28 de ago de 2012

Testament – Dark Roots of Earth (CD)


Nuclear Blast - Importado
Nota 10
Por Marcos Garcia

Já vai longe a época áurea do Thrash Metal, quando a cada dia, uma nova banda surgia, e era fácil ver que algumas delas iriam durar muitos anos, bem como mantendo suas raízes e brindando-nos com música de alto nível, apesar de uma ou outra escorregadela. Só que o TESTAMENT exagerou na dose, e soltou um dos discos que devem estar figurando na lista de ‘melhor disco do ano’ de muitos, o animalesco ‘Dark Roots of Earth’, que saiu há algum tempo pela Nuclear Blast, e deve ter sua versão nacional em breve.
Primeiramente, a arte é de saltar os olhos de tão bonita, antenada com a mentalidade de Chuck Billy, que descende do povo indígena americano, e sempre busca levar a temática sobre suas raízes adiante. Um exemplo a ser seguido por aqui, onde muitos se envergonham de nossos índios.
Na parte da produção musical, o disco foi gravado nos Driftwood Studios, em Oakland, Califórnia, e basta apenas dizer o nome do produtor para encerrar esta conversa: Andy Sneap.
O disco em si resgata muito do que a banda fez em sua fase mais brilhante, entre o ‘The New Order’ e o ‘Souls of Black’, ou seja, aquele Thrash Metal trabalhado, melodioso, mas intenso e com muita agressividade, ou seja, Chuck continua aquela linha mista de cantar com um timbre mais agudo de voz (como fazia no passado) e alguns urros mais guturais (que ele usou na fase ‘Demonic’/’The Gathering’), Alex Skolnick e Eric Peterson esbanjam força e feeling em riffs maciços como uma muralha e solos muito bem tocados, se mostrando uma das melhores duplas de guitarras do Thrash Metal atualmente, e a cozinha formada por Greg Christian e Gene Hoglan está abusivamente pesada e trabalhada. E imaginem este time soando de forma compacta e coesa... Coitados de muitos que teimam em ser clichê nos dias de hoje...
O disco é forte e pesado o tempo todo, e destacar uma ou outra faixa seria um pecado mortal, pois todas são excelentes, mas sempre tem aquelas benditas que se mostram logo de cara, como brutal ‘Rise Up’, com ótimo trabalho dos vocais, bem como pelos bumbos e bateria; ‘Native Blood’, cuja letra (e vídeo) tratam da cultura indígena, um festival de riffs e solos ótimos, bem como um refrão maravilhoso, e que cozinha; a mais refreada e pesada ‘Dark Roots of Earth’; a raivosa e rápida ‘True American Hate’; a densa e cadenciada que leva a cabeça a agitar ‘A Day in the Death’; a semi-balada ‘Cold Embrace’; as empolgantes ‘Man Kills Mankind’ e ‘Throne of Thorns’, esta última mais cadenciada e com um trabalho absurdo das guitarras; além da mortífera ‘Last Stand for Independence’, outra que empolga muito. E para aqueles que pegarem a versão Deluxe, temos ótimas versões para ‘Dragon Attack’ do QUEEN, ‘Animal Magnetism’ do SCORPIONS e ‘Powerslave’ do IRON MAIDEN, tão boas quanto as originais, mas com a pegada Thrash trabalhada da banda, logo, ficaram bem pessoais, além da versão estendida de ‘Throne of Thorns’.
Este disco chega a ser um crime de tão maravilhoso, e perdão pelas palavras, mas o TESTAMENT merece lugar de destaque no chamado ‘Big Four’, no lugar de qualquer um deles, já que da velha guarda, sem sombra de dúvidas, são os que estão compondo músicas de alto nível, e talvez este seja o disco do ano do Metal Samsara.

Native Blood

Tracklist:

01. Rise Up
02. Native Blood
03. Dark Roots of Earth
04. True American Hate
05. A Day in the Death
06. Cold Embrace
07. Man Kills Mankind
08. Throne of Thorns
09. Last Stand for Independence
10. Dragon Attack (QUEEN)
11. Animal Magnetism (SCORPIONS)
12. Powerslave (IRON MAIDEN)
13. Throne of Thorns (Extended Version)


Formação:

Chuck Billy – Vocais
Alex Skolnick – Guitarras 
Eric Peterson – Guitarras 
Greg Christian – Baixo 
Gene Hoglan – Bateria 
Chris Adler – Bateria em ‘A Day in the Death’ do Itunes.



Contatos:

Metal Open Air 2012 - Um fracasso para ser refletido e nunca esquecido



Por Marcos Garcia

Passaram-se 4 meses após o fracasso do Metal Open Air, e aparentemente, toda aquela situação foi esquecida, como bem convém a muitos brasileiros.

O Metal Samsara ainda não existia nesta época, então, podem considerar este um manifesto tardio. Palavras que precisam ser ditas e revistas todos os dias nos próximos anos, tal qual uma oração religiosa ou a letra de uma música que gostamos, pois por mais que elas sejam desagradáveis a muitos, ainda se fazem necessárias.

Um Headbanger que não é solidário aos que sofreram dessabores no MOA, como serem postos em meio à fezes e urina de animais, que pagaram o ingresso e se comportaram de forma honesta e comportada, apesar do festival de trapalhadas de ambas as produtoras responsáveis (a lembrar, a Negri Concerts de São Paulo e a Lamparina Produções do Maranhão) é um autêntico ALIENADO, indigno de andar em meio a cena do Metal, porque só olha para o próprio umbigo, e não o bem comum de todos nós.

A omissão desses (sempre com as desculpas 'é pelas bandas', 'não sei se vou ver de novo') é o que os mantém em meio a nós, e é o que fez o MOA ser um fracasso, o que permitiu que o Metal recuasse anos no passado após esforços hercúleos para levantá-lo no Brasil, e que  agora faz com que promoters honestos comam o pão que o diabo amassou e vomitou para trazer bandas de porte médio para cá. Até para os que trabalham na imprensa, a coisa ficou muito difícil, pois mais uma vez, nós, os brasileiros, somos vistos como um povo que não é sério em seus compromissos, como na situação referente ao roubo das lagostas em nossa costa na década de 60, quando surgiu a frase 'o Brasil não é um país sério'.

Há papo que ronda o baixo underground que os donos da Negri Concerts pressionaram a imprensa, dizendo que não dariam credenciamentos a quem falasse a verdade sobre o MOA. Se é fato, que estejam à vontade em relação ao autor desta matéria, pois o mesmo nunca quis nada com eventos desta produtora ou bandas que a mesma traz. Nunca ao custo da dignidade dos irmãos da cena Metal, pois não este autor não é um maldito egoísta. Em 30 anos de Metal, ele aprendeu que apenas a unidade manterá a cena forte, apenas sabendo boicotar canalhas que as coisas irão entrar nos eixos, pois estes irão produzir eventos de outros estilos mais comerciais e deixarão nosso meio. 

E se o coração do caro leitor não é capaz de se comover com esta desgraça toda ocorrida com seres humanos, que tal refrescar a memória: leia aqui.

Agora, depois de ler, se você for capaz de ver uma coisa assim e não sentir-se comovido com a desgraça alheia, seu lugar é nos bailes funk, nos shows de pagode e axé, no diabo que o carregue e o deixe por lá, mas não na cena Metal. Nada justifica sua omissão, sua falta de senso, e o pior de tudo: sua falta de sentimento humano para com outrém outrem
Pessoas acampadas em meio à fezes e urina de animais, carrapatos e baratas (pois o Parque da Independência é usado para exposição de agropecuária), roubadas dentro do evento, com serviços de infraestrutura em nível insatisfatório (pessoas tomando banho em bebedouros de cavalos não é algo digno), e depois, sem direito a comida, sem direito a acomodações dignas, sem direito à dignidade humana. E vocês ainda vão a eventos da Negri Concerts ou da Lamparina Produções, que em um país sério, ambas as empresas já teriam sido cassadas, e seus donos presos?

Este site se manifesta sempre como um órgão de conscientização em geral, mas sempre com as palavras célebres de Isaac Newton em mente: 'Amicus Plato, Amicus Aristoteles, plus Amicas Veritas', ou seja, 'sou amigo de Platão, e amigo de Aristóteles, mas sou antes de tudo amigo da Verdade', e assim sempre será.
Publicações e sites como Whiplash, Collector's Room e Roadie Crew fizeram sua parte, divulgando e mostrando os fatos lá ocorridos, denunciando a todos o que se passava no Parque da Independência, com mais de 50% das bandas desistindo de tocar por não terem suas exigências atendidas, embora algumas pessoas mostrassem completo desrespeito para com o público, tomando partido do opressor e não da vítima, como pode ser visto nesta matéria no Whiplash.

Pouco mais de quatro meses, e nada foi feito. Nada dos responsáveis em cana, das pessoas ressarcidas, e o pior de tudo: nada de lição aprendida por bangers, já que muitos ainda apoiam a Negri Concerts, como se manifesta em fóruns na internet.

E sobre ter sido no Nordeste, isso nada é relevante. Se fosse em SP, RJ, MG ou no diabo que carregue a Negri Concerts e a Lamparina Produções, teria o mesmo efeito. E se o brasileiro sonha com um festival do porte do Wacken, é preciso que antes aprenda a ter respeito por si mesmo e por outros que sofreram as agruras no Maranhão.

Se isso, a alternativa será sempre a de economizar por anos, pagar caro e ir ver os grandes festivais na Europa, pois lá, o fã é tratado com respeito, e não como um animal...

Ficam as lições, logo, vamos aprendê-las de uma vez por todas...

Notícias - Hellion Records Brasil (28/08/2012)


ॐ ॐ ॐ


SOULSPELL: DIVULGAÇÃO OFICIAL DO LANÇAMENTO DO NOVO ÁLBUM “HOLLOW’S GATHERING”


O terceiro álbum do projeto brasileiro de Power Metal opera SOULSPELL, chamado 'Hollow’s Gathering', será lançado na Europa e América do Norte no dia 12 de Outubro pela Inner Wound Recordings e no Brasil no dia 19 de Outubro pela Hellion Records.
'Hollow’s Gathering' conta com as participações especiais de Tim “Ripper” Owens [ex. JUDAS PRIEST, ICED EARTH], Blaze Bayley [ex. IRON MAIDEN], Michael Vescera [OBSESSION, ex. LOUDNESS, YNGWIE MALMSTEEN], Amanda Somerville [TRILLIUM, AVANTASIA], Markus Grosskopf [HELLOWEEN] e muitos outros. O album foi mixado por Matt Smith [THEOCRACY] e masterizado por Miro, no The Gate Studio [AVANTASIA, KAMELOT, RHAPSODY]. A arte da capa foi criada por Felipe Machado Franco [BLIND GUARDIAN, RHAPSODY OF FIRE, ICED EARTH].
O projeto foi criado pelo baterista Heleno Vale. Muitos vocalistas interpretam diferentes personagens numa história que aborda os sentimentos humanos de uma forma única. Esses personagens enfrentam situações de conflito interno, quando são obrigados a tomarem decisões que, sem seu conhecimento, afetam o curso do presente, futuro e mesmo o passado de todos os outros personagens da trama. Embora a história transcorra nos dias de hoje, muitos eventos históricos são, também, entrelaçados a ela. A história do SOULSPELL pretende nos fazer pensar como um garoto de apenas quinze anos de idade, um poderoso e maléfico dragão, ou mesmo um simples e humilde lenhador podem interferir na vida de todos nós, de quaisquer dimensões, apenas vivendo e acreditando.

Veja o teaser do album no YouTube: 



'Hollow's Gathering' tracklist:

01. Hollow's Gathering
02. A Rescue Into the Storm
03. To Crawl Or to Fly
04. Anymore
05. Adrian’s Call
06. Change the Tide
07. From Hell
08. The Keeper’s Game
09. The Dead Tree
10. Whispers Inside You

Pré-venda de 'Hollow's Gathering' na Europa na Inner Wound Store: www.innerwound.bigcartel.com 


Soulspell online:

ॐ ॐ ॐ



Hellion Records Brasil 22 anos!