23 de jul de 2016

FLAGELLUM DEI - Diabolis Enim et Alli Deamones (álbum)


2016

Nacional

Nota: 9,5/10,0

Músicas:

1. Devotion 
2. Under a Sulfurous Moon
3. A Dream of Vengeance
4. Sanguinem Carminibus Scriptis (Haec Sunt Verba...)
5. Theire Blood to Thee
6. Diabolis Enim et Alli Deamones
7. Decay
8. Between Versus


Banda:



Sepulchral Winds - Vocais, todos os instrumentos


Contatos:



Texto: Marcos "Big Daddy" Garcia


Portugal, em termos de Metal, é um país extremamente fértil. MOONSPELL, SCAR FOR LIFE, OPUS DRACONIS, e muitos outros são vindos daquelas terras que tanto deram e dão ao Metal.

E como é sabido por muitos, em termos de Black Metal, Portugal é um excelente criadouro de bandas. Que o diga o excelente trabalho do FLAGELLUM DEI, que nos chega com seu mais recente disco, "Diabolis Enim et Alli Deamones", em uma parceria entre os selos Cold Arts Industry, Nyarlathotep Records, Cianeto Discos e Wolfblasphemer Distro. Ainda bem, pois o disco é de primeira.

Antes de tudo, é preciso dizer que a banda foca suas energias em fazer um estilo de Black Metal que respeita aquela sonoridade soturna e ríspida dos primeiros anos da Second Wave of Black Metal (final dos anos 80/início dos anos 90, quando Noruega, Suécia e Grécia eram os grandes centros do estilo), procura ser criativo, usando uma abordagem diferente e buscando para si algo mais personalizado. Assim, o FLAGELLUM DEI consegue se sobressair na avalanche de bandas iguais por buscar outra visão. E nós é quem ganhamos com isso, pois o disco é de primeira, uma tormenta de riffs insanos de alta qualidade, vocais urrados de primeira, base rítmica pesada e intensa. E embora não seja a tônica, a técnica da banda é ótima, e o disco é magnífico! 

A qualidade sonora de "Diabolis Enim et Alli Deamones" é suja e crua, mas sem atrapalhar o produto final. O peso é evidente, a agressividade está bem clara. Mas é esta sonoridade mais dura que faz com que o disco possua vida, e que seja tão bom aos ouvidos. 

Gravado totalmente pelo guitarrista Sepulchral Winds (único membro da banda remanescente), podemos aferir que "Diabolis Enim et Alli Deamones" é uma jóia dentro do gênero, com um trabalho bem variado em todos os sentidos. Não, não esperem algo direto e reto ao ponto, pois sob a agressividade crua das músicas, percebe-se uma preocupação estética com o que está sendo feito. Arranjos bem feitos, muitas variações rítmica, tudo extremamente bem feito.

Destaques:

"Devotion" - É uma introdução climática, que vai preparando o ouvinte para o que vem a seguir.

"Under a Sulfurous Moon" - É uma faixa longa e bem elaborada, logo, as mudanças de ritmo são muitas, indo da velocidade alucinante à cadência sem medo. E como o trabalho de guitarras é de primeira, com riffs certeiros.

"A Dream of Vengeance" - É uma faixa mais climática, com andamento em velocidade mediana, vocais bem variados à lá Attila Csihar, usando aqueles tons de voz bem diferentes. É uma música um pouco mais simples, mas certeira.

"Sanguinem Carminibus Scriptis (Haec Sunt Verba...)" - Outra faixa mais longa, com peso muito opressivo. Os tempos são mais cadenciados, o que faz com que uma atmosfera densa e mórbida permeie a canção, mostrando um trabalho ótimo em termos de baixo e bateria.

"Theire Blood to Thee" - Definitivamente, o arsenal de riffs excelentes da banda parece não ter fim, já que esta canção é uma coleção deles! Óbvio que as mudanças de ritmo levam a isso, mas o impacto musical, o azedume soturno do trabalho de baixo e bateria devem ser levados em conta.

"Diabolis Enim et Alli Deamones" - Outra característica interessante do trabalho do FLAGELLUM DEI é que o baixo não serve pura e simplesmente para dar peso à base rítmica. Basta verem como nos momentos mais climáticos, ele dá aquele toque mais soturno, juntamente com uma bateria bem trabalhada. E esta música é de primeira linha!

"Decay" - Novamente, a banda lança mão de riffs intensos e bem trabalhados. Verdade seja dita: Sepulchral Winds sabe o que faz nas seis cordas. Há momentos bem rápidos e cativantes, mas em geral, impera uma qualidade mais trabalhada e muitas mudanças de ritmo.

"Between Versus" - Nesta que encerra o disco, temos uma canção mais focada em algo atmosférico e sinistro, um pouco mais comportada que as anteriores, mas que belos momentos mais limpos e sinistros, onde os vocais mostram timbres rasgados de primeira.

No mais, o FLAGELLUM DEI é uma banda de primeira, e que agora, graças ao trabalho conjunto da Cold Arts Industry, da Nyarlathotep Records, da Cianeto Discos e da Wolfblasphemer Distro, você pode adquirir facilmente.

Mas andem rápido, pois são poucas cópias prensadas!