15 de nov de 2012

Germ - Loss (EP)



Eisenwald Records - Importado
Nota 9,5

Por Marcos Garcia

Cada vez mais as bandas mais recentes estão tornando o trabalho de nós, os críticos, mais difícil, devido à vasta gama de influências que elas possuem, jogam tudo em um misturador, e pronto: temos algo diferente surgindo, difícil de ser rotulado, ainda bem para os fãs de boa música, mas algo devastadoramente assustador para aqueles que se prendem a rótulos.

O GERM, que vem da Austrália, é uma dessas bandas que se recusam a estarem presas a definições, já que usa e abusa de estilos músicas aparentemente incompatíveis nesse disco, 'Loss', cujo nome é o oposto do que ele significa, pois é um verdadeiro achado daqueles garimpeiros esforçados, pois é uma jóia rara.

O máximo que podemos atribuir à banda em termos de classificação é Avant-gard Metal, e já é algo que exige paciência, pois nem mesmo nele o trabalho poderia ser enquadrado, pois os vocais ora são normais, ora mais rasgados de uma forma inédita (e bom em ambos os extremos), riffs de guitarra ótimos (embora um tanto quanto escondidos pelos teclados), violões bem postados aqui e ali, baixo e bateria presentes e formando uma base sólida para as viagens dos arranjos de teclados, bem como o uso de efeitos sonoros que se encaixam perfeitamente. E tudo isso emerge em uma música enigmática, ora agressiva e forte, ora mais soturna e melancólica, e ora indecifrável. Contentemo-nos em apenas ouvir e gostar.

A produção sonora ficou legal, mas poderia ser melhor, pois é uma pena que as guitarras sumam vez por outra sob a cama de teclados, pois o resultado, que já é ótimo, poderia ser ainda melhor. Mas não se enganem, pois a banda não perde nada de sua música pulsante e viva por este motivo.

E que música, pois o nível é bem alto, capaz de satisfazer até o mais exigente ouvinte, pois o trabalho soa fresco e vivo o tempo todo, com bem pouca referência ao que já foi feito (já que Tim, único membro da banda, é um autêntico onívoro musicalmente falando), pois cada uma das seis faixas de 'Loss' é um autêntico tesouro, bem feita e com tudo muito bem encaixado, especialmente em 'So Lonely, Dead Lonely', melancólica e bela, sem deixar de ter peso e elegância, com ótimos vocais rasgados e riffs intensos; a soturna e bem trabalhada 'Only When Every Timepiece in the World is Smashed Part I', bem como sua outra parte, 'Only When Every Timepiece in the World is Smashed Part II', que é focada mais no violão e voz; e a magistral 'Cold Grey Dawn (A New Beginning)', muito empolgante e soturna, transpirando emoção em cada momento.

É um disco ótimo, e que merecia uma versão nacional, bem como esperamos coisas novas da banda.


So Lonely, Dead Lonely



Tracklist:

1. My Only Hope 
2. So Lonely, Dead Lonely
3. Only When Every Timepiece in the World is Smashed Part I 
4. Only When Every Timepiece in the World is Smashed Part II
5. Cold Grey Dawn (A New Beginning) 
6. Loss

Formação:

Tim - Todos os instrumentos


Contatos:


Plector - Punishment Day (CD)


Discouraged Records Importado
Nota 9

Por Marcos Garcia

Bem, sejamos francos: a mistura Death + Thrash Metal já quase que foi usada até a exaustão dos ouvidos alheios. MAS (vejam que está bem claro o 'mas') ainda existem bandas que cismam de trilhar este caminho e de nos surpreender de forma bem positiva, como é este excelente power trio sueco, o PLECTOR, que acaba de soltar este belíssimo petardo, 'Punishment Day'.

Vocais guturais insanos, riffs pesadíssimos e solos técnicos bem empolgantes, baixo firme e seguro na marcação, e uma bateria que esbanja técnica e peso, mas apesar de serem bons músicos, eles preferem soar compactos como uma muralha de decibéis arrasadora.

Gravado nos Toontrack Studios, tendo a assistência de Ronnie Björnström (ZONARIA, APOSTASY, LIVE ELEPHANT, FERAL e outros) que mixou e masterizou o CD nos Garageland Studios. Ou seja, a banda tem o respaldo de uma produção sonora que conferiu peso e intensidade, e limpeza sem tirar a característica brutal e empolgante de sua música. E isso é um ponto muito positivo.

Quando o disco começar a tocar, é bom que aqueles vizinhos chatos que ouvem funk ou axé, bem como aqueles caras que ouvem música de igreja em alto volume, saírem  de casa, porque a energia sonora desse trio é de fissionar átomos pesados sem esforço algum. Embora o CD se nivele por cima, não se pode deixar de destacar a ótima e empolgante 'Overthrown', uma pedrada pesada e bem conduzida por riffs intensos e empolgantes, sendo que 'Insularity' segue a mesma linha, com ótimo trabalho de bateria, com ótima conduções e bumbos; a arrasadora de pescoços 'No Reward', com uma levada mais cadenciada e muito empolgante, onde a zaga rítmica baixo-bateria se destaca bastante; a lentona e intrincada (embora existam alguns momentos mais rápidos) 'Dishonesty', onde os vocais esbanjam categoria e a bateria mostra enorme poder de fogo; a veloz e grooveada 'Postal', que deverá causar muito stage dive e headbangin' nos shows; 'The Ending', que começa mais lenta, mas logo vira um cataclisma de velocidade (exceto no refrão, onde a velocidade torna a diminuir) e riffs ganchudos e intensos; e  trabalhada e bastante variada nos andamentos 'Devotion'.

Ótima banda, ótimo CD e que merece destaque, pois sua música é grandiosa.


Tracklist:

01. Overthrown
02. Insularity
03. No Reward
04. Dishonesty
05. To Be Punished
06. Postal
07. Take The Hit
08. The Ending
09. Devotion


Formação:

Erik Engbo - Guitarras e vocais
Patrik Wall - Baixo, backing vocals
Vilhelm Norberg - Bateria



Contatos:

https://www.facebook.com/plectorofficial
http://www.youtube.com/user/erykwylde/

Painside: Mark Lewis mixando novo Single



O quinteto carioca PAINSIDE se prepara para apresentar seu mais novo trabalho: 'Build Your Fiction', um mini álbum de três música, incluindo 'Break the Hive', 'Reject the Silence' e 'A Caustic Romance'.

O novo trabalho foi mixado pelo renomado produtor Mark Lewis (TRIVIUM, ALL THAT REMAINS, DEVILDRIVER, GOD FORBID, UNEARTH, THE BLACK DAHLIA MURDER, WHITECHAPEL) do Audiohammer Studios em Sanford, Flórida.

Todas as músicas foram gravadas no estúdio Locomotiva, no Rio de janeiro, tendo Sidney Sohn Junior (SACRIFICE, MALDITA, TRIBUZY, INQUISIÇÃO, ANDRALLS) como engenheiro de som.

A banda liberou um vídeo teaser 'Build Your Fiction', que pode ser acessado no Youtube. 


O trabalho de estúdio anterior, 'Dark World Burden', foi lançado mundialmente em 2010 pela Inner Wound Recordings. O álbum conta com a participação de Chris Bolthendal (GRAVE DIGGER), Renato Tribuzy , Eduardo Fernandez (TRIBUZY) e Gus Monsanto (SYMBOLICA, ex-ADAGIO, ex-REVOLUTION RENAISSANCE).

No mesmo ano, a banda foi responsável pela composição do tema de entrada do lutador de MMA Ronys Torres no UFC 109. As baterias foram gravadas, pelo baterista Jean Dolabella, na época integrante do SEPULTURA. 

Mais notícias em breve.


Steps of Silence - Hematomania (Websingle)

Independente - Nacional
Nota 8,5

Por Marcos Garcia

Definitivamente, a chegada da internet ajudou muito as bandas de Metal, pois o nosso público é bem mais fiel do que os de outros estilos, ou seja, somos afetados pelos downloads ilegais de forma menos contundente. Aliás, o Metal tem usado cada vez mais a internet como ferramenta de divulgação para as bandas, vide o enorme número de trabalhos disponibilizados de graça nos últimos anos. E mais um que embarcou nessa onda é o quinteto STEPS OF SILENCE, de Avaré (SP).

Heavy Metal Tradicional na melhor linha européia, mas a banda não se nega de utilizar nuances de outros estilos, sem deixar peso, melodia e pegada de lado, em uma  música que, se não prima pela originalidade, tem personalidade e garra, características essenciais para quem trilha os árduos caminhos do Metal.

Vocais tradicionais fortes numa linha bem 'halfordiana', com alguns backings mais guturais aqui e ali, guitarras que esbanjam bases melodiosas e fortes, bem como solos bem construídos e fortes, base baixo-bateria bem coesa e pesada, mas que busca não ser trivial. Resultado da soma de tais elementos: uma música melodiosa, agressiva, pesada e bastante empolgante.

A produção sonora ficou bem seca, dando uma rispidez e 'punch' ao som da banda, mas não soterrou as linhas melódicas, ou seja, temos algo bem gravado e que deixa a música do quinteto bem clara e translúcida.

Este primeiro trabalho da banda possui duas músicas muito boas, 'Solar Messiah' e 'Malefica Maleficarum', duas avalanches naquela pesada escola PRIEST/MAIDEN (especialmente pelos duetos de guitarra), mas com toques modernos aqui e ali, alguns momentos mais 'sabbathícos' levantam o dedo de vez em quando, deixando a música da banda carnívora e fresca, sem soar datado ou como algo remanescente dos anos 80. Pelo contrário, ambas pulsam com vida e intensidade.

Uma estréia digna, que nos permite antever um futuro promissor, que pode ser baixado aqui.


Tracklist:

01. Solar Messiah
02. Malefica Maleficarum


Formação:

Jony Roque – Vocal
Ricardo Fusco – Guitarra
João Paulo Colella – Guitarra
Rodrigo Queiroz – Baixo
Rafael Javaro – Bateria



Contatos:

Silent Cell - The Absense of Hope (CD)


Independente - Nacional
Nota 9

Por Marcos Garcia

É incrível como as misturas e queda de fronteiras causaram no Metal como um todo uma ruptura: ou se ama ou se odeia o trabalho das bandas, sem muitas vezes se dar ao trabalho de uma ouvida, apenas porque alguns infelizes nos anos 80 tiveram a terrível idéia de criar os malditos rótulos e moldar opiniões com frases pré-fabricadas como 'isso é falso' e 'aquilo é verdadeiro'.

Uma pena, pois acabam se privando de ótimas revelações, como o ótimo quarteto de Bragança Paulista (SP) SILENT CELL acabam sendo muito injustiçados, pois 'The Absense of Hope' é um disco ótimo e bem diferente de muitas bandas 'mais do mesmo' que andam por aí e são idolatradas (por mais cópia que sejam dos originais).

Mixando agressividade, melodias, alguns elementos do Metal Industrial e uma boa técnica, o trabalho da banda é bem diferente do que estamos acostumados a ouvir em termos de Metal/Rock no Brasil, pois imaginem uma banda que joga em um liquidificador influências como SLIPKNOT, SISTEM OF A DAWN, STONESOUR, alguns elementos do Death Metal melódico de Gotemburgo e do Metalcore mais rasgado, e temos uma banda com uma música única, ora agressiva e vibrante, ora agressiva e cheia de garra, intensa e com feeling diferenciado.

Vocais mixando passagens melódicas e berros guturais sem pudores (e muito bem, diga-se de passagem); guitarras agressivas e graves em riffs e solos; baixo e bateria seguros e afinados na base rítmica, mas que sabem se alternar muito bem e mostram boa técnica. Mas nenhum deles busca se sobressair aos outros, uso de efeitos eletrônicos muito bem colocados, e isso resulta em uma música bem homogênea, densa, algo bem pessoal do quarteto.

Tendo a produção e engenharia de som toda feita por Marcos Maluf, a mixagem de Alexandre Garcia, tudo feito nos PIRES Musical Studios, em Bragança Paulista, a sonoridade que flui do disco é forte, encorpada e limpa, dando agressividade à música, mas sem abrir mão das melodias bem feitas, algo bem raro de ser conseguido. A arte do CD é muito boa, elaborada com esmero e longe de ser simplista, com tons de cinza, preto e branco se harmonizando bem com as cores que quebram o domínio da paleta principal.

Sonoramente falando, o disco tem composições ótimas, sendo que o nível do quarteto é bem elevado, como podemos comprovar nos destaques 'Devoted', uma faixa pesada, com vocais se alternando entre berros guturais e outros normais muito bons, fora uma bateria fantástica; a mais cadenciada e pesadona 'Addicted', com ótimas guitarras, e refrão forte e grudento; a empolgante 'Broken Mir', onde melodias ganchudas e vocais guturais mostram um trabalho diferenciado; a emotiva 'All That You Left Behind', uma semibalada intensa e que transpira sentimento; a peso-pesado e melancólica 'In the Absence of Hope'; a quebra-pescoços 'Stronger Alone'; a versão pesada e bruta para 'What's on Your Mind (Pure Energy)', um antigo sucesso da banda de Dance Music INFORMATION SOCIETY, que ganhou peso e agressividade absurdas, com ótimos vocais, e a cozinha ritmica mostrando um trabalho ótimo; e a modernosa 'The Lazenby Effect', com a banda toda se nivelando bastante na execução de mais uma faixa bastante empolgante.

Uma das grandes revelações de 2012, sem sombra de dúvidas, e merecem aplausos, logo, concedam uma chance à banda. Ou melhor, concedam uma chance a si mesmos de ouvir um ótimo trabalho 'made in Brazil', feito com muito carinho e esmero.

Devoted


Tracklist:

01. Devoted 
02. Addicted
03. Broken Mir
04. All That You Left Behind
05. In the Absence of Hope
06. This Burden
07. 2000 Miles Deep
08. Stronger Alone
09. What's on Your Mind (Pure Energy)
10. The Lazenby Effect


Formação:

Michael Matt - Vocais
Marcelo Leme - Guitarras
Adonai Teixeira - Baixo
Marco ‘Horror’ De Sordi Filho - Bateria e vocais


Contatos:

http://msmetalpress.com/ptbr/artista-silent-cell/

Bad Salad: Uncivilized (CD)


Independente - Nacional
Nota 9

Por Marcos Garcia

Prog Metal bem feito, bastante viajante e com técnica de sobra, mas sem esquecer de ter peso. A fórmula não é recente, mas mesmo assim, quando cai nas mãos de quem sabe o que faz, sempre rende bons frutos, e outras vezes ficam meio desequilibrado entre peso e técnica, gerando bocejos. O Brasil anda mostrando bons talentos nesse estilo, e mais um é o ótimo BAD SALAD, quarteto do Distrito Federal, que acaba de soltar seu primeiro full lenght, o ótimo 'Uncivilized'.

Pesado, técnico, sabendo equalizar cada elemento de sua música sem perder a noção do que se está fazendo, e temos uma banda com uma identidade bem forjada, e que faz uma música onde se pode ouvir vocais afiados e bem postados na melodia e sabendo variar entre o vocal normal seco, agressivo e intenso (que raramente usa timbres muito agudos, o que já torna a banda bem diversa do que vemos no estilo) e momentos mais amenos, guitarras mostrando uma riqueza técnica muito boa, sem perder peso e pegada nos riffs e solos; teclados sóbrios (apesar de boa técnica) que se encaixam justos nas canções, baixo e bateria muito técnicos, mas sabendo soar com peso e vibração, sem deixar espaços audíveis. Ou seja, o som é pesado e forte, como vemos nas bandas de Metal Tradicional, mas a técnica é toda 'heavyssíva', logo, o som da banda agrada bastante.

Produzido pelo próprio quarteto, apesar de ser um trabalho independente, a produção e sonorização são de alto nível, deixando cada um daqueles detalhes tão importantes para o Progressive Metal bem às claras, mas sabendo dar peso à música da banda. A arte do CD em si merece um comentário à parte, com uma capa bem subjetiva e que permite a interpretação livre do ouvinte, e no encarte, cada letra está com imagens que refletem a temática de cada uma delas, ou seja, é um trabalho muito bem feito e bem acabado.

Quando a música da banda começa a sair pelos falantes, temos um produto bem envolvente e complexo, sendo que as sete faixas do CD são bem longas, mas não cansam os ouvidos, pois a diversidade técnica do grupo é muito boa, bem como cada uma reflete uma criatividade muito acentuada. 'Crowded Sky', que abre o CD, mostra bastante peso e técnica, com um trabalho fantástico de guitarras e vocais rascantes bem postados; 'Nemesis', mesmo pesada, apresenta um andamento não tão veloz, focada bem mais na climática intensa, com teclados bem evidentes e participação de alguns vocais mais rasgados e agressivos; 'Mourning' é uma faixa mais com clima de balada, fluindo dela muito sentimento, onde os vocais se sobressaem de forma maravilhosa justamente pela versatilidade que impõem na canção, mas não se iludam, pois há uma parte da música (mais especificamente a partir de sua metade até quase o final) em que começam crescendos maravilhosos e tempos quebrados em profusão, especialmente durante o solo de guitarra; 'The Second Calling' volta a pegar mais pesado, com belos andamentos alternados e diversidade musical bem grande, com baixo e bateria mostrando uma técnica privilegiada; 'Damned' usa e abusa de peso e clima etéreo, firme nos andamentos complexos, onde mais uma vez baixo e bateria se sobressaem;  a alternância entre momentos pesados e técnicos com outros mais suaves é o que se apresenta na ótima 'Sights from Within', em uma faixa bastante envolvente e forte, com belos solos de guitarra, que usam bem mais o feeling que a técnica (embora não seja algo simplório) e ótimas orquestrações; fechando o play em alto nível, temos 'Dawn of the Machine', a faixa mais longa do CD, onde vemos cada elemento da complexa essência musical da banda presente, como se para consolidar este discão.

Uma banda de muito futuro, uma boa revelação da cena brasileira, e esperemos que não parem tão cedo e que continuem a nos brindar com uma música tão boa.

Nemesis

Faixas:

01. Crowded Sky
02. Nemesis
03. Mourning
04. The Second Calling
05. Damned
06. Sights from Within
07. Dawn of the Machine


Formação:

Denis Oliveira - Vocais
Thiago Campos - Guitarras
Felipe Campos - Baixo
Caco Gonçalves - Bateria
César Zolhof - Teclados (músico convidado)


Contatos:




Notícias: The Ultimate Music-Press (15/11/2012)



- - -

Paradise Lost: produtora lança promoção na internet


Grupo é um dos mais exaltados do momento

A produtora Dark Dimensions, responsável pela vinda de nomes como Sebastian Bach, Rob Halford, Skid Row, Apocalyptica, entre outros ao Brasil, acaba de lançar promoção na internet, que vai premiar 10 pessoas com um ingresso para assistir ao tão aguardado show do PARADISE LOST em São Paulo.

Para participar é preciso curtir a página https://www.facebook.com/pages/Darkdimensions-Produtora/172409892805886 e compartilhar o flyer do evento. Os 10 fãs que tiverem suas ações mais vezes encaminhadas ganharão a entrada na faixa (os compartilhamentos serão analisados pela produtora) . O resultado será divulgado no dia 25 de novembro.

O espetáculo do super Paradise Lost, um dos grupos mais exaltados do Heavy Metal mundial, acontece no próximo dia 8 de dezembro, no Carioca Club. Esta será a única apresentação que Nick Holmes (vocal), Greg Mackintosh (guitarra), Aaron Aedy (guitarra), Steve Edmondson (baixo) e Adrian Erlandsson (bateria) farão no país.

Os ingressos continuam à venda no site http://darkdimensions.com.br, na Galeria do Rock (lojas Profecias e Hellion) e nas bilheterias da casa de espetáculo. Os bilhetes custam R$ 45,00 (estudante à venda somente no Carioca Club) e R$ 90,00 (inteira).

Por meio de uma rápida mensagem, o renomado frontman Nick Holmes convidou os fãs sul-americanos a prestigiarem as apresentações que a banda realizará pelo Continente. Confira o vídeo:


A turnê que promove o aclamado novo álbum "Tragic Idol" pela América do Sul consiste nas seguintes datas:
Dec 08 - Carioca Club - São Paulo, Brasil
Dec 09 - Teatro Flores - Buenos Aires, Argentina
Dec 11 - Teatro La Cupula - Santiago, Chile
Dec 13 - Salon Las Vegas - Bogotá, Colômbia

Recentemente, eles lançaram videoclipe para "Fear of Impending Hell", um das principais musicas do novo álbum. Assista o video em:


Além disso, a banda recentemente tocou no Bloodstock Open Air. Confira a performance na íntegra:



Links relacionados:

Serviço São Paulo:

Dark Dimensions apresenta Paradise Lost no Brasil

Data: 8 de dezembro - sábado
Local: Carioca Club
End: Rua Cardeal Arcoverde, 2899 - Pinheiros (próximo a estação Faria Lima do Metrô)
Hora: 19h
Preços:
Pista: R$ 90,00 / Estudante R$ 45,00
Camarote: R$ 200,00 / Estudante R$ 100,00
Pontos de venda: Galeria do Rock: lojas Hellion e Profecias
Imprensa: press@theultimatemusic.com - (13) 9161.6267


- - -

13 9161.6267

Próximas divulgações e suporte The Ultimate Music - Press:
15/11 - Cavalera Conspiracy + Krisiun – Circo Voador - RJ/RJ
17/11 - Cavalera Conspiracy + Krisiun + Korzus + RDP – Via Marquês - SP/SP
21/11 - Rock do Bem - Espaço Lux - São Bernardo do Campo/SP
23/11 - U-Nion Fest – Blackmore Rock Bar - SP/SP
25/11 - Live Metal Fest – Inferno Club - SP/SP
30/11 – Kiara Rocks – Inferno Club - SP/SP
02/12 - Emilie Autumn – Inferno Club - SP/SP
02/12 - Hugin Munin (Thorhammerfest) – Manifesto Rock Bar - SP/SP
08/12 - Paradise Lost – Carioca Club - SP/SP
09/12 - Confronto – Inferno Club - SP/SP
12/12 - Nightwish – Credicard Hall - SP/SP
15/12 - Krisiun + Malevolent Creation + Vital Remais - Carioca Club - SP/SP
16/12 - Moonspell – Inferno Club - SP/SP
21/12 - Chris Slade (ex-AC/DC) – Backmore Rock Bar - SP/SP
Jan/13 - Suicidal Angels (longa tour pelo Brasil)
Fev/13 - Vader
17/02/13 - Stryper – Carioca Club - SP/SP
Abr/13 - Texas Hippie Coalition
27/04/13 - Demon Hunter – Inferno Club - SP/SP
28/04/13 - Demon Hunter – Rio Rock Blues - RJ/RJ

Além dos shows, a The Ultimate Music - Press assessora as bandas Sepultura, Krisiun, Shadowside, Confronto, Kiara Rocks, Pleiades e Hugin Munin. Para mais informações, acesse http://theultimatepress.blogspot.com.