2 de jan de 2017

STONERIA: todo radicalismo invalida qualquer argumento



Parece que 2016 foi o ano de bandas/artistas de imporem e terem seu lado definido referido a assuntos políticos. O que de certa forma não foi muito bem visto por fãs ou seguidores, mas que trazem o direcionamento de como muitos pensam.

Já o STONERIA é composto por músicos de diferentes ideias e posicionamentos, como explica o guitarrista Pedro Rocha em sua última entrevista do ano, confira:

No STONERIA temos uma peculiaridade política, onde parte dos músicos são de direita e a outra de esquerda, mas que podemos notar que em nada influencia na parte musical ou lírica. Como vocês explicam esse respeito mútuo?

Há realmente essa diferença ideológica entre nós, eu sou mais visto como o de direita da banda, mas não é bem uma verdade. Apenas acredito que devemos contestar tudo e não sermos coniventes com erros, apenas porque simpatizam com determinado político ou partido político. Os temas tratados nas letras representam ou tentam representar um pouco da realidade, mas nem todos são necessariamente politizados, e mostra a percepção que todos temos sobre o tema. Claro que surgem discussões sobre o cenário político atual, e não concordamos em tudo, mas posso dizer que as letras ficam no "meio termo". Isso se deve ao fato do Zen ser talvez o mais ponderado da banda.


Essas diferenças políticas estão cada vez mais explicitas no meio Rock/Heavy Metal, gerando em muitos casos certas polemicas por determinados posicionamentos. Como vocês enxergam essa questão?

Existe uma ideia muito difundida hoje de que que artista não pode ser de direita, o que pessoalmente acho não ter sentido. Acredito que as pessoas são livres para escolher o posicionamento que mais se identificam. Não existe um lado 100% certo e virtuoso e um lado 100% errado e inescrupuloso. Existem bandas no meio rock/heavy metal que são bem claras no seu posicionamento, e outras que não tratam esse aspecto. Acredito que todos devem ser livres para mostrar seu lado, suas crenças e seu direcionamento ideológico, apenas acho errado defender corruptos, assim como acho errado discurso demagogo e oportunista. Como artistas que tem o poder de atingir as pessoas, devemos mostrar a realidade e questionar o que nos ė vendido, sem sermos tendenciosos.


Dentre um dos mais polêmicos e se podemos dizer, sem noção, temos o Youtuber Nando Moura, que é de direita, e tem os pensamentos mais extremistas possíveis, mas que se contradiz na maioria das vezes. Gostaria da opinião de vocês sobre tais posicionamentos do mesmo dentre política e música.

O Nando Moura é muito radical no seu posicionamento e todo radicalismo já invalida seu argumento. Não é possível ser absoluto em tudo, devemos estar dispostos para debater e sempre se auto avaliar. Claro que essa tem sido uma maneira do Nando se promover, visto que ele tem diversos seguidores e hoje em dia, dificilmente existe alguém no meio do heavy metal no país que não o conheça. Agora se não gostamos do cara, ou simplesmente não concordamos com o que ele fala, devemos deixá-lo de lado, pois falar mal também é uma forma de propaganda. É só reparar ouras personalidades polêmicas que ganharam notoriedade recentemente, muito mais pelas críticas negativas direcionadas as mesmas. Se não concordamos com tal pessoa ou se não gostamos dela o melhor a fazer é não falar dela.

Links Relacionados:


BRIDGIT MENDLER: cantora lança versão remix do novo single “Do You Miss Me at All”

Famosa artista norte-americana vem ao país para promover o novo álbum “Nemesis” – foto: Myriam Santos

A atriz, cantora e compositora norte-americana BRIDGIT MENDLER, mundialmente famosa pelos personagens nas séries “Good Luck, Charlie” (Disney Channel), “Os Feiticeiros de Waverly Place” (Disney Channel) e “House”, além dos filmes “The Click”, “Alvin e os Esquilos 2”, “Labor Pains”, “Garota SA”, “Perdido Pra Cachorro 2” e “Os Muppets 2: Procurados e Amados”, segue firme e forte na promoção do recém-lançado novo EP “Nemesis”.


Após lançar o single “Atlantis“, a artista apresentou a faixa “Do You Miss Me At All”, que traz uma pegada mais R&B com elementos da pop music. Recentemente, a sua segunda música de trabalho ganhou uma versão remix especial produzida por Marian Hill.

“Escrevi essa música quando estava passando pelo Golden Gate Park, em São Francisco, com saudades de um cara. Sentir falta de alguém pode ser solitário, nem sempre sabemos o que a outra pessoa está sentindo. Essa canção foi a maneira que encontrei para lidar com isso”, explicou a cantora.

Assista ao videoclipe de “Do You Miss Me At All”:



Curiosamente, o primeiro show da turnê mundial em 2017 será bastante especial. BRIDGIT MENDLER faz apresentação de estreia no Brasil, no próximo dia 5 de março de 2017, no Carioca Club, em São Paulo. Esta será a única exibição da artista no país.

Os ingressos continuam à venda no site do Clube do Ingresso (http://www.clubedoingresso.com/bridgitmendler), Galeria do Rock (loja 255), bilheteria do Carioca Clube e diversos pontos autorizados na capital paulista, Santo André, Osasco, São José do Rio Preto, Rio de Janeiro e Curitiba. Mais informações no serviço abaixo.

Até o momento, a turnê promocional do EP “Nemesis” tem as seguintes datas confirmadas:

05/03 – Carioca Club - São Paulo, Brasil
07/03 – Teatro Vorterix – Buenos Aires, Argentina
09/03 – Teatro Cariola – Santiago, Chile
15/03 – SXSW – Austin, EUA
20/03 – Vinyl – Atlanta, EUA
21/03 – Cat's Cradle – Carrboro, EUA
23/03 – Webster Hall – New York, EUA
24/03 – The Fillmore – Philadelphia, EUA
25/03 – U Street Music Hall – Washington, EUA
27/03 – Brighton Music Hall – Allston, EUA
28/03 – La Sala Rossa – Montreal, Canadá
29/03 – Adelaide Hall – Toronto, Canadá
31/03 – Lincoln Hall – Chicago, EUA
01/04 – 7th Street Entry – Minneapolis, EUA
04/04 – Chop Suey – Seattle, EUA
05/04 – Holocene – Portland, EUA
07/04 – Rickshaw Shop – San Francisco, EUA

Nascida na capital Washington, em 1992, Bridgit também protagonizou e comandou a trilha sonora do filme de sucesso “Lemonade Mouth” (Disney Channel). Em 2012, Mendler dublou a voz americana de Arriety no filme japonês “The Secret World of Arrietty”. No mesmo ano, Bridgit lançou seu debut álbum “Hello My Name Is...”, que estreou na 30ª posição na Billboard 200. Seu primeiro single "Ready or Not" se tornou um hit internacional e chegou ao número 49 na Billboard Hot 100.

Links relacionados:


Serviço São Paulo

Liberation Tour Booking orgulhosamente apresenta BRIDGIT MENDLER
Data: 5 de março de 2017
Local: Carioca Club
End: Rua Cardeal Arcoverde, 2899 – próximo ao Metrô Faria Lima
Hora: 18h
Infoline: (11) 3813.8598
Informações gerais: info@liberationmc.com
Classificação: 14 anos

Ingressos
Pista: R$140 (Meia entrada / Estudante) | Inteira: R$280
Camarote: R$250 (Meia entrada / Estudante)
Inteira: R$500
Pacotes VIP, com Meet & Greet e brindes disponíveis! Número limitado!

Pontos de Venda antecipada sem taxa de serviços (pagamento em dinheiro): 
Galeria do Rock: loja 255 – 1º andar – (11) 3361-6951
Carioca Club: Rua Cardeal Arcoverde, 2899 - (11) 3813-8598

Ingresso online (com taxa de serviço): http://www.clubedoingresso.com/bridgitmendler

A/C Costábile Salzano Jr.

RUINS OF ELYSIUM: origens, peculiaridades e influências estão entre os temas de nova entrevista concedida


O exótico sempre chama a atenção. O diferente gera o que falar, propagando a mensagem. É o que vem acontecendo com a banda mineira RUINS OF ELYSIUM e seu diferenciado Symphonic Metal artístico, erudito e, ainda por cima, cantado em técnica vocal tenor.

Nessa última semana de 2016, foi publicada pelo blog Extreme Aggression uma interessante entrevista com o vocalista Drake Chrisdensen e o baterista/tecladista Ícaro Ravelo, onde pontos como as origens, peculiaridades e influências do conjunto foram abordados.

Confira alguns trechos:

“METAL AGGRESSION: Como surgiu a banda, e qual a vertente? Há quanto tempo estão na estrada?

DRAKE: Primeiramente, obrigado pela oportunidade de conceder essa entrevista!

Bom, o conceito da RUINS OF ELYSIUM, que é de uma banda de Metal extremamente épico cantado apenas por uma voz operística de tenor, era algo que eu tinha comigo a muito tempo. Depois de muito planejamento, apresentamos a banda em 2013 e lançamos nosso primeiro EP em 2014, que foi super bem recebido.



“METAL AGGRESSION: O que foi mais difícil que tiveram que enfrentar com a banda?

DRAKE: O meio é bem cruel para artistas independentes. Principalmente no Metal. PRINCIPALMENTE em um estilo de nicho como o Symphonic Metal. Eu acho que um dos problemas é a resistência do público em conhecer coisas novas. Muita banda excelente acaba tendo quase nenhuma visualização enquanto a galera ouve sempre as mesmas 5 bandas. Depois reclamam que o estilo está morrendo. Não está, está bem vivo, vocês é que não dão o devido valor a ele.



“METAL AGGRESSION: Quais as influências da banda? Videogames, trilhas sonoras, desenhos...

DRAKE: Eu sou apaixonado por videogames, então trazer essa paixão para uma banda em que eu sou o vocal e compositor foi algo natural. Séries como Bayonetta, Dragon Quest, Final Fantasy e The Legend of Zelda já inspiraram algumas de nossas canções, sejam na temática ou nas suas épicas trilhas sonoras. A sinfonia ‘Seeds of Chaos and Serenity’, que dá nome ao nosso próximo álbum, é toda baseada em Sailor Moon. Além disso, causas sociais como combate ao machismo e à homofobia são também muito abordadas pela Ruins of Elysium.”

Para ler na íntegra essa interessante bate-papo, basta acessar o link abaixo:


O RUINS OF ELYSIUM executa um diferenciado Symphonic Metal cantado em tenor, e cujas letras se direcionam a todos aqueles que se sentem oprimidos de alguma forma, para que se sintam representados, sejam minorias raciais, LGBT, mulheres ou outros. A formação é de nacionalidade mista, já que membros europeus também deixam suas contribuições de modo integral.

Vale lembrar também sobre a campanha de crowdfunding que a RUINS OF ELYSIUM está realizando para arrecadar fundos para o lançamento físico do EP “Daphne” com faixas bônus e principalmente para materializar o álbum de estreia, que se chamará “Seeds of Chaos and Serenity”

Contribua através do link:


Links relacionados:


Fonte: Roadie Metal

ROCK FREEDAY: rádio lança App para dispositivos móveis


A rádio Rock Freeday começa o ano de 2017 com muitas novidades. A primeira delas é que agora você pode ouvir a Rádio Rock Freeday no seu smartphone ou tablet. Através dele, você também pode conferir o nosso site e ficar por dentro de tudo que rola na rádio, mandar recados, e acessar as páginas da Rádio nas redes sociais.

Acesse: https://play.google.com/store e digite: Rock Freeday, baixe o aplicativo da rádio que só toca Heavy/Rock. Ouça a Rádio Rock Freeday no seu smartphone onde você estiver!

Mais informações:

Fonte: TRM Press

GERMÁN PASCUAL: divulgado lyric video de “Ka Ching!”


O vocalista Germán Pascual acaba de divulgar o seu mais novo lyric vídeo para um cover de “Ka Ching!”, música de autoria de Shanya Twain, uma grande influência do cantor. O vídeo foi feito por Rafael Tavares e o cover foi gravado e produzido por Michael Oliveira, um dos melhores amigos de Germán. Mais informações sobre o novo trabalho solo do cantor serão divulgadas em breve, assim como de outros projetos.

Confira o lyric vídeo de “Ka Ching!”: 



Fonte: TRM Press

PAPA ROACH: veja como foi passagem da banda pelo Brasil



O grupo norte-americano de new metal PAPA ROACH passou pelo Brasil para duas apresentações (Porto Alegre e São Paulo) em dezembro de 2016. Divulgando o álbum F.E.A.R., o quarteto presenteou tanto fãs old school quanto da fase mais atual, em um setlist bastante variado, emplacando clássicos da banda desde sua origem em 1993.

Mostrando-se um grupo que passa longe de cair em uma rotina mecânica de trabalho, interagem com o público o tempo inteiro, recebem presentes, retribuem com autógrafos e palhetas. Aliás, segundo rumores, o mesmo comportamento se repete fora dos palcos. Aos fãs do estilo, é um show que vale o ingresso e traz grandes chances de voltar para casa tremendamente satisfeito.

Veja no vídeo a cobertura feita pelo Heavy Talk do show na capital gaúcha: 


Mais informações: