24 de out de 2013

Perc3ption - Reason and Faith (CD)

MS Metal Records - Nacional
Nota 9,0/10

Por Marcos Garcia

E eis que mais uma ótima banda de Power/Prog Metal surge no Brasil!

Fazendo uma sonoridade forte e elegante, mas sem ser piegas e tendo bastante personalidade, o PERC3PTION finalmente nos brinda com seu ótimo primeiro álbum, "Reason and Faith", via MS Metal Records.

Diferentesmente em muitas bandas gringas do estilo que andaram por aí um tempo (e que a grande maioria já sumiu de vez), você sente a paixão e vontade de se fazer este tipo de Metal, comprometidos com uma sonoridade que soe pesada e trabalhada sempre, com ótimos vocais, guitarras com riffs pesados e trabalhados na medida certa, ótimos teclados, e que cozinha rítmica perfeita no peso e na técnica. E isso tudo soando coeso e bem cheio de vida e energia, apesar do gênero ter sido desgastado pela enxurrada de uns anos atrás.

Ao ver o nome de quem cuidou da produção, não de se espantar essa sonoridade que mixa bem peso e melodia, sem deixar de abrilhantar os instrumentos: Edu Falaschi foi quem cuidou da produção, tendo Brendan Duffey e Adriano Daga como co-produtores, logo, preparem os ouvidos para algo de MUITA qualidade.

A arte é belíssima, um trabalho sublime de Wellington Consoli da After Design, que fez questão de colocar cada página do encarte com gravuras representando cada letra.

Quando o CD começa a tocar, a beleza de um trabalho bem feito e homogêneo invade nossos ouvidos, algo mágico e que preenche o coração com alegria, sendo que as músicas são bem longas (a menor delas tem mais de cinco minutos), então, a viagem é certa, mas em momento algum o disco é cansativo.

Destaques no disco: "Trust Yourself" (com aquela velocidade característica do Power melódico, destacando demais a bateria extremamente pesada e técnica na condução dos andamentos), a linda "Surrender" (com um andamento moderado muito bem acompanhado de ótimos teclados e excelentes vocalizações), a empolgante e pesada "Dead Man in Me" (vejam bem que ótimos riffs e solo), "Feeding on Living Blood" (bem trabalhada e com boas mudanças de andamento, tão justinhas que é embalado por elas), a pesada e um levemente abrasiva "Illuminati", e a linda "Suspension of Disbelief" (bem trabalhada e novamente com ótimas conduções na bateria e teclados bem ambientados).

Um discão muito bem feito, e se no primeiro estão nesse nível, no próximo, a casa vai cair!





Tracklist:

01. Trust Yourself
02. Nonexistence
03. Surrender
04. Dead Man in Me
05. Feeding On Living Blood
06. Illuminati  
07. Master of Illusions
08. Suspension of Disbelief
09. Beyond the End of Life

Formação:

Luiz Fernando Poleto - Vocais 
Rick Leite - Guitarras 
Glauco Barros - Guitarras 
Wellington Consoli - Baixo
Peferson Mendes - Bateria


Contatos:

Conquistadores - À Beira da Loucura (CD)

Eternal Hatred Recods - Nacional
Nota 8,0/10

Por Marcos Garcia

Com o revival do Metal "old school" dos últimos anos, muitas bandas que buscam seguir esta linha fracassam miseravelmente em plays muitas vezes chatos e vazios, pois as bandas preferem ficar tão à sombra dos mitos do passado que carecem de personalidade, sempre soando demais como outras que já existiram ou ainda existem. Mas há exceções, algumas delas realmente muito boas, como o quinteto de Metal oitentista CONQUISTADORES, de Osasco (SP), que chega com seu primeiro CD, "À Beira da Loucura", via Eternal Hatred Records.

Antes de tudo, que fique bem claro: a banda faz aquele Heavy Metal tradicional oitentista nos moldes brasileiros, ou seja, o grupo resgata aquela sonoridade característica das bandas mais seminais de nossa história, como OVERDOSE, VODU, METALMORPHOSE e outras que, mesmo com influência do Metal Tradicional bretão, ainda mostrava a nossa latinidade. Bons vocais (que lembram um pouco um misto de Otávio, do TAURUS, como Bozó do OVERDOSE. Podem dar uma melhorada, mas que estão em um nível bom aqui), ótimas guitarras com riffs e solos muito bem feitos, base rítmica bem pesada e com boa técnica (o baixo faz alguns dedilhados ótimos em algumas faixas), e backing vocals bem encaixado em corais fortes. O trabalho do grupo não é exagerado na velocidade ou na técnica, mas é mais focado na unicidade, na força do conjunto, o que o torna ainda mais atraente.

Produzido por Ciero e gravado no estúdio DaTribo, como citado antes, o trabalho do quinteto ganha justamente por se preocupar mais em ser sólido, então, a produção focou nesse aspecto. Ela poderia ser um pouquinho melhor, pois apesar do som não soar preso ou embolado (pelo contrário, os instrumentos estão audíveis separadamente), tem uma forte carga old school. Sabemos que a proposta do grupo é ser o mais raiz possível, mais uma gravação um pouco mais moderna os faria soar ainda melhores do que estão no CD, sem descaracteriza-los de forma alguma.

Em termos de arte, vemos que eles optaram por algo mais sóbrio, mais simples, mas colheram bons frutos com esta apresentação quase toda em tons de marrom, amarelo e branco.

Musicalmente, o grupo faz um trabalho muito legal e digno de nota, e acima de tudo, honesto com eles mesmos e com os ouvintes.

Os destaques são a ótima "Poder e Glória" (que se inicia com um belo dedilhado do baixo, antes de ganhar peso e um andamento cadenciado, com ênfase na dupla de guitarras, que faz ótimos riffs), a mais empolgante "À Beira da Loucura" (reparem na força e técnica da base rítmica), a pesadíssima "Lutar e Conquistar" (um bom trabalho dos vocais, diga-se de passagem, mais as guitarras, que abusam das boas bases), e as rápidas "Com Sangue se Paga" e "Marcha Metal".

O grupo é uma boa revelação, e sabendo fundir sua garra e peso com uma gravação um pouco mais moderna, eles chegarão longe e conquistarão muitos fãs.


Tracklist:

01. Morte aos Falsos
02. Poder e Glória
03. À Beira da Loucura
04. Putanas
05. Lutar e Conquistar
06. Com Sangue se Paga
07. Guerreiros do Metal
08. Marcha Metal
09. Inimigo da Noite


Formação:

Alan Bianco - Vocais
Laerte Dutra - Guitarras
Leandro Magalhães - Guitarras
Cláudio Magalhães - Baixo
Edvaldo Rodrigues - Bateria


Contatos:

Muqueta na Oreia - Blatta (CD)

Alternative Music - Nacional
Nota 8,0/10

Por Marcos Garcia

Bem, há casos em que realmente o nome de uma banda expressa a que ela vem, seja musicalmente, liricamente, ou mesmo em ambos os aspectos, e o MUQUETA NA OREIA é realmente uma verdadeira pedrada no ouvidos, e com "Blatta", o CD que acaba de sair pela Alternative Music.

Vindos de Embu das Artes (SP), este quarteto extremamente intenso e exalando uma mistura furiosa de Thrash/Crossover com toques de Groove e HC disposta a deixar todos os não acostumados surdos, ou no mínimo, com os ouvidos dando sinal de ocupado por horas e horas a fio.

Vocais urrados, riffs velozes e bem trabalhados, baixo e bateria que embora tenha técnica, buscam ser coesos e pesados, e o produto final é uma música autêntica, abrasiva (já que o grupo não busca velocidades exageradas) e com letras irônicas com conteúdo ácido e alguns palavrões ocasionais obrigatórios, de deixar em qualquer mauricinho adepto de uma vida mainstream sem compromisso com a realidade tosca que nos rodeia com medo de sair de casa, então, tenha certeza: esse quarteto vai conquistar muitos ouvintes.

"Blatta" foi gravado, produzido, mixado e masterizado no estúdio Muqueta Records, e mesmo nos faltando algumas informações, tudo leva a crer que foi na base do "do It yourself", com o próprio quarteto segurando as rédeas da coisa, e assim, a gravação ficou um pouco mais bruta que o necessário, com aquela impressão de um pouco de "fumaça" quando ouvimos as músicas, mas não se preocupem: conseguimos ouvir claramente os instrumentos sem grandes problemas. Poderia ser melhor, mas não está ruim.

A arte, bem, a capa incomodará muitas moças (e alguns sujeitos) logo de cara, mas é bem feita, e quando abre e vê a imagem como um todo... É melhor deixar por conta de vocês mesmos...

Musicalmente, se preparem para uma chuva de pancadaria!

O CD se nivela por cima, com bom nível de composições, tendo como muquetadas de destaque a ótima "Paranóia" (com um andamento mais mediano, e riffs até bem simples, mas muito eficientes), "Hardware, Software e Tupperware" (a letra é muito legal, e a música um hino bem ganchudo), a quase Thrash "Imortal" (que tem uns toques intensos que remetem ao HC de bandas como HATEBREED, fora uma letra insana), á ótima e de andamento ganchudo "Exu Caveira", a pogo-obrigatório de "Primogênito de uma Meretriz", e a ótima "Opalão" (com vocais muito bons). Fora isso, ainda temos o bônus com o vídeo de "Muqueta News", muito bom e bem a cara desse quarteto que usa e abusa da ironia para atirar pedradas contra o "estabilishment".

E para quem sofre de medo de baratas, basta acessar o site deles, pois tem um joguinho muito legal (de matar baratas, pois blatta é uma espécie desse bichinho que deixa muitas pessoas subindo em cadeiras na cozinha de desespero).

E acreditem, eles vão longe, pois o trabalho é muito bom e, antes de tudo, honesto.


Tracklist:

01. Signifer Lux (intro)
02. Nova Era
03. Paranóia
04. Hardware, Software e Tupperware
05. Cabeça Vazia
06. Imortal
07. Exu Caveira
08. Excesso e Abundância
09. Meretrix (intro)
10. Primogênito de uma Meretriz
11. Obsesso
12. Opalão
13. Xamã
14. Muqueta News (bônus)
15. Melô do Repolho (bônus)
16. Vídeoclipe do Muqueta News 


Formação:

Ramires – Vocal, percursão
Bruno Zito – Guitarras
Cris – Baixo, backing vocals
Henry – Bateria


Contatos:

Desecrated Sphere - Emancipate (CD)

Eternal Hatred Records - Nacional
Nota 9,0/10

Por Marcos Garcia

Holocausto em forma de música chegando!

Esta é a melhor definição para aquilo que o quinteto DESECRATED SPHERE, de Mogi-Mirim (SP) faz, mas trocando em palavras, a banda faz um Death Metal brutal e bem trabalhado (podemos inclusive dizer que é uma ótima banda de Technodeath Metal), seguindo uma escola bem CANNIBAL CORPSE, só que com mais técnica e alguns toques mais melodiosos à lá DISMEMBER.

É uma avalanche de vocais urrados entremeado por berros agudos, riffs de guitarra bem extremados, baixo bem trabalhado (lembra bastante o estilo de Alex Webster em muitos pontos), e uma bateria pesada e com boa técnica. Tudo isso unido é de fazer os ouvidos alheios caírem no chão.

Gravado no estúdio Área Livre, com produção de Tomaz Ribeiro, com masterização e mixagem de Andy Classen no Stage One Studio, o trabalho soa extremamente abrasivo e pesado, mas com cada instrumento aparecendo na devida medida, sem se embolarem, além de dar uma bela caprichada em cada um. Quem conhece os trabalhos de Andy, sabe do que ele é capaz.

A arte do CD é de uma beleza enorme, deixando evidente que o grupo transmite em suas letras, e realmente, nesse aspecto, ele realmente mostram que o velho esquema de "sangue-tripas-capetas-filmes-de-horror" não é com eles, com letras mais encorpadas. Vale a pena a lida (que deixo ao caro leitor o prazer da descoberta).

Musicalmente, é melhor se prepararem, pois a saraivada de chumbo quente em forma de música é do início ao fim, se distribuindo em um CD bem homogêneo em termos de composição.

Destaques em "Transcending Materialism" (que apesar da brutalidade, mostra boa técnica em riffs intensos que beiram o Thrash em certos momentos), a pesada e agressiva "Departure from Flesh" (que oscila entre momentos rápidos e outros mais cadenciados, com destaque para o baixo, que faz arranjos muito bons, quase jazzísticos em certos momentos), a fenomenal "Immeasurable Universes", "Urztand" (definitivamente, a técnica desses caras é um abuso de tão boa, e reparem na bateria insana), a pedrada na cara de "Leaders of Babylon" (tem umas mudanças de andamento muito boas, além de urros extremante bem colocados e alguns arranjos bem intrincados), e a instrumental "Eça", que em seu espaço no encarte trás um insert da carta dos Kaiowá-Guarani ao Governo do nosso país. Por conta da consciência do Metal Samsara, disponibilizamos o link onde poderão ler e compreender o conteúdo aquiÉ de encher os olhos de lágrimas...

Um belo CD, mas pelo visto, eles ainda podem extrair mais de si mesmos, e esperamos que o grupo volte logo com novidades. Mas mantenham sempre as ótimas letras.

Ótimo CD, portanto, arrumem logo suas cópias!

Em tempo: o guitarrista Rubens Fraleone não faz mais parte do grupo.




Tracklist:

01. Reconnective
02. Transcending Materialism
03. Departure from Flesh
04. Immeasurable Universes
05. Linking Opposites (Demystifying Ormuzd and Ahriman)
06. Humanufactory
07. Urzustand
08. Source of Disassociation
09. (Re)Wake  
10. Leaders of Babylon
11. Eçá


Formação:

Renato Sgarbi - Vocais
Gustavo Lozano - Guitarras, Viola
Rubens Fraleone - Guitarras, violão
José "Motor" Mantovani - Baixo, baixo fretless, contrabaixo acústico
Saulo Benedetti - Bateria, percussão


Contatos:

Arandu Arakuaa - Kó Yby Oré (CD)

MS Metal Records - Nacional
Nota 10/10

Por Marcos Garcia


É comum ver grande parte das pessoas em nosso país bradando aos 4 ventos a falta de uma busca pela nosso cultura, metendo o dedo na cara de muitos (inclusive de Headbangers), chamando-nos de "alienados" e "sem cultura". Mas a estas pessoas, que se dizem pensadores, questionamos: o que os senhores realmente conhecem de nosso país, de sua cultura?

Sim, pois não é aceitável pessoas com o pensamento tão undimensional criticando aquilo que não compreendem, e que nem ao menos buscam conhecer, sendo que o Metal é de onde tem vindo várias manifestações de resgate cultural, não visto em outros. E a prova na cara é o excelente "Kó Yby Oré", primeiro álbum do fantástico quarteto brasiliense ARANDU ARAKUAA.

Rotular  o som da banda é algo quase impossível (ainda bem! Os adeptos de rótulos que se mordam), pois vemos um grupo extremamente Avant-garde, e nada do que vocês ouviram antes se compara a experiência de ouví-los. É uma mistura de Metal com temáticas indígenas, mais fortes doses de várias formas de nossa música regional, logo, é preciso muito desprendimento de convicções vazias para entender o excelente trabalho da banda, e apreciá-lo como merece. Mescla de vocais limpos femininos e masculinos, alguns vocais rasgados, backing vocals tribais, guitarra com riffs pesados e insanos, vez por outra dando espaço a violas e acordes limpos, baixo sempre extremamente técnico, valendo o mesmo para uma bateria bem diversificada, isso sem contar a inclusão de teclados climáticos, maracás e viola caipira. Chamar de Folk Metal brasileiro, como tentam por aí, seria reduzir demais o trabalho deles. Isso sem falar as letras em Tupi, língua de nossos ancestrais indígenas, já que ainda levam um toque de Progressivo em certos momentos. Original até a alma.

Gravado no Broadband Studio, com produção de Caio Duarte, a sonoridade que podemos ouvir é de muito bom nível. Ela poderia ser melhor, mas o nível está altamente satisfatório, com cada instrumento extremamente audível e na medida certa, com peso e brilho próprios, sem estarem se embolando. E digamos de passagem que Caio deve ter tido um trabalho enorme!

A arte, muito bonita, está plenamente antenada com o som do grupo, valorizando o índio brasileiro e sua cultura, e com as letras no encarte, sendo mais um ponto positivo, pois o trabalho de Leandro Lestat é muito acima da média.

O quarteto realmente caprichou no nível das composições, o que o leva a ser bem homogêneo, com cada música sendo um ótimo trabalho e um enigma a ser decifrado. 

Pontos altos: a enigmática e intensa "T-atá îasy-pe" (uma música com tempos quebrados e ótimos riffs de guitarra, que começa forte e intensa, para ficar mais climática ao final, com destaque para os vocais femininos), a elegante e pesada "Aruanãs", "Kunhãmuku’i" (reparem no baixo se destacando em seus momentos mais etéreos), a mezzo peso e mezzo regional "O-îeruré" (a cozinha mostra um trabalho divino, especialmente nos momentos mais limpos), "Tupinambá" (uma autêntica viagem "heavissíva", com peso e rispidez se combinando com ritmos indígenas. Maravilhosa), a bela e melodiosa "îakaré ‘y-pe", a tribal e pesada "Kaapora", e "Gûyrá" (outra faixa bem trabalhada e com boas variações rítmicas).

Novamente, dizemos que o trabalho do grupo não é trivial ou "mais do mesmo", mas bem complexo e desafiador. Aos que tiverem coragem, paciência e mente aberta, bem vindo, pois encontraram uma ótima banda.


Tracklist:

01. T-atá îasy-pe
02. Aruanãs
03. Kunhãmuku’i
04. A-kaî T-atá
05. O-îeruré
06. Tykyra
07. Tupinambá
08. îakaré ‘y-pe
09. Auê!
10. A-î-Kuab R-asy
11. Kaapora
12. Gûyrá
13. Moxy Pee Supé Anhangá


Formação:


Nájila Cristina - Vocais, maracá
Zândhio Aquino -  Guitarras, violão, viola caipira, vocais tribais, teclados, maracá, apito
Saulo Lucena - Baixo, backing vocals, maracá
Adriano Ferreira - Bateria, percussão, maracá


Contatos:

aranduarakuaa@gmail.com

Bad Religion no Rio de Janeiro - Informações sobre ingressos




A produtora Free Pass Entretenimento informa que os ingressos para o BAD RELIGION no Rio de Janeiro começam a ser vendidos a partir do dia 24 de Outubro (quinta-feira). 

A turnê passará pelas seguintes cidades: 

Rio de Janeiro: 05 de Fevereiro, Quarta-feira, 21:30hs no Circo Voador 
Santos: 07 de Fevereiro, Sexta-feira, a partir das 20h, na Capital Disco 
São Paulo: 08 de Fevereiro, Sábado, 22h, no HSBC Brasil 
Curitiba: 09 de Fevereiro, Domingo, 21h, no Master Hall 

Com 16 álbuns de estúdio lançados em sua carreira, o BAD RELIGION é a banda punk que mais vendeu discos na história. Seu mais recente álbum “True North” foi lançado em 22 de Janeiro de 2013 e teve ampla aprovação dos fãs e toda a crítica internacional. 

SERVIÇO 
RIO DE JANEIRO – RJ 

Data: 05 de Fevereiro de 2014, Quarta-feira 
Horário: Portas – 20:00hs / SHOW – 21:30hs 
Local: Circo Voador 
Endereço: Rua dos Arcos, sem Nº – Lapa, Rio de Janeiro (RJ). 
Tel.: (21) 2533-0354 – Ramal: 211 
Classificação etária: 18 anos (12 a 17 anos: entrada permitida somente acompanhado de um 
responsável legal, mediante apresentação de documento para comprovação) 
Capacidade: 2200 pessoas 

Informações e compra de ingressos: 

Preços 
Ingressos Antecipados: 

R$ 90,00 (meia-entrada/promocional) 
R$ 180,00 (inteira) 

Ingressos no dia: 
R$ 100,00 (meia entrada/promocional) 
R$ 200,00 (inteira) 

Meia-entrada válida somente para menores de 21 anos, estudantes, idosos, 
Assinantes “O Globo”, e professores da rede estadual de ensino, ou mediante 
doação de 1kg de alimento não-perecível na entrada do evento. 

Vendas
Os ingressos estarão à venda a partir do dia 24 de Outubro. 
Online (com taxa de conveniência): http://www.ingresso.com

Pontos de venda (apenas em dinheiro, sem taxa de conveniência):

Bilheterias do Circo Voador
- Ter/qui: 12h às 19h
- Sex: 12h às 24h
- Sáb: 14h às 24h

Postos BR
-Horário: de acordo com o funcionamento de cada posto
- Mirili (Av. das Américas, 3757 - Barra)
- Piraquê (Av. Borges de Medeiros, s/n - Lagoa)

*A produção do evento NÃO se responsabiliza por ingressos comprados fora 
do site e pontos de venda oficiais.
*Será expressamente proibido a entrada com câmeras fotográficas 
profissionais, câmeras semi-profissionais e filmadoras de qualquer tipo.



The Grief: em dezembro em Santa Gertrudes




A banda equatoriana THE GRIEF se apresentará dia 07 de dezembro na cidade de Santa Gertrudes, no interior paulista. O evento contará com diversas bandas do cenário nacional como Vetor, Metheora, Head Bones (Misfits cover), Poseidon, Maldditu e Last Horizon e GrooveDeath. 

O evento será realizado na casa de shows Revolution Pub com abertura do estabelecimento às 18 horas e a primeira atração se apresentará no horário das 19:00.


Os ingressos promocionais limitados no valor unitário de R$ 12,00 podem ser adquiridos através do site http://www.rivendellradio.net e podem ser comprados utilizando-se diversas bandeiras de cartões de crédito, boleto bancário e ou solicitando via e-mail: rivendellradio@live.com o código para pagamento via casas lotéricas de todo Brasil.

Após os ingressos limitados promocionais estarem esgotados, as faixas de valores serão R$ 15,00 para homens e R$ 12,00 para mulheres e na portaria do evento o valor unitário de R$ 20,00.

A direção do evento recomenda chegar com boa antecedência ao local do evento, todas as demais informações como localização, links para compra de ingressos e informações sobre as atrações podem ser obtidas acessando http://www.rivendellradio.net

O evento terá stands com produtos diversos das bandas participantes do evento.

Confira abaixo as informações oficiais do serviço.


The Grief - 07.12.13 - Revolution Pub - Santa Gertrudes - SP

Atrações/Bandas: The Grief, Head Bones, Vetor, GrooveDeath, Metheora, Last Horizon, Maldditu, Poseidon
Data do evento: 07.12.13
Início: Abertura da casa às 18 horas e inicio das atrações: 19 horas
Local do evento: Revolution Pub
Endereço: Rua 1, Nº 619 (Esquina com avenida 3) - Centro - Santa Gertrudes - SP.

Ingressos/valores
Limitado: R$ 12,00 (Homem/Mulher)
Segundo lote: R$ 15,00 (Homem) - R$ 12,00 (Mulher)
Portaria: R$ 20,00 (Homem/Mulher)

Postos de vendas

Aceitamos cartões de crédito, pagamento via boleto bancário e pedido via e-mail com pagamento em casa lotérica.
vendas via e-mail/casa lotérica: rivendellradio@live.com

Realização/informações
Rivendell Radio Press


Serviço/informações adicionais

A banda equatoriana estará em turnê pelo solo brasileiro em sua primeira passagem pelo Brasil, acessem o site http://www.rivendellradio.net e prestigiem, mais informações sobre ingressos, postos de vendas e as demais atrações podem ser conferidas através do link: http://rivendellradiofest.blogspot.com.br/p/santa-gertrudes.html

O evento contará com stand de vendas de produtos da Neves Records e das bandas participantes do evento.

Links relacionados

Rivendell Radio Press - contato para shows/entrevistas/merchandise: rivendellradio@live.com

Genocídio: assista o vídeo de "Kill Brazil"




O GENOCÍDIO disponibilizou o videoclipe da música "Kill Brazil", que fará parte do novo álbum "In Love with Hatred". O vídeo foi feito pela "Into Chaos" e dirigido pelo guitarrista Rafael Orsi. 

Assista:


"Kill Brazil" é uma ácida e contundente crítica à cultura da corrupção impregnada no Brasil, com cortes secos e imagens fortes que retratam o período de incerteza que atravessa o país. Uma demonstração de que o GENOCÍDIO está atento à realidade e clamando por mudanças profundas.


“In Love With Hatred” saíra em CD dia 25 de novembro, através da Urubuz Records e nas mídias digitais via Wikimetal Music em 2 de dezembro.


Sites relacionados: 

The Grief - 07.12.13 - Revolution Pub - Santa Gertrudes - SP





Atrações/Bandas: The Grief, Head Bones, Vetor, GrooveDeath, Metheora, Last Horizon, Maldditu, Poseidon
Data do evento: 07.12.13
Início: Abertura da casa às 18 horas e inicio das atrações: 19 horas
Local do evento: Revolution Pub
Endereço: Rua 1, Nº 619 (Esquina com avenida 3) - Centro - Santa Gertrudes - SP.

Ingressos/valores
Limitado: R$ 12,00 (Homem/Mulher)
Segundo lote: R$ 15,00 (Homem) - R$ 12,00 (Mulher)
Portaria: R$ 20,00 (Homem/Mulher)

Postos de vendas

Aceitamos cartões de crédito, pagamento via boleto bancário e pedido via e-mail com pagamento em casa lotérica.
vendas via e-mail/casa lotérica: rivendellradio@live.com

Realização/informações
Rivendell Radio Press

Serviço/informações adicionais

A banda equatoriana estará em turnê pelo solo brasileiro em sua primeira passagem pelo Brasil, acessem o site http://www.rivendellradio.net e prestigiem, mais informações sobre ingressos, postos de vendas e as demais atrações podem ser conferidas através do link: http://rivendellradiofest.blogspot.com.br/p/santa-gertrudes.html

O evento contará com stand de vendas de produtos da Neves Records e das bandas participantes do evento.

Links relacionados

Rivendell Radio Press - contato para shows/entrevistas/merchandise: 



Ação Direta: show sábado no SESC e confirmação em importantes festivais




O quarteto, que se apresenta sábado no SESC Santo André,também  foi  confirmado em 03 grandes festivais.

A banda tem motivos de sobra para comemorar; Sábado sobem no palco do SESC Santo André para mostrar músicas de toda a carreira, e deu seu álbum mais recente, “World Freak Show”.

Além disso, o grupo foi confirmado em 3 grandes festivais, como, “Festival Quebramar”, em Amapá/AP (dia 30/11, com nomes como Krisiun, Madame Saatan, Devotos, entre outros), “Goiânia Noise Festival”, em Goiânia/GO (dia 07/12, com The Exploited, Mixhell, entre outros) e com o The Exploited em São Paulo/SP (dia 08/12, na Via Marquês, que além do The Exploited, tocam as bandas, Oitão e Zumbis do Espaço). Em breve divulgaremos mais informações sobre esses shows.

Veja o videoclipe de “Desconstrução”:



Serviço do show do SESC Santo André

“Projeto Estúdio 7 Cidades apresenta”:
Ação Direta – fazendo show especial de 25 anos


Dia 26/10 – Sábado
Horário: 20h
Local: SESC Santo André/SP
Endereço: Rua Tamarutaca, 302, Vila Guiomar – Santo André – SP
Tel: (0xx11) 4469-1200
Twitter & Facebook: /sescsantoandre
Ingressos a preços populares R$ 10,00 ( Interia)  R$ 5,00 (Meia entrada) e R$ 2,00 ( Comerciários)
Ingressos à venda na rede: INGRESSOSESC