20 de jul de 2012

The Black Metal’s Conquest – Interview with Kråke



By Marcos Garcia


After years of waiting, Kråke’s first album, Conquering Death, is out now, showing a powerful sound, mixing the aggressive and heavy approach of Norway’s Black Metal and the oppressive and dark atmospheres, sound both symphonic and harsh, but a touch of elegance. 
Taking advantage of this, Metal Samsara is proud to make one interview with the band’s core, Beist and Dreugh, to talk about the album, the band itself and their plans. 


Metal Samsara: First of all, please, talk about the band’s history to our readers. 

Beist: Well, Kråke was first founded by me and Dreugh quite some time ago, being brothers we had always had always known we wanted to do something  musically together. It wasn't until 2008 we finally got to produce and release a Demo and start to focus on the band. Since then we have recorded and produced our Debut Album Conquering Death.



Metal Samsara: Well, this is a cliche one: what are the musical influences of both of you, the bands you like and the ones who you can name to influence Kråke’s music? Just by hearing, it’s not an easy thing to say… 

Dreugh: This is a very good question and I could probably go on for ages in terms of inspiration sources and  influences in terms of other bands, but if It had not been for bands like Satyricon, Dimmu Borgir, Old Mans Child, Emperor, Bal-Sagoth to name a few, Kråke would had never excisted. These pioneers have been very important to us as a musician. 

Beist: Me and Dreugh being brothers seperated only by a year, we grew up together sharing much the same taste in music and it still the same now a days. Of course our influences made their way into our music in some sense or another but I hope we have managed to capture something of our own, something unique to Kråke.


Metal Samsara: Another one about band’s history: the name Kråke, in Norwegian, means ‘Crow’, but in the vision of yours, it has a meaning beyond this, isn’t it right? Can you tell us the conception you had in mind when you chose it? Is it linked someway to Hugin and Munin? 

Beist: Our band name has actually stirred up some controversy over here in Norway and we have gotten some questions as to if it is a joke name or not. I can tell you that we are pretty serious concerning our band name. To us the crow is much more than just a bird. It is quite an ominous figure and have been given many mystical properties by many different civilizations and cultures throughout the ages, be it a herald of woe or a sign of wisdom and cunning.  Odin's ravencompanions (being close realtives of the crow) Hugin and Munin are other great examples on how these dark avians have beeing elevated to almost god-like creatures, both feared and respected.

Metal Samsara: Sorry for ask this, but the band, in the beginning, was supposed to be a studio band? The question comes from the fact that all on the album is done by both of you only, with no help from anyone…And talking about this, was there a specific reason for both of you do this? 

Beist: It has never been our intention to keep Kråke as a studio-band only, but I can see as to how you would think that. Producing our debut album has been a long process as we have had medical issues interfering with the production and at the same time we have had some bad luck with our studio equipment. The main reason to the delay however is the search for the perfect sound to suit our music. Throughout the span of this process it is safe to say that we have accumulated invaluable knowledge on how to actually manufacture the music we want, in the way we want, giving us the posibiliy to keep doing it our way. This would probably not be possible if we had simply booked a studio and had outside engineering help when recording Conquering Death. Well it being true that the entire process of recording and producing Conquering Death has been done mainly by Dreugh on his own, we have also had some help finalizing the product as the mastering has been done by Jens Bogren at Facination Street.


Metal Samsara: The sound that comes from the CD is very clear and showing a production done with a careful attention to each element of you music, so Dreugh, did you have some experiment on music production? And how was to have Jens Bogren on the mastering? Did you like his work? 

Dreugh: Beside producing the demo we released back in 2008, I have done a couple of mixes for some local bands like Ainarikiar and Hellnight. When it comes to Conquering Death we had a clear vision in therms of the "sound" we wanted, and all the gear I used on this recording was carefully selected. The production and mix took ages, and I have learned a lot during this process, and I now know what to do next time right from the start! Jens Bogren is a very talented guy, and I knew from the start that he was the right person to contact when the mix was done. He did a fantastic mastering job and I cannot thank him enough for this. Jens and Tony at Fascination Steet are very cool guys, and I really hope we can work together in the future.


Metal Samsara: About Conquering Death, can you tell us the idea behind the title? It’s a very strong one. 

Beist: We didn't decide on the album title until very late in the process, and we wanted something really powerful to put a fitting label on our music. The lyrical themes I camp up with during the writing process was heavily influenced by the subject of death in one way or the other, be it being emotinally so or actually fighting it. Working out from this we came up with the title and we feel it is a fitting one at that. It is also the lyrical concept of the song Victorious, I so you can in a way call it the title song of the record.


Metal Samsara: Hearing the band's music, it’s not only strong and heavy, but it’s intense, dark and very symphonic. And the most important: it’s full of life and personality, so, can you tell us about how were the composition process of the music, and the writing of the lyrics? By the way, what is the message on them? 


Beist: Concerning the lyrics, as I said before they are very much themed about the different states of death and dying. I try to focus more on story-telling in my lyrics and would rather try to stay clear of the sterotypical topics of religion for the most part. I don't think my words are too cryptic and I would rather challenge our audience to make up their own mind on their meanings.  


Metal Samsara: Another thing the calls the attention is the beautiful cover, done by Marcelo HVC. How did you contact him? Is he up to your expectations?  


Beist: We actually contacted Marcelo quite a while ago, me and my brother both being fans of his work, and asked him to do our cover artwork. He gladly accepted even though being swamped in work and  came up with a draft for our cover. As I mentioned before things have been dragging out during the recording process and it went quiet for a while. After a while we were standing with a completed album and a record deal with Indie Recordings and things kind of escalated from there. Indie wanted us to wrap up the process and we provided them the first cover artwork being done by Marcelo. The first draft diddn't quite make it to print but Marcelo, working around the concept of the first one, quickly came up with another. It is safe to say that everyone involved in the process was more than pleased with the result. He is a phenomenal artist and a great guy and we are very grateful to have him on our team! 


Metal Samsara: Talking about the line-up. How did you find the guys? And will they contribute in your music and lyrics in the future releases? 

Beist: Filling out the ranks in our band was no problem as we know most of them from before, them being active in the local metal community with other bands and such. As Kråke stands today me and Dreugh will probably be writing the music and lyrics for our upcomming releases. Although I`m sure the other members have a lot to contribute, we want to keep things simple and in the spirit of what we already have created. Nothing is set in stone though, and nobody knows what the future will bring.


Metal Samsara: Conquering Death is out now, via Indie Recordings, so are you satisfied with their support? Are they up to all your expectations? And how’s the CD going through the Metal media worldwide? I think the reviews are great! 

Beist: When we first set out on this project we had really diddn't have any expectations when it came to choosing our record label. We simply wanted to get our music out on the market. As time went by and we came up with more and more material for our album we felt that we were really on the right path, so we held out searching for a label until we could show our work in its entirety. This payed off in the end and we were contacted by Indie after they had received a tip from friend of the band who had heard the first master of the album. The rest is history, and we are very pleased to be situated at Indie Recordings, them being our top choice of Norwegian labels by a long shot! The reception we have gotten on Conquering Death has sometimes been more than overwhelming. We mostly score very high when the points are dealt, and although we can't please everybody, we seem to have gotten something right when looking at the scores so far.


Metal Samsara: You come from Norway, a country with a tradition on Metal, especially Black Metal, so, how do you see the things on Norwegian Metal Scene by now? Some years after all the things that happened and the band’s exposure to world fans, can you say that there’s a strong Metal scene there? And can you name some new and good bands that are starting to show their music? And how’s Kråke’s reception by the public in your own country? 

Beist: As you said Norway has a strong tradition when it comes to metal music, and we are quite famous world-wide for the things that happened here during the early 90s and of course for bands like Dimmu Borgir, Immortal and Emperor. The metal-scene here is still going strong and although we have quite a small population, Norway have been the birthplace of many great bands, also during the recent years. To mention some up-and-comming bands I can only point the finger at the bands at our record label Indie Recordings. They have gathered quite a multitude of bands from all different metal genres under their name, and there certainly are many exiting acts, both new and seasoned, amongst our collegues! Concerning the reception of our firtst full length album, we have had some quite favorable reviews on our album by Norwegian media so far. Though we have yet to show any sales numbers, we are told they are supposed to be pretty good as well.

Metal Samsara: The CD is on the stores, so it means that some shows are about to happen, I guess. Is there some excursion in sight by now, even some shows on great festivals on Europe, and maybe on USA and America? And do you have plan for some video for CD promotion? 

Beist: At the moment we don't have any plans to go touring in the immediate future. Our main concern as of now is to promote our music and build an audience. This is our first release ever and I think you can understand the importance of promoting ourselves and getting our name out to the world. Don't get me wrong , we are very eager to take our band out on the road and perform our music wherever we are wanted, but to do that people would need to want to see you. Who know what the next couple of months will bring, if we keep getting good reviews then people will most likely start to notice us. Concerning a video for the cd promotion, that would be awesome! Though there are no plans to do that as of yet, we can only hope we get to do that in the future, this release or the next.


Metal Samsara: We thank you a lot for your kind attention and words, so, please, leave your message to Brazilian fans (NR: and worldwide as well, for from now on, all the Metal Samsara's interviews will be shown in English as well) and the readers of Metal Samsara as well.  

Beist:  We want to thank you for this oppurtunity to introduce our band to all the Brazilian metal-heads out there, we hope our music is to your liking and check us out if you enjoy symphonic/atmospheric black metal! Who knows, we might be visiting you guys somtime in the future...


A Conquista do Black Metal – Entrevista com Kråke


Por Marcos Garcia

Após anos de espera, o primeiro CD do Kråke, Conquering Death, foi  lançado, mostrando uma música poderosa, mixando o agressivo e pesado jeito  do Black Metal da Noruega com atmosferas negras e opressivas, soando ao  mesmo tempo sinfônico e cru, mas com um toque de elegância.
Aproveitando esse momento, o Metal Samsara está orgulho em ter feito uma  entrevista com o núcleo da banda, Beist e Dreugh, para falar da banda, do  disco e de seus planos.


Metal Samsara: Antes de tudo, por favor, falem um pouco da história da  banda para nossos leitores

Beist: Bem, o Kråke foi fundado por mim e Dreugh há algum tempo, e sendo  irmãos, sempre soubemos o que queríamos fazer algo, musicalmente falando. E  não aconteceu até 2008, quando conseguimos produzir e lançar um Demo e começamos a nos focar na banda. Desde então, gravamos e produzimos nosso  primeiro álbum, Conquering Death.


Metal Samsara: Bem, essa é bem clichê: quais são as influências musicais de  vocês dois, as bandas das quais gostam e aquelas que poderíamos dizer que  influenciaram a música do Kråke? Apenas ouvindo, não é algo simples de se  identificar… 

Dreugh: Esta é uma pergunta muito boa, e eu poderia falar por era em termos de fontes de inspiração e influência de outras bandas, mas se não fosse pelo trabalho de bandas como Satyricon, Dimmu Borgir, Old Man's Child, Emperor, Bal-Sagoth, só para dizer algumas, Kråke talvez nunca tivesse existido. Estes pioneiros foram muito importantes para nós como  músicos.

Beist: Eu e Dreugh somos irmãos, com um ano apenas de diferença, e crescemos juntos dividindo o mesmo gosto musical, e ainda é assim até os  dias de hoje. É claro que nossas influências entram em nossa música de uma maneira ou de outra, mas creio que conseguimos capturar algo nosso, algo  único para o Kråke.


Metal Samsara: Outra sobre a história da banda: o nome Kråke, em norueguês, siginifica 'Corvo', mas em sua visão, tem um significado bem além disso, certo? Pode nos contar o conceito que tinham em mente quando o escolheram? Está de alguma forma ligado a Hugin e Munin? (NR.: Munin e  Hugin são os corvos de Odin, na mitologia Nórdica) 

Beist: O nome de nossa banda tem causado alguma controvérsia aqui na Noruega, e temos visto algumas perguntas como 'o nome é uma brincadeira ou não'. E posso dizer que encaramos com muita seriedade o nome de nossa banda. Para nós, o corvo é muito mais que um mero pássaro. É quase como se fosse uma figura sinistra e que tem recebido várias propriedades místicas por muitas culturas por todas as eras, sendo ele um arauto da desgraça ou um sinal de sabedoria e astúcia. Os corvos companheiros de Odin  (relativamente próximos ao corvo) Hugin e Munin são bons exemplos de como estas aves negras tem sido elevadas a criaturas quase divinas, sendo ao mesmo tempo temidos e respeitados.


Metal Samsara: Perdão por perguntar, mas a banda, lá no início, seria uma banda de estúdio? A pergunta vem do fato que todo o álbum foi gravado só por vocês dois (NR.: Beist e Dreugh), sem a ajuda de ninguém... E falando nisso, existe um motivo específico para ambos trabalharem dessa forma? 

Beist: Nunca foi nossa intenção de manter o Kråke como uma banda de estúdio apenas, mas sei o porque você pensa assim. A produção de nosso primeiro álbum foi um longo processo, pois tivemos problemas médicos que interferiram na produção, e ao mesmo tempo, tivemos algum azar com nosso equipamento de estúdio. Mas de qualquer forma, a maior causa do atraso que foi a busca pelo som perfeito que se adequasse à nossa música. Durante todo o tempo desse processo, podemos dizer que acumulamos um conhecimento  inestimável de como produzir a música que queremos, do jeito que queremos, nos dando a possibilidade de continuarmos fazendo do nosso jeito. Talvez isso não fosse possível se tivéssemos apenas reservado um estúdio e ajuda de fora na engenharia de som quando estávamos gravando o Conquering Death
Bem, é verdade que todo o processo de gravação e produção de Conquering  Death foi quase que feito principalmente por Dreugh, e também tivemos alguma ajuda na finalização, já que a masterização foi feita por Jens Bogren no Facination Street.


Metal Samsara:  O som que vem do CD é bem limpo e mostra uma produção bem cuidada, com uma atenção cuidadosa a cada elemento de sua música, então, Dreugh, você tinha alguma experiência em produção musical? E como foi ter Jens Bogren na masterização? Gostaram do trabalho dele? 

Dreugh: Além de produzir o Demo que lançamos em 2008, fiz um par de mixagens para algumas bandas locais, como o Ainarikiar e o Hellnight. Quando chegou a vez de Conquering Death, tínhamos uma visão clara em termos do 'som' que queríamos, e todo o equipamento que usei nesta gravação foi cuidadosamente selecionado. A produção e mixagem levou muito tempo, e aprendi muito durante este processo, e sei o que fazer na próxima vez desde o início! 
Jens Bogren é um sujeito talentoso, e eu sabia desde o começo que ele era a pessoa certa a contactar quando a mixagem estivesse pronta. E fez uma masterização fantástica, e não tenho como agradecer o suficiente a ele. Jens e Tony, do Fascination Steet, são sujeitos legais, e realmente espero podermos trabalhar juntos no futuro.



Metal Samsara: Sobre o Conquering Death, pode nos contar qual a idéia  por trás do título? Ele é bem forte. 

Beist: Não decidimos o título do álbum até bem perto do fim, e queríamos algo realmente poderoso para pôr uma marca em nossa música. Os temas que eu trouxe durante o processo de escrita das letras foram fortemente influenciados pela morte, de uma forma ou de outra, sendo ela emocional ou sobre o lutar com ela. Trabalhando com isso, chegamos ao título e sentimos que ele era uma adaptação dessas idéias. E também foi o conceito usado na letra de Victorious, I, então você pode chamá-la de faixa-título do álbum.


Metal Samsara: Ouvindo a música em si (NR.: falando do geral no álbum, não  apenas de Victorious, I) ela não é apenas forte e pesada, mas intensa, obscura, e bastante sinfônica. E o mais importante: cheia de vida e personalidade própria, logo, pode nos falar do processo de composição das músicas, e como as letras foram escritas? Por falar nisso, qual é a  mensagem delas? 


Beist: Falando das letras, como eu disse antes, elas versam bastante sobre o tema morte, ligadas aos diferentes estados da morte e do ato de morrer. Tentei focar de uma forma de contar estórias em minhas letras, e tentei ficar longe de tópicos estereotipados das religião na maior parte delas. Não creio que minhas palavras sejam tão enigmáticas, e prefiro desafiar  nosso público para criarem suas próprias idéias sobre o significado delas.  


Metal Samsara: Outro ponto que chama a atenção é a bela capa, feita por Marcelo HVC. Como vocês entraram em contato com ele? E ele conseguiu  atingir suas expectativas?
  

Beist: Contatamos Marcelo há um bom tempo, sendo que eu e meu irmão somos grandes fãs do trabalho dele, e pedimos que ele fizesse a arte de nossa capa. Ele aceito de bom grado, mesmo estando atolado de trabalho, e veio com um projeto para a nossa capa. Como eu disse antes, as coisas se arrastaram durante o processo de gravação e depois ficou um pouco mais calmo. Depois, estávamos com um álbum completo e um contrato com a Indie  Recordings, e as coisas começaram a crescer a partir daí. A Indie queria que finalizássemos o trabalho, e demos a eles a primeira arte feita por Marcelo. O primeiro esboço não era tão bom que valesse ser impresso, então Marcelo, trabalhando em torno do conceito da primeira arte, rapidamente veio com outra. Podemos dizer que todos os envolvidos no processo estavam mais que satisfeitos com o resultado. Ele é um artista fenomenal e um grande sujeito, e estamos agradecidos por tê-lo em nosso time!


Metal Samsara: Falando sobre a formação da banda. Como encontraram os rapazes? E eles irão contribuir em sua música e letras nos futuros lançamentos?

Beist: Preencher as fileiras da nossa banda não foi o problema, pois eles estão ativos na cena local do Metal em outras bandas e tal. Como o Kråke está hoje em dia, eu e Dreugh provavelmente estaremos escrevendo a música e letras para futuros lançamentos. Embora eu esteja certo de que os outros membros têm muito a contribuir, queremos preservar as coisas simples e no espírito do que já criamos. Mas nada é definitivo, e ninguém sabe o que o futuro trará.


Metal Samsara: Conquering Death está lançado, via Indie Recordings,  então, você estão satisfeitos com o suporte deles? Eles estão suprindo suas  expectativas? E como o CD está sendo recebido pela imprensa Metal do mundo? Creio que as resenhas devem estar sendo ótimas!

Beist: Quando iniciamos este projeto, não tínhamos expectativa alguma no que tratava de escolher um selo. Só queríamos pôr nossa música no mercado.  Então o tempo passou, e viemos com mais e mais material para nosso álbum, sentimos que estávamos no caminho certo, então procuramos por um selo até que conseguíssemos mostrar nosso trabalho em toda sua totalidade. Isso acertou as contas no final, e fomos contactados pela Indie após ele  terem recebido uma dica de uma banda que ouviu a fita master do álbum. O resto é história, e estamos bastante satisfeitos de estarmos na Indie Recordings, sendo eles nossa primeira escolha de um selo norueguês em um tiro no escuro!
A recepção que temos tido com Conquering Death, na maioria das vezes tem sido mais que impressionante. Temos tido muito boas notas, e embora não possamos satisfazer a todos, parece que acertamos quando olhamos as pontuações até agora.


Metal Samsara: Vocês vêm da Noruega, um país com uma tradição no Metal,  especialmente Black Metal, então, como vocês enxergam as coisas na cena norueguesa de Metal por agora? Alguns anos após todas as coisas que aconteceram e as bandas expostas aos fãs pelo mundo, vocês podem dizer que a cena Metal daí ainda é forte? E poderiam dizer alguns nomes de bandas novas boas, que estão começando a mostrar sua música? E como está  sendo a recepção ao Kråke em seu próprio país?

Beist: Como você disse, a Noruega tem uma forte tradição quando se fala em Metal, e somos bastante famosos pelo mundo inteiro pelas coisas que  aconteceram aqui no início dos anos 90, e claro, por bandas como Dimmu Borgir, Immortal e Emperor. A cena Metal aqui continua sendo forte, e mesmo tendo aqui uma população pequena, a Noruega tem sido o berço de muitas bandas ótimas, mesmo nos anos mais recentes. Para citar algumas bandas que estão crescendo, só posso apontar para as bandas de nosso selo, a Indie Recordings. Eles reuniram uma boa gama de bandas de todos os diferentes gêneros de Metal sob seu nome, e certamente existem muitas boas bandas, tanto jovens como mais experientes, entre nossos colegas!
A respeito da recepção de nosso primeiro Full Length, tivemos algumas resenhas bastante favoráveis a ele na mídia norueguesa até o momento. Embora ainda não tenhamos nenhum número de vendas para mostrar, fomos informados que tudo está indo muito bem.

Metal Samsara: O CD está nas lojas, então isso significa que alguns shows estão por acontecer, eu suponho. Existe alguma excursão em vista por agora, até alguns shows em grandes festivais na Europa, e talvez até nos EUA e América? E vocês possuem planos de fazer algum vídeo promocional?

Beist: No momento, não temos planos de sair em tours em futuro imediato. Nossa preocupação principal a partir de agora é promover nossa música e criar um público. Este é nosso primeiro disco, e eu acredito que você consegue compreender a importância de promover-nos e expor nosso nome para o mundo. Não me entendam mal, estamos ansiosos para pôr a banda na estrada e tocar nossa música onde quer que nos queiram, mas para fazer isso, as pessoas precisam querer ver você. Quem sabe o que próximos meses trarão, se continuarmos recebendo boas resenhas, provavelmente as pessoas vão começar a notar-nos.
No tocante a um vídeo para a promoção do CD, isso seria fantástico! Embora ainda não existam planos de fazer um agora, só podemos esperar que possamos fazer isso no futuro, para este disco ou para o próximo.


Metal Samsara: Agradecemos muito por sua gentil atenção e palavras, então, por favor, deixe sua mensagem para os fãs brasileiros e leitores do Metal Samsara.

Beist:  Queremos agradecer a você pela oportunidade de introduzir nossa banda aos Metal Heads brasileiros, e esperamos que gostem de nossa música e que nos confiram se gostarem de Black Metal Sinfônico/Atmosférico! Quem sabe, poderemos ir visitá-los no futuro...


Thunderkraft – Totentanz (CD)



Svarga Music – Importado
Nota 10
Por Marcos Garcia

Cada vez mais o Leste europeu, tão maltratado em todos os sentidos por consecutivas ditaduras de cunho socialista em mais de 70 anos, onde seu povo vivia em condições desumanas e privado de direitos e liberdade, mostra a cara com bandas de Metal com bons trabalhos, e em vários estilos de Metal, mais notadamente o Pagan Metal, que por si só já é bem diversificado, mas obviamente existem bandas que preferem trilhar por outras vertentes. E o Thunderkraft, quinteto ucraniano, é desses que prefere fazer algo diferente e inovador, especialmente em seu segundo CD, Totentanz, que acaba de sair via Svarga Music.
Misturando um Death Metal que mixa brutalidade e técnica, com elementos experimentais, Avantgarde, Folk e Industriais, e temos uma musicalidade bem única e personalizada, cativante e que empolga bastante o ouvinte. E cantado na língua pátria (ou seja, lá vamos nós ter que aprender a língua, um desafio educacional gratificante).
A produção sonora do disco é bastante polida e bem feita, deixando claro cada elemento na música da banda (e que não são poucos), mas sem obliterar o peso característico do quinteto, bem como a produção visual é de muito bom gosto e bem feita.
O que se vê aqui é um trabalho bem feito e variado, mesclando vocais ora agressivos e guturais, ora mais hipnóticos e suaves, guitarras em riffs pesados e bem trabalhados, com técnica, melodia e peso; baixo e bateria bem variados, sabendo dar diversidade rítmica ao trabalho da banda, e teclados muito bem colocados, dando a tônica Industrial e Folk nos momentos certos, e contribuindo bastante nos momentos mais extremos e pesados.
Como o disco é nivelado por cima, chega a ser pecaminoso querer destacar esta ou aquela música, pois todas são preciosas aos ouvidos em busca de novidades, como a variada e pesadíssima Настане час (A Time Will Come), onde mudanças de andamentos e melodias se misturam bem a agressividade da banda, com bastante destaque para os vocais bem postados; a forte Дефект масс (Mass Defect), com diversos momentos mais voltados ao Industrial, fora ótimo solo de guitarra; a intensa, empolgante e maravilhosa Смерть не роз'єднає нас (Death Won't Separate Us), que começa em uma levada lenta, para virar logo uma paulada mais cadenciada e emotiva, com ótimas variações vocais (indo do gutural ao goth e ao rasgado), bases de guitarra bem intensas e ganchudas, belíssimos solos de guitarra, cozinha perfeita, e teclados para de bem orquestrados; Світ майбутнього (The Future World), com fortes toques de música tradicional eslava misturada ao Industrial e peso massivo, com outro show das guitarras, em um solo carregado de wah-wah; Смятая повесть (A Crumpled Story), essa com tônica no Industrial, embora a agressividade e peso estejam presente, com ótimos teclados; a ‘tiamatiana’ Навстречу новой заре (Towards a New Dawn), e caótica Творець життя (The Creator of Life), com base baixo-bateria bem empolgantes em meio a brutalidade e toques Folk.
Uma das grandes revelações de 2012, sem sombra de dúvidas!
E para quem ainda não sabe, Totentanz é o nome em alemão da obra 'Dança Macabra', que já foi levada ao teatro e é tocada por orquestras. Vale a pena uma lida e ouvida mais profunda no tema, bem como no trabalho desses ucranianos.

Death Won't Separate Us (Смерть не роз'єднає нас)


Tracklist:

01. Настане час [A Time Will Come] 
02. Дефект масс [Mass Defect] 
03. Totentanz [Dance of the Dead] 
04. Смерть не роз'єднає нас [Death Won't Separate Us] 
05. Світ майбутнього [The Future World] 
06. Смятая повесть [A Crumpled Story]
07. Де сон л'є вологою з вій [Where the Dream Flows as Moisture from Eyelashes]
08. Навстречу новой заре [Towards a New Dawn] 
09. Творець життя [The Creator of Life]



Formação:

Master Alafern – Guitarras, vocais, violino
Ann – Teclados, flauta
Sigurd – Baixo 
Munruthel – Bateria, vocal
Amorth I.M. – Vocal (ao vivo)


Contatos: