12 de out de 2014

Toxic Holocaust, Lacerated and Carbonized, Nervosa, Land of Tears (09/10/2014 – Teatro Odisséia – RJ)


Produtor: Fame Enterprises
Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia
Fotos: Daniel Croce



Uma noite quente na cidade, e a Lapa recebeu mais um ótimo evento, desta vez, trazendo o trio Norte-Americano TOXIC HOLOCAUST, e tendo como opening acts os cariocas LAND OF TEARS e LACERATED AND CARBONIZED, além do trio Thrasher de São Paulo, NERVOSA. E o evento em si prova mais uma vez a força do Metal brasileiro, com todo respeito aos irmãos de outros países.

Land of Tears

Abrindo a noite, o quarteto LAND OF TEARS deu o pontapé inicial no evento.

A veterana banda sofreu uma reformulação em sua formação e mesmo na estética de suas letras desde o EP “World of Pain”, e se apresentou fazendo o primeiro show de divulgação de seu novo trabalho, o recém-lançado “The Ancient Ages of Mankind”. Mesmo seu Death Metal à lá anos 90 mostrou uma grande evolução técnica, sofrendo influências de algumas outra vertentes do Metal.

Land of Tears
A banda mostra boa postura na reestreia do baixista S. Vianna, fazendo um bom show (embora um pouco curto), o guitarrista/vocalista Róbson Night Arrow mostra boa comunicação com o público. Aproveitando o lançamento, o setlist foi todo baseado em músicas novas, com destaques óbvios paras “Old Legends” e “Mega Alexandros”, que não perdem sua força e impacto ao vivo (embora a qualidade de som estivesse um pouco abafada). Um ponto que ficou evidente é que a banda está bem entrosada, mas precisa de uma sequência de shows para azeitar um pouco as engrenagens. E foi legal ver o baixista do HICSOS, Marco Anvito (que produziu “The Ancient Ages of Mankind” e tocou todas as partes de baixo do CD), bem como receber de volta o LAND OF TEARS. Mas uma pena que havia pouco público dentro da casa...

Parabéns e bem vindos de volta, Robson Night Arrow, Leandro Xsa (guitarra solo), S. Vianna e Orion Gobath (bateria).

Setlist:
Intro
Colossus
Old Legends
Cerberus
Mega Alexandros
Pentekontoros
Omega Legions


Nervosa

Seguindo a noite, foi a vez das Thrash Killers do NERVOSA subirem ao palco e praticarem um genocídio Thrasher!

Esbanjando entrosamento, com excelente postura de palco e vertendo energia bruta aos borbotões, as meninas incendiaram o público, já que sua música é empolgante e violenta, chegando a gerar algumas rodas de pogo, as primeiras da noite. As fundações do Teatro Odisséia tremeram diante de músicas como “Justice Be Done”, “Into Mosh Pit”, a já clássica “Death”, a matadora “Victim of Yourself”, todas do primeiro álbum do trio (“Victim of Yourself”, lançado este ano). Mas ainda mataram a saudade do Demo/EP “2012” e detonaram “Masked Betrayer”. A qualidade de som também não estava perfeita, com o vocal sumindo de vez em quando, mas elas sentaram a marreta sem se importarem com a dificuldade.

Nervosa
Vale destacar que Fernanda Lira (baixista/vocalista) é um monstro no palco, agitando, cantando, tocando seu baixo com vontade, e se comunicando muito bem com o público (esbanja simpatia e bom humor sempre), enquanto Prika Amaral (guitarras, backing vocals) fica mais centrada nos riffs e solos, mas também agita bastante. E a baterista Pitchu Ferraz é segura na base rítmica, e mostra uma boa técnica nas baquetas e bumbos, além de uma pegada bem pesada.

E foram ovacionadas merecidamente, mostrando que o Brasil já é pequeno para as Thrash Killers, e que fique claro uma coisa: elas jogaram uma pressão extrema nas costas do TOXIC HOLOCAUST.


Setlist:
Twisted Values
Justice Be Done
Into Mosh Pit
Envious
Morbid Courage
Death
Urânio em Nós
Victim of Yourself
Masked Betrayer


E essa pressão aumentou ainda mais quando o quarteto LACERATED AND CARBONIZED subiu ao palco e detonou um show perfeito.

Lacerated And Carbonized

Jonathan Cruz (vocais), Caio Mendonça (guitarras), Paulo Doc (baixo, backing vocals) e Victor Mendonça (bateria) mostram que já estão em um nível bem acima da média das bandas brasileiras, já que em menos de um ano, a banda evoluiu de forma absurda. Já abriram tocando logo de início “L.A.C.”, “Third World Slavery” e “Awake the Thirsty”, do último CD (“The Core of Disruption”), mas não se privaram de tocar músicas de “Homicidal Rapture” como “Seeds of Hate” e o hino “Chainsaw Deflesher”. Isso é Third World Death Metal!

Lacerated And Carbonized
Comunicação e atitude de palco perfeitas (eles não param quietos um instante que seja), uma sinergia absurda com o público, muito carisma e pedidos pela conscientização da importância da unidade do público foram feitos, e vieram a calhar com o atual momento. E foram merecidamente aplaudidos e ovacionados por todos, e receberam com humildade cada cumprimento, cada aperto de mão que lhes foi dado.


Fica claro que a experiência internacional fez bem a eles, e o LACERATED AND CARBONIZED, bem como o NERVOSA, já não cabem no Brasil, e ajudaram a pressão sobre os headliners chegar a níveis absurdos.


Setlist:
L. A. C.
Third World Slavery
Awake the Thirst
O Ódio e o Caos
BloodDawn
Seeds Of Hate
Homicidal Rapture
Unnatural Aggression
Call for Blood
Corrupt Foundations
System Torn Apart
Mundane Curse
Chainsaw Deflesher


Enfim, fechando a noite, veio o trio norte-americano TOXIC HOLOCAUST.

Toxic Holocaust

Joel Grind (vocais, guitarras), Philthy Gnaast (baixo) e Nikki Rage (bateria) subiram ao palco e fizeram um bom show, com boa postura e comunicação, verdade seja dita. Mas os shows anteriores deixaram para eles uma tarefa ingrata, e eles não conseguiram superar nem o NERVOSA ou o LACERATED AND CARBONIZED. No máximo, igualaram (se chagaram a tanto) o LAND OF TEARS. Novamente: não foi um show ruim, mas não conseguiu a energia e impacto dos anteriores. 

Talvez, sem querer ofender ninguém, tivesse sido melhor se o trio norte-americano tivesse abrido a noite. Isso não seria vergonha alguma...

Toxic Holocaust

Mas o público presente, em sua maioria, lá foi para vê-los, e não se importou nem um pouco, mas se divertiu, agitou e deram moshs ao som de “Death Brings Death”, “War Is Hell” e outras. O destaque da banda é mesmo Nikki, já que teve que lidar com um pedal quebrado, mas mostra boa técnica e energia (não é à toa que a partir de sua entrada, os discos da banda melhoraram absurdamente em termos de técnica). “Gravelord”, a famigerada “Nuke the Cross” e “Bitch” (na encore) levaram os fãs ao deleite, verdade seja dita.


Setlist:
Awaken the Serpent
In the Name of Science
Reaper’s Grave
Death Brings Death
I Am Disease
War is Hell
Endless Armageddon
666
Agony of the Damned
Gravelord
Acid Fuzz
Deny the Truth
Wild Dogs
The Lord of the Wasteland
Nuke the Cross

Encore:

Metal Attack
Bitch


Óbvio que não poderia deixar de citar um discurso feito no show do TOXIC HOLOCAUST por um músico brasileiro que subiu ao palco, buscando exaltar a banda (que não precisa disso, pois faz um trabalho digno e que já fala por si) e outras coisas. Desnecessário, já que a cena precisa de unidade, não de algumas ideias velhas que desceram ao túmulo em 31/12/1989, e lá devem permanecer... O tempo dessas ideias acabou.


No mais, parabéns às bandas, ao público, a Fame Enterprises (pela realização e organização do evento no RJ e em SP), e ao Teatro Odisséia por acolher, cada vez mais, ótimos eventos de Metal.




O Metal Samsara gostaria de agradecer a cada um dos citados acima pela possibilidade de mais um trabalho, e a Daniel Croce por ceder as fotos aqui usadas.