6 de mai de 2017

APPLE SIN - APPLE SIN (ÁLBUM)



2017
Independente
Nacional

Nota: 8,8/10,0


Tracklist:

1. Intro
2. Sea of Sorrow
3. Darkness of World
4. Apple Sin
5. Another Day
6. Respect
7. Fire Star
8. Black Hole
9. Roaches Blood
10. Roadie Metal


Banda:


Patric Belchior - Vocais
Beto Carlos - Guitarras
Tainan Vilela - Guitarras
Raul Lourenço - Baixo


Philippe Belchior - Teclados

Eduardo Rodrigues - Bateria


Contatos:

Site Oficial: 
Twitter: 
Instagram: 
Bandcamp:

Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


E de Barroso, em Minas Gerais, vem uma banda que mostra o que é progredir em todos os termos, mesmo sem abrir mão de absolutamente nada do que já haviam feito: o APPLE SIN.

Se no EP “Fire Star”, de 2015, a banda mostrava que tinha necessidades a suprir, em “Apple Sin”, seu primeiro álbum, eles mostram que evoluir é com eles, mesmo sem abrir mão de sua identidade musical.

O estilo da banda nada mudou: continua sendo aquele bom e velho Metal tradicional com muita influência da NWOBHM. O que realmente está de saltar os olhos em termos evolutivos é que eles conseguiram pôr para fora uma pegada mais agressiva intensa, que não só casa bem com o que eles já haviam mostrado, mas que torna o trabalho deles mais pessoal, e molda a identidade da banda. Se eles já eram um bom nome, agora estão alguns passos adiante. E sim, as linhas melódicas, bons vocais à lá Brice Dickinson, guitarras ferozes em riffs intensos e solos com boa dose de melodia, baixo e bateria com boa técnica e pegada pesada, e alguns teclados aqui e ali (uma contribuição do convidado especial Philippe Belchior, hoje efetivado na banda). 

Ou seja: o APPLE SIN soube mostrar quem eles são de verdade!

A produção de Eduardo Rodrigues (baterista do grupo) acertou a mão. Se ainda não é perfeita (pois para isso, só se Martin Birch deixasse a aposentadoria e viesse fazer a produção deles), já mostra que soube melhorar em tudo. Os timbres instrumentais dão enfoque ao lado mais agressivo da música do quinteto, sem deixar que as melodias preciosas de seu trabalho sejam obliteradas. Além disso, todos os arranjos estão mais evidentes aos ouvidos.

A evolução do APPLE SIN fica evidenciada nas regravações de “Darkness of World”, “Apple Sin”, “Fire Star” e “Black Hole”, que ganharam peso e melodia, mas aquela dose de agressividade seca que elas mereciam. Além disso, nas outras canções, se percebe que a banda realmente se esforçou para por mais de si em cada uma delas. E isso torna a audição de “Apple Sin” uma experiência maravilhosa.

Melhores momentos: a força de “Sea of Sorrow”, pesada e com boa técnica, com andamento mais arrastado e climático, além do ótimo trabalho de guitarras (sem contar na intervenção providencial dos teclados); as guitarras furiosas de “Darkness of World” surpreendem o ouvinte, mas isso sem mencionar a força de baixo e bateria (que estão de primeira); a Hard’n’Heavy e cheia de melodias envolventes “Apple Sin” (reparem bem no refrão, bem como a interpretação dos vocais é ótima); o peso pesado cativante de “Another Day”; a climática e terna “Respect” e seu jeito introspective de ser (onde mais uma vez os vocais estão excelentes); e a energia intensa de “Roaches Blood”. Mas interessante é notar a homenagem ao programa Roadie Metal na faixa “Roadie Metal”, em uma música puramente NWOBHM, com lindas linhas melódicas.

Óbvio que o APPLE SIN ainda pode render mais, mas “Apple Sin” os credencia para voos mais altos.

Ouça, e abuse do volume!

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentário(s):