limpos que casaram como uma luva e belos teclados em seu final, dando um clima épico; a quebra-pescoços 'Chaos Reigns at Dawn'; 'Through Byzantine Hemispheres', com seus ótimos riffs e vocais; a explosão de brutalidade de 'The Red Baron'; e 'On Fields of Death & Desolation', que começa melodiosa e trabalhada, e depois vira uma agressividade tão dura aliada à melodias que impressiona o ouvinte e fecha o CD com chave de aço.

Esta é uma das bandas que nos leva a questionar a justiça dentro do Metal, pois ficaram relegados ao underground por anos, podendo ter se tornado uma autêntica potência dentro do Death Metal mundial. Resta-nos a esperança que voltem em breve, e enquanto isso, vamos ouvindo esta obra-prima da banda.

A Shinigami Records realmente está realizando um trabalho fantástico em termos de lançamentos.

Under the Sign of the Iron Cross


Tracklist:

01. The Declaration of War
02. Storm of Steel
03. Fire Storm
04. The Killing is Faceless
05. Under the Sign of the Iron Cross
06. Chaos Reigns at Dawn
07. Through Byzantine Hemispheres
08. The Red Baron
09. On Fields of Death & Desolation


Formação:

Henri Sattler - Vocais, guitarras
Danny Tunker - Guitarras
Henk Zinger - Baixo
Michiel van der Plicht - Bateria
Jörg Uken - Teclados (convidado)
Marco van der Velde - Vocais limpos (em 'Under the Sign of the Iron Cross')



Contatos:



Corrosion of Conformity - Animosity (CD)


Shinigami Records - Nacional
Nota 8,5

Por Marcos Garcia

Há bandas que, durante uma carreira longa, vão cada vez mais evoluindo e, no final do processo, o inicial e o final ficam tão distantes um do outro que aqueles que ouvem dois trabalhos com um bom intervalo de tempo ficam sem compreender o que houve, ou se realmente estão ouvindo a mesma banda. E um bom exemplo é o americano CORROSION OF CONFORMITY (mais conhecido como C.O.C.), cujo trabalho era mais voltado ao Thrash/Crossover/HC, e foi ficando cada vez mais lento e pesado, até chegar ao formato Stoner Metal atual. Mas não se pode esquecer sua fase inicial de forma alguma, e 'Animosity', seu segundo Full Length, de 1985, é uma prova disso, e mais um bom disco que a Shinigami Records resgata do passado.

Originalmente lançado pela Metal Blade, aqui eram um trio, vindos de Raleigh, na Carolina do Norte, e faziam um Crossover muito próximo ao Hardcore tão bruto e agressivo que vertia uma energia e revolta extrema contra o 'estabilishment', com vocais Hardcore insanos, riffs de guitarra bem fortes e pesados (algo bem inovador na época) e solos bem legais, baixo bem gorduroso e agudo (herança do Punk/Hardcore) e uma bateria bem compassada e com um trabalho técnico bem legal.

Tendo a produção do próprio trio, a sonoridade ainda é aquela característica das bandas independentes da prímeira metade dos anos 80, ou seja, ainda cerecia de maior qualidade, mas que é capaz de ser audível e limpa na medida certa, sem deixar de ter peso. Poderia ser melhor, mas está em um nível bom. 

Já a arte ainda retrata as raízes Punk/HC da banda, bem legal e cheia de protestos subjetivos trabalhos na medida certa, sem perder o aspecto sujo e desleixado essenciais para o trabalho do grupo.

Dez faixas de um bom HC/Crossover com certos toques de Thrash, com destaques nas faixas 'Loss for Words', uma paulada Crossover rápida, pesada e bem pogante, com o baixo bem rápido e capaz de acompanhar a guitarra e marcar a bateria perfeitamente; a contagiante 'Consumed', com uma levada arrepiante e riffs de guitarra muito bons; a destruidora de pescoços 'Holier', com ótimos backing vocals e mais uma vez, com guitarras memoráveis; a monumental 'Prayer', com uma velocidade mais moderada e com bons vocais e bateria pesada e com ótima pegada; e a hiper-metalizada instrumental 'Animosity', rica em variações de andamento, mostrando uma diversidade técnica e musical que aponta para os trabalhos futuros da banda.

Um bon discos, digno de menções honrosas, e que mostra o potencial deste trio.

E por falar nisso, o C.O.C. está de volta com esta formação desde 2010, já tem um CD lançado em 2012 (que se chama 'Corrosion of Conformity'), e continua a linha Stoner que adotaram após o primeiro hiato de atividades, entre 1987 e 1991.

Estão esperando o que para adquirir suas cópias??

Consumed


Tracklist:

01. Loss for Words
02. Mad World
03. Consumed
04. Holier
05. Positive Outlook
06. Prayer
07. Intervention
08. Kiss of Death
09. Hungry Child
10. Animosity


Formação:

Woody Weatherman - Guitarras
Mike Dean - Baixo, Vocais
Reed Mullin - Bateria



Contatos: