31 de jul de 2017

BESTIAL - Hellfuckdominium XXI (EP)


2015
Nacional

Nota: 9,3/10,0

Tracklist:

1. Bestial Introduction (intro)
2. Atomic Blazing Ejaculation
3. Lascivious Possessor
4. Rising Vengeance Flag
5. Warm and Swollen Raw Leather


Banda:

Foto: André Vidal
A. Chuckill - Vocais, baixo
V. Alex - Guitarras
Ed. Storm - Guitarras
Daniel - Bateria


Contatos:

Site Oficial:
Twitter:
Instagram:
Bandcamp:
Assessoria: http://www.sanguefrioproducoes.com/artistas/BESTIAL/31 (Sangue Frio Produções)


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Fazer Death Metal no Brasil é uma tradição que alcança todos os cantos desse enorme país. Mesmo com a diversidade cultural de nosso povo, o Death Metal tem um impacto muito grande entre os fãs de Metal no Brasil. Não é à toa que bandas como KRISIUN, REBAELLIUN, LACERATED AND CARBONIZED e NERVOCHAOS já possuem reconhecimento internacional. Mas nem tão conhecido como eles, mas com um trabalho igualmente excelente, temos o veterano BESTIAL, de Porto Alegre, capaz de deixar os ouvidos mais incautos apitando com uma simples ouvida em seu trabalho. Que o diga seu mais recente EP, “Hellfuckdominium XXI”.

Podemos definir o som do quarteto da seguinte forma: 70% Death Metal + 20% Black Metal + 10% Thrash Metal = uma explosão de agressividade caótica conhecida como BESTIAL.

Sonoramente, podemos dizer que o quarteto possui alguma similaridade com o trabalho do ANGELCORPSE, ou seja, uma forma completamente pessoal e particular de abordar sua música, uma visão diferenciada do Death Metal. E por isso, o BESTIAL se mostra um grupo de personalidade muito forte e de música bem diferenciada. Vocais com timbres não tão extremos (lembrando bastante o jeito de Pete Helmkampf de cantar), guitarras com riffs brutais e sempre variados (e solos extremamente distorcidos e insanos), baixo e bateria formando uma base rítmica sólida e bem técnica, é ouvir e gostar. Sim, é muito fácil gostar do trabalho do quarteto.

Resumindo: ouçam e se viciem no BESTIAL!

A produção do EP foi feita pelo conhecido produtor Fábio Lentino, e foi todo gravado no Estúdio 1000, em Porto Alegra (RS). E o nível que o grupo atingiu de qualidade é alto, pois conseguiram equilibrar muito bem peso, clareza e agressividade. E dessa forma, a música do grupo flui agressiva e espontânea, mas muito bem acabada, e com a qualidade sonora que melhor se adapta ao que a banda precisa.

E a capa ostenta uma arte que é antenada com o que a banda diz em suas letras, mas bem trabalhada em tons de preto, vermelho e amarelo.

O BESTIAL veio com a vontade de mostrar música de alto nível, e o que se ouve de ponta a ponta do EP é uma banda que sabe o que está fazendo. Os arranjos são ótimos, a harmonia entre as partes vocais e base instrumental beira a perfeição, os tempos transitam muitas vezes na mesma música, fazendo com que não fiquemos entediados enquanto as músicas vão sendo executadas.

Apresentando 4 canções com média de duração de 5 minutos (pois a primeira, “Bestial Introduction” é uma introdução). Abrindo, um solo doentio abre uma música rica em mudanças de andamento, que é “Atomic Blazing Ejaculation”, indo da velocidade à cadência sem nenhuma dificuldade, soando ótima em todos os momentos (e com riffs excelentes, mostrando arranjos de Thrash e Black no meio da maciça força do Death Metal). Começando com um andamento mais lento, logo “Lascivious Possessor” ganha velocidade e vira um apocalipse sonoro de brutalidade, com as guitarras esmerilhando riffs brutos, mas o destaque mesmo vai para o trabalho ótimo de baixo e bateria. O evangelho brutal da banda continua com “Rising Vengeance Flag”, outra porrada seca nos tímpanos, já com uma pegada um pouco mais tradicional em termos de Death Metal (e com vocais de primeira, com seus urros bem localizados). E fechando, “Warm and Swollen Raw Leather”, outra com jeitão um pouco mais tradicional, mas passagens ótimas de baixo sob a velocidade das guitarras com seus riffs cortantes (mas não se preocupem, pois os tempos variam bastante, com partes empolgantes), e solos no estilo “guitarra-sendo-trucidada”.

Espermos que o BESTIAL venha logo com mais um trabalho, e que a banda cresça bastante. Mas até lá, “Hellfuckdominium XXI” é uma ótima pedida para calamar a ansiedade.

Ah, sim: de lá para cá, a formação da banda deu uma mexida, com a entrada do baterista Jefferson Pereira.


NERVOCHAOS: uma das bandas brasileiras recomendadas por site internacional



Mais um passo na consolidação mundial do nome do NERVOCHAOS com uma dos principais representantes do Metal brasileiro na atualidade. Em matéria, o portal internacional Headbangers Latinoamerica citou o grupo entre as 40 bandas brasileiras que devem ser conferidas.

Bandas como Ancesttral, Distraught, Torture Squad, Krisiun e Woslom estão na lista também. O artigo pode ser conferido pelo link:


O NERVOCHAOS segue na divulgação do aclamado ‘Nyctophilia’. O trabalho foi lançado no Brasil pela Cogumelo Records/Voice Music e na América do Norte e Europa pela Greyhaze Records.

O álbum já pode ser comprado nas principais lojas especializadas do mercado, ou diretamente com a banda, por e-mail, Facebook ou na loja oficial pelo link https://goo.gl/aF7Xkx

Confira alguns vídeos retirados de ‘Nyctophilia’:

– Videoclipe em 360° para a música ‘Ritualistic’:



– Videoclipe para a música ‘Ad Maiorem Satanae Gloriam’:



– Lyric video para a música ‘Moloch Rise’:



Sites Relacionados:

Fonte: Metal Media

PATO JUNKIE: atração no festival mineiro Rural Fest Open Air



O PATO JUNKIE e seu Metal inrotulável serão uma das atrações da primeira edição de um festival Open Air que acontece na cidade de Lagamar, interior de Minas Gerais.

Batizado de Rural Fest Open Air o evento acontece nos dias 13 e 14 de outubro no Parque de Exposições da cidade. Estão confirmadas ainda as bandas Chafun di Formio, Uganga, Toxic Assault, Murder Worship e Sex Fire Religion.

Além dos shows, o festival vai oferecer espaço completo com várias opções de venda de comida, bebida, estacionamento amplo e gratuito, espaço de merchandise, além de área de camping. Mais informações pelo link: https://goo.gl/q5bxK3


Antes, o PATO JUNKIE já tem confirmados alguns outros shows, confira a agenda:

05/08 – Rural Rock @ João Pinheiro/MG
07/09 – September Moto Fest @ Patos de Minas/MG

Mais shows estão sendo agendados e serão confirmados em breve. Para contratar o grupo, entre em contato por e-mail ou Facebook. Todos os shows estão em sua agenda: https://www.patojunkie.net/tour

A banda finaliza as gravações de seu segundo disco, ‘The Ragdoll’, e em breve anunciará detalhes sobre o lançamento. Ouça os singles que já foram lançados:










Sites relacionados:

Fonte: Metal Media

MAKINÁRIA ROCK: ‘Cidade Rock’ está disponível nas plataformas digitais


Enquanto o novo disco, ‘Mundo Imundo’, não vem o MAKINÁRIA ROCK lança seu emblemático segundo álbum, ‘Cidade Rock’, nos principais serviços de streaming.

Para ouvir o disco através de seu app favorito, basta fazer uma busca pela banda, ou se preferir, siga um dos links abaixo:



Os outros materiais do grupo também serão disponibilizados nas mídias digitais em breve.

O MAKINÁRIA ROCK continua finalizando ‘Mundo Imundo’, o material sucede diretamente ‘Cidade Rock’ e está previsto para meados de outubro deste ano.

O álbum está sendo gravado e produzido por Lau Andrade no Estúdio Conspiração, que também ficará encarregado da mixagem e masterização. A capa ficou por conta do guitarrista da MAKINÁRIA ROCK, Augusto Abade.

Confira uma prévia do disco com o single ‘Lemmy Imortal’:




Sites Relacionados:

Fonte: Metal Media

ARMORED DAWN: anunciada parceria com a empresa de bebidas alemã, HAMMER!



O ARMORED DAWN acaba de fechar uma grande parceria com a empresa de bebidas alemã, HAMMER.

A marca é parceira de grandes festivais na Europa, como SummerBreeze, RockHarz entre muitos outros, e também da revista Metal Hammer, uma das maiores revistas de metal. Conheça mais: https://www.facebook.com/hammer.schnaps/

O novo álbum intitulado ‘Barbarians in Black’, está sendo finalizado em Los Angeles e será lançado ainda esse ano, com previsão para outubro/novembro.

O primeiro single ‘Sail Away’ já está disponível para audição em todas as plataformas digitais e seu videoclipe estará disponível nesta quinta-feira, 3 de agosto, no canal da banda no YouTube, um teaser pode ser conferido no link abaixo:



‘Barbarians In Black’ contará com dez faixas e reuniu uma grande equipe técnica para sua produção: Bruno Agra (We are Harlot), Kato Kandwala (The Pretty Reckless, Papa Roach), Ted Jensen, além do brasileiro João Duarte para a capa.


Sites relacionados:

Fonte: Metal Media

BURNKILL: álbum “Guerra e Destruição” disponível para audição no YouTube



A banda BURNKILL disponibilizou o seu primeiro registro de estúdio gratuitamente para audição no YouTube. O álbum “Guerra e Destruição” recebeu em pouco mais de um ano de seu lançamento, várias críticas positivas da grande mídia brasileira, elevando o nome do grupo como um dos principais no país em se tratando de Thrash Metal.

“Guerra e Destruição” foi lançado em março de 2016, sua gravação e produção foram feitas de forma independente em co-parceria entre banda e “Rota Studio 976” de Pouso Alegre/MG.

Abordando temas atuais sobre Guerras, politica, desigualdade social e revolta, o álbum possui todas as suas letras cantadas em português, uma forma de levar até o público nacional as músicas direto na face.



O álbum “Guerra e Destruição” também se encontra disponível para audição nas principais plataformas de áudio do mundo, Spotify, Deezer, Amazon e agora YouTube.

A banda atualmente se encontra em processo de criação e composição das novas músicas que serão abordadas em um álbum planejado para 2018.


BURNKILL é formada por:

Antony Damien (Vocal)
Lucas Maia (Guitarra)
Pedro Hoffmann (Baixo)
Anderson Lima (Bateria)

Links da banda:

Fonte: Roadie Metal Press
A/C Gleison Junior

EROS: Banda realiza shows no estado de São Paulo nos dias 05 e 06 de Agosto


O lendário Eros (Thrash/Speed Metal - RJ), retornou ano passado após 22 anos e agora em 2017 lançou recentemente o single “Assassin” para divulgar este single a banda começa com dois shows no Estado de SP.

As primeiras cidades escolhidas são Itaquaquecetuba (05/08) e São José dos Campos (06/08)


Em Itaquaquecetuba o show acontecerá na Escola de Música Seven Notes a partir das 18 hs.

A banda tocará pela primeira vez na cidade.


Em São José dos Campos o show acontecerá na Hocus Pocus, tradicional casa de shows de Rock da cidade, tendo Final Disaster e BrighStorm como bandas de Abertura.





A banda já tem disponível camisas do novo single:

Camisa Oficial “Assassin” track
Siga a EROS:

Para agendamentos de shows o contato é:

Tel/Whats: 1299116-4664

ANGUERE: banda é confirmada como a banda de abertura em coletânea internacional


A banda ANGUERE foi confirmada em uma coletânea internacional que teve seu lançamento realizado oficialmente dia 31 de julho de 2017, organizado pela gravadora “Extreme YourSelf”, situada no Nepal, a compilação possui 21 bandas de diferentes estilos e países.

A música “Cadeia” foi a escolhida pelo grupo para figurar como o representante brasileiro, além de ser um dos principais destaques a banda foi anunciada como a da abertura da coletânea “Extreme Yoursel Vol.01” que possui distribuição digital.

Está disponível para audição através do bandcamp da gravadora e os fãs do material podem fazer a aquisição pelo valor de $696 (usd).

Confira a coletânea e as bandas envolvidas no link abaixo:


Tracklist:

1. Anguere - Cadeia
2. Belligerent - Get Paid
3. Brain Damage - Apavitra Pantha
4. Chronic - Fools Surround Me
5. Dirigiri - Cursed Masters
6. Embryopathia - Embrugeria
7. Fast Evil - Evil Maniacs
8. Invidious - Ideal Breaker
9. Maticrust - Confusion Aborted
10. Pulmonary Fibrosis - Broncho Pneumopathie Obstructive
11. Nephilim - Die Betrayer
12. Neuroticos - Satan or God
13. Rusga - Ruinas Internas
14. School Thrash - Evil Attack
15. Soul Destroyer - Aborted Humanity
16. Vicious Circle - Flesh Coffin
17. Whoreanus - Tampon Sucker
18. Onanizer - Rotating Noise Terror
19. Final Exit - Soft Bank User
20. Wrath - Total Torture
21. Herida Profunda - Refugees Welcome

Mais informações:


A/C Gleison Junior

BJACK: lançando último disco antes de encerrar carreira




Após 18 anos de lutas e conquistas, a BJACK decide encerrar sua carreira lançando seu quarto e último disco. Não é fácil tomar tal atitude, é preciso ter coragem, e ser audacioso em relação a isso. A intenção nunca foi a de passar tristeza, melancolia, lamentar os erros, enfim, e sim de celebrar os bons momentos vividos nessa trajetória percorrida no underground rock brasileiro porque deu certo. Deu certo enquanto durou, mas tudo tem um fim. E o fim é inevitável, assim como a morte.

São 14 faixas, mesclando Hard Rock, Pop, Indie & Stoner Rock. Um disco de fácil assimilação, mas gravado com vontade, dedicação, como um legado, uma despedida. Sincero, porque não, afinal foram quase três anos de produção. Feito para se ouvir em volume alto. Por favor, faça isso, será uma boa experiência.


A BJACK termina com Boto Wesz, Marco Lopez e Kelvin Venturin. Mas agradece a todos os outros grandes músicos que estiveram presentes, de corpo e de alma, ou apenas de corpo. Produzido por Igor Conrad e Masterizado por Marcos Abreu (Cachorro Grande, Tequila Baby, Reação Em Cadeia).

Em anexo, release sobre o disco e capa. Abaixo links para download.

DOWNLOAD em www.bjack.com.br

Onde está disponível:


- OUÇA EM VOLUME ALTO -

NOTURNALL: participação de integrantes em videoclipe de Marcelo Barbosa e Thomas Lang


O guitarrista brasileiro Marcelo Barbosa (Angra e Almah) acaba de lançar o videoclipe de “Unstoppable”, terceiro single do álbum “Nêgo”, que tem previsão de lançamento para o segundo semestre de 2017. O clipe conta com a participação dos integrantes da NOTURNALL, Junior Carelli e Fernando Quesada, tecladista e baixista respectivamente.

O videoclipe foi filmado em janeiro de 2017, em Los Angeles, Califórnia, e essa grande produção conta com a participação especial do austríaco Thomas Lang na bateria (considerado um dos melhores bateristas do mundo e que hoje acompanha o guitarrista Paul Gilbert – Mr Big), Roger Lima na guitarra, Junior Carelli e Fernando Quesada – tecladista e baixista conhecidos das renomadas bandas NOTURNALL e Shaman. A captação das imagens foi feita pelo talentoso Tarik Hameedi, com uma parceria com o Roger Lima na edição.

Este é o terceiro single do CD solo do guitarrista Marcelo Barbosa, que atualmente se encontra na Suécia gravando com a banda Angra. Foi produzido na época em que Marcelo e os seus companheiros no vídeo estavam nos EUA para a participação da feira da música Namm Show.

O álbum tem lançamento previsto para o segundo semestre de 2017 e conta com dez faixas produzidas pelo brasiliense Marcelo Sá. As gravações foram feitas por Marcelo Barbosa (guitarras), Thomas Lang (baterias), Felipe Andreoli (baixo) e Bruno Wambier (teclados). A mixagem ficou por conta do Norte americano Damien Rainaud.

Confira o videoclipe de “Unstoppable”: https://youtu.be/ixBr990_teU


Fonte: TRM Press

O GRITO: banda disponibiliza novo single da música “Rugido de Blues”



Os músicos cariocas da banda O GRITO, divulgaram o última música do primeiro EP da carreira, “Amálgama de Cores”, lançado em 2017 com fortes influências de Blues, Classic Rock e Progressive.

O GRITO iniciou seus trabalhos no ano de 2015, formado em um formato de Power Trio, o grupo possui como referência bandas como Jimi Hendrix Experience, Os Mutantes, Janis Joplin e mesclar o Rock com artistas da MPB.

A quarta música divulgada do EP “Amálgama de Cores” é a mais bluesy “Rugido de Blues”, uma composição feita pelo vocalista “Pedro Canuto” que apresenta fortes elementos clássicos do rock, guitarra “chorando capela” com solos fortes e seções de jazz em seu andamento. A música ainda conta com a participação especial de Gabriela Teitel nos vocais.



O GRITO vem trabalhando em seu EP de estreia, foi anunciado que em breve novidades estarão sendo divulgadas e novas músicas já estão sendo trabalhadas pelo grupo.

O GRITO é formado por:

Pedro Canuto: Vocal/Guitarra
Edu Raddi: Bateria
Be Queiroz: Baixo

Mais informações:


A/C Gleison Junior

NEPTUNIAM - Poetry of Creation (Álbum)



2017
Selo: Independente
Nacional

Nota: 8,2/10,0

Tracklist:

1. Primitive Origin
2. Cosmic Knowledge
3. The Eighth
4. Poetry of Creation
5. Afterlife Experience
6. Individual Illusion
7. Formless Entity
8. Continuos Evolution
9. Nature Untouchable
10. Quantum Existence
11. Self Martyring
12. Until Nothing Remains
13. Into the Unknown


Banda:



Victor Fortes Rodrigues - Guitarras, vocais
Matheus Scarlate Alves - Guitarras, urros
Nando Ferreira - Baixo
Lucas Castro - Bateria


Contatos:

Site Oficial: 
Twitter: 
Instagram: 
Assessoria: 


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


O Death Metal brasileiro ainda jaz sob um jugo extremamente conservador. Se a banda não estiver com uma sonoridade entre o meado dos anos 80 e o final dos anos 90, fatalmente será desprezada por muitos fãs do gênero, ou seja, uma parte do público que prefere o “mais do mesmo” enjoativo e sem vida. Mas mesmo assim, como plantas que teimam em rachar o concreto e brotar em meio às fissuras, novos talentos vão surgindo e renovando o estilo. E um ótimo nome é o do quarteto NEPTUNIAM, de Sorocaba (SP), que vem destilando seu trabalho no ótimo “Poetry of Creation”, seu primeiro disco.

Para início de conversa, a banda faz o que se convenciona chamar de Progressive/Techno Death Metal, algo que nos remete ao DEATH da época do “The Sound of Perseverance” com os elementos “heavyssívos” do VOIVOD e melodias vocais que mostram variações entre o urrado clássico, e vocais limpos e melodiosos à lá ULVER antigo. Mas não se prendam a esta descrição, pois o som do quarteto transcende as meras palavras.

Traduzindo: é complexo, técnico, mas ótimo. 

O trabalho da produção sonora é bom, mas a banda merecia bem mais. Sim, não está ruim, pois se percebe bastante o que eles estão tocando com clareza, tem suas doses devidas de peso e agressividade, mas os timbres dos instrumentos poderiam ter sido melhores, além da qualidade como um todo poder estar mais bem acabada. Mas lembremos que é o primeiro trabalho deles, além de ser totalmente independente (e lembrando também que a crise econômica que assola o Brasil anda prejudicando demais qualquer coisa que necessite de investimento financeiro massivo). Está bom, mas longe de ser excelente.

Já a arte de Matheus Scarlate Alves (da ART V) pegou muito bem para “Poetry of Creation”. É bem feita, mesmo usando de uma paleta de cores longe da diversidade (mesmo porque nem chega a ser essencial).

Agressivo, técnico e melodioso nas proporções devidas, a criatividade do quarteto é enorme, bem como seu potencial. É o que se percebe em “Poetry of Creation”, e podemos estar vendo o nascimento de um gigante no cenário nacional. Bons arranjos, músicas bem feitas e pés no chão, com a chance certa, eles chegam lá.

Por agora, músicas como o mix agressivo e progressivo de “Cosmic Knowledge” (como as mudanças de andamento são bem feitas) e de “The Eighth” (os vocais limpos podem melhorar, mas já são muito bons, e reparem como baixo e bateria estão bem), os momentos extremamente técnicos e jazzísticos das guitarras em “Poetry of Creation”, a pegada um pouco mais tradicional (em termos de Death Metal, por favor) da seca e brutal de “Afterlife Experience” (mais uma vez, baixo e bateria dando uma aula de peso avassalador), a energia e empolgação de “Continuos Evolution” (que belas passagens das guitarras em solos interessantes), a diversidade técnica temperada com brutalidade de “Quantum Existence”, as belas linhas melódicas complexas de “Until Nothing Remains”, e o contraste dos vocais urrados e timbres mais suaves ouvidos em “Into the Unknown” são mostras de como o NEPTUNIAM deve ser levado a sério por todos

Uma banda com muito potencial, e com o apoio e acertos (que a própria evolução irá ajeitar), poderá ser um nome brilhante.

Por agora, aproveitem que “Poetry of Creation” pode ser ouvido gratuitamente no perfil da banda no Bandcamp.

Ponho fé!


MORDENIAL: No Clean Singing exclusively streaming full length of Swedish Melodic Death/Thrash Metal band


Swedish melodic death/thrash squad MORDENIAL is all set to release their sophomore full length "The Plague" on 31st July via Black Lion Records. The best way to describe the music is when crunchy groovy elements bump into some exquisite melody driven death metal music.

NO CLEAN SINGING is exclusively streaming the album, earlier before the actual release date.

Exclusive Stream + Review Link:

"The music is also immensely powerful in its sound, and immensely punishing in its impact, and those grim melodies prove to be as infectious as the contagions that have inspired the album."

Testimony from the Band:

"In 2014, we started to work with our second album "The Plague". We had some lyrics as well as fragments for the title track. The writing went slow for a while but at the beginning of 2015, we managed to put 10 songs together that we all were satisfied with.

The songs were recorded late 2015 after a lot of technical problems during the recording. We contacted Roberto Toderico who did the artwork for "Where the angels fall" and he did an awesome artwork that fits well with the concept of the album.

"The Plague" is basically 10 different songs that all deal with the concept "Plague", all from a futuristic perspective to a more ancient perspective. The lyrical aspects are also about how people justify terrible act by pretending to be chosen by god or gods.

The album is a mixture of different types of metal. We are not bound to boundaries when we create songs for MORDENIAL. Our definition of the "The Plague" is a heavy album with a lot of variation. We are very satisfied with the outcome of the songs and hopefully you will like it to."



MORDENIAL
The Plague
(Full Length)

Genre: Melodic Death/Thrash
Location: Västervik, Sweden
Release Date: July 31 31, 2017
Label: Black Lion Records
Format: CD & Digital

Track - List:
1.The Plauge
2.Daylight Is Gone
3.Burning Soil
4.Salvation
5.No Empathy
6.Save You All
7.All Has Vanished
8.Follow The Cross
9.Emotions
10.The End

Members:

Fiebig - Vocals, Drums 
Kjetil Lynghaug - Lead Guitar 
Martin - Guitar, Bass


MORDENIAL contacts


BLACK LION RECORDS:


MORCROF: banda lança álbum ao vivo “Live At The Brazilian Swamp”


A banda de Dark Metal MORCROF, acaba de lançar o álbum intitulado “Live At The Brazilian Swamp”, segundo trabalho ao vivo da carreira da banda paulistana. O material foi gravado numa noite épica e histórica: a abertura do "At The Brazilian Swamp Fest" na passagem da lendária banda grega Varathron pelo Brasil em 2015.

O lançamento é composto por quatro faixas, registrados pela Rog666 Videos, masterizado no KW Home Studio, licenciado pela produtora Storm Productions (organizadora do show) e lançado pelo selo Erinnys Productions. O desenho da capa foi desenvolvida pelo tatuador e desenhista Allan Luis.

“A MORCROF sempre teve notória empatia associada ao Metal Helênico. Talvez por ter sido uma das primeiras, se não a primeira banda no Brasil (ouso dizer), a tocar cover de uma banda do Black Metal grego. A origem deste estigma dimana da ‘The Forest Of N´Gai’ da Rotting Christ, executada ao vivo em 1995 no ‘Evil Prayer To the Knowledge Fest’, faixa que também pode ser conferida na DT 1996 ‘Scientia Ab Mortuus’ e, ‘Descent Of A Prophetic Vision’ da Varathron que se fez presente na DT 2001 ‘Alesh’ e em diversos videos de shows realizados. Além disso, participamos do Tributo ‘An Evil Existence For Rotting Christ’ e tivemos o privilégio de abrir seu show na segunda passagem pelo Brasil em 2006, o que nos rendeu o DVD ‘Animo Signus Aeterno’. Talvez por este histórico com os helenos, a Storm Productions nos honrou com o convite a compor o cast de abertura do ‘At The Brazilian Swamp Fest’ em 2015, que marcou a primeira apresentação da Varathron no Brasil. Passado algum tempo, conseguimos o vídeo completo do festival gentilmente gravado e cedido pela Rog666 Videos e dele extraímos e masterizamos os áudios, possibilitando materializar este live álbum e eternizar nosso júbilo e honra daquela noite memorável e histórica junto de nossos irmãos ali presentes”, comenta Paullus Moura, baixista da banda.

O disco está disponível para aquisição por meio do Facebook da banda e, da Erinnys Productions. para as distribuidoras interessadas em trocas (www.facebook.com/erinnysprod/).


Tracklist:

1. In Monolitus Ex Auorum Spiritus Mundus
2. Ad Infinitum (Awakening the Archetype of Being) 
3. Portae Ex Solis Sursum Aquilonem 
4. Proliferous Equilibrium of Fohat


Formação [2017]:
Eziel Kantele-Väinö: Vocal
Bruno Brahmss Kermanns: Teclado
R'Bressan: Guitarra
Cleber Borges: Guitarra
Paullus Moura: Contrabaixo / B.Vocal
R'Herton: Bateria


Links relacionados:


29 de jul de 2017

PRECEPTOR - Dogmatismo (Álbum)


2017
Selo: Songs for Satan / Misanthropic Records / Jazigo Distro / Philosofic Arts
Nacional

Nota: 8,7/10,0

Tracklist:

1. A Peste
2. Corporações Criminosas
3. Maldição
4. Universo de Máscaras
5. Preceptor
6. 2810
7. Poseidon
8. Dogmatismo
9. Alienação Corrupção
10. Desespero
11. Depression Field


Banda:


Du - Vocais
Grilão - Guitarras
Sérgio Wildhagen - Guitarras
Fred - Bass
Morone Hiffer - Bateria, backing vocals


Contatos:

Site Oficial: 
Twitter: 
Youtube: 
Instagram: 
Assessoria: 


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


O interessante do Death Metal mais voltado à Old School (ou seja, mais focado no Death Metal surgido no início dos anos 90) no Brasil é que, apesar dos muitos que vivem apenas da velha fórmula que já está bem gasta, alguns ainda retiram dela possibilidade sonoras bem interessantes. Isso acontece quando o músico aproveita suas influências e evita uma orientação extremamente intencional da música. E nisso, o experiente quinteto PRECEPTOR, de Belo Horizonte, é um dos baluartes no Brasil, nos trazendo seu primeiro “Full-Length”, “Dogmatismo”.

Depois de sete anos após o lançamento do EP “Missiva Apocalíptica”, finalmente eles retornam com seu Death Metal que mixa influências das escolas inglesa, americana e sueca, tendo inspiração em nomes como BOLT THROWER, BENEDICTION, MORBID ANGEL e ENTOMBED. Mas não pensem que eles, só por fazerem um estilo de som já bem explorado, não têm nada a acrescentar. Como dito acima, as idiossincrasias de cada um dos membros se fundem para dar ao quinteto uma personalidade bem forte e agressiva, com arranjos simples e diretos, mas sempre empolgante e com muita agressividade.

A produção de “Dogmatismo” é muito boa, bruta e crua, mas feita com qualidade. Tudo visando que a música da banda flua da forma mais orgânica e ríspida possível. Mas mesmo assim, houve um claro esforço para que os instrumentos soassem o mais claro possível, para que se possa compreender o que a banda quer de sua música. Além disso, a capa é muito boa, com um desenho deixando bem claro o teor crítico azedo de suas letras.

Sonoramente, o grupo não soa exagerado em nenhum aspecto além da agressividade. A velocidade é moderada (salvo alguns momentos mais acelerados aqui e ali), belo trabalho dos vocais guturais (com alguns urros rasgados aqui e ali), uma dupla de guitarras coesa e criativa nos riffs, baixo e bateria formando uma base rítmica sólida e pesada. E como já dito: a música do grupo não prima por algo tecnicamente rebuscado, pois não precisa. É fácil de ser assimilada.

Cantando em português, o quinteto só aproveitou duas apresentadas antes (“Preceptor”, de sua Demo de 2007, e “Desespero” que aparece tanto nessa mesma Demo como no EP “Missiva Apocalíptica”). O restante é feito de músicas mais novas, onde a experiência individual de cada integrante transpira. Mas os melhores momentos do Cd ficam mesmo com a veloz e sinuosa “Corporações Criminosas” (muito bons arranjos de guitarras e as mudanças rítmicas são ótimas, fora o impacto duro e agressivo da mesma), o azedume cadenciado e denso das guitarras em “Maldição” (mesmo nas partes mais rápidas, a rispidez é absurda), os riffs abusivamente pesados e o baixo com bons momentos técnicos em “Universo de Máscaras”, a esporreira brutal e rápida de “Preceptor” (onde os vocais mostram toda sua potencialidade em seus timbres guturais “from the depths”), a opressão imposta pelos contrastes de velocidade nos tempos de “2810”, a porradaria que estanca sem dó em “Dogmatismo” (haja pescoços, já que essa levada um pouco mais veloz é empolgante, especialmente porque os riffs são bem ganchudos), a energia e empolgação Death Metal hardcorizada em “Alienação Corrupção” (mais um grande momento dos vocais), e o clima amargo e denso dos anos 90 que permeiam “Desespero” e “Depression Field” se destacam. Mas mesmo assim, é preciso dizer que “Dogmatismo” é um disco em que o nível de composição é bem equilibrado, soando pesado e denso como uma muralha de granito.

Esperemos que o PRECEPTOR continue na luta, e nada de mais 7 anos até o próximo lançamento, por favor.