21 de jun de 2017

HELLLIGHT - XX Years of Doom (Coletânea)


2016
Independente
Nacional

Nota: 9,6/10,0

Tracklist:

1. Winter’s Theatre
2. Deep Sideral Silence
4. Nexus Alma
5. The Light That Brought Us Darkness
6. No God Above, No Devil Below
7. Shades of Black
8. Dive in the Dark
9. Time
10. Distant Light That Fades


Banda:


Fabio de Paula - Vocais, guitarras
Alexandre Vida - Baixo
Rafael Sade - Teclado


Contatos:

Site Oficial:
Twitter:
Instagram:
Bandcamp:
Assessoria: http://www.metalmedia.com.br/helllight/ (Metal Media)


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Quando o tema de uma conversa entre headbangers é o famoso Doom Metal, muitas vezes a maioria não compreende que o estilo é, por sua vez, subdividido e repleto de nomes importantes. Mesmo o Brasil possui representantes importantes dentro do gênero, entre eles o HELLLIGHT, veterano trio de São Paulo que já tem seu nome gravado no coração dos fãs de Funeral Doom Metal do país. E pelos 20 anos de existência e lutas completados ano passado, o grupo não se furtou de disponibilizar gratuitamente um presente para seus fãs: a coletânea “XX Years of Doom”, que tem 10 faixas que varrem toda sua carreira.

Nesta coletânea, um dos pontos mais legais que se pode reparar é a evolução do HELLLIGHT nesses 20 anos. Mesmo fiel a sua sonoridade azeda, crua e lenta, percebem-se sutilezas elegantes que tornam sua música ainda mais cativante, sinuosa e com uma dinâmica ótima. E antes de tudo: é pesado como chumbo e abrasivo como ferro quente, mas de requintado e elegante.

Isso, meus caros, se chama HELLLIGHT, um nome que já representa qualidade.

Óbvio que se percebe que a evolução da qualidade sonora vai melhorando do início até o fim do CD, pois as faixas varrem do primeiro ao último álbum da banda. Mas sempre é claro que o grupo primou por uma qualidade sonora limpa e que torna sua música compreensível, mas mantendo-a pesada e bruta como o estilo pede.

Dinâmico em termos de arranjos, com base rítmica sólida e pesada, teclados fúnebres e elegantes, riffs de guitarra bem variados e cativantes, e vocais que usando muito de timbres guturais que se alternam com sussurros e outros mais limpos. A fórmula, descrita em palavras, não é inovadora, mas em termos musicais, mostra o quanto esse trio tem personalidade!

Óbvio que alguns dirão que tem-se poucas canções. Mas quem conhece o trabalho dessa banda, sabe que suas canções facilmente ultrapassam os 10 minutos de duração. Mas poder ouvir mais uma vez a causticante “Winter’s Theatre” (de “In Memory of the Old Spirits”, primeiro álbum da banda, de 2004); as amargas, magistrais e atmosféricas “Deep Sideral Silence” e “Nexus Alma” (ambas de “Funeral Doom”, de 2008); a beleza brutal e opressiva de “The Light That Brought Us Darkness” (que está tanto no álbum “…And then, the Light of Consciousness Became Hell…” como no EP gratuito para download “The Light That Brought Darkness”, ambos de 2011); nas intensas e esporrentas (embora arrastadas e elegantes) “No God Above, No Devil Below” e “Shades of Black” (presentes no álbum de 2013, “No God Above, No Devil Below”), e no trio de ferro de “Dive in the Dark”, “Time” e “Distant Light That Fades” (essas três de “Journey Through Endless Storms”, último disco da banda, de 2015) é algo de maravilhoso, que empolga e nos dá a certeza que o grupo merece não só ser valorizado, mas aplaudido de pé.

O aniversário é do HELLLIGHT, mas o presente é nosso e pode ser baixado de graça aqui: http://bit.ly/2f19EBA

Ouça bem alto, se divirtam e aproveitem esse trabalho maravilhoso.



Comentário(s):