16 de ago de 2013

Hatriot: Thrash Metal se aprende em casa






A revista virtual HELL DIVINE (que é totalmente gratuita e pode ser lida aqui: http://issuu.com/helldivinemagazine/docs/hell_divine_n15_isuu) está lançando sua 15º edição,  totalmente dedicada ao Heavy Metal e suas mais variadas vertentes, e desta vez trazendo como destaque o HATRIOT, uma grande revelação do Thrash Metal sob o comando do vocalista Steve "Zetro" Souza (ex-Exodus, Dublin Death Patrol, Tenet). O lendário músico falou como está sendo tocar com seus filhos, e sobre toda a repercussão envolvendo o disco “Heroes of Origins”, que vem chamando a atenção pela energia e agressividade.



Confira um trecho do bate papo:



HELL DIVINE: Quando você anunciou sua nova banda, o Hatriot, os fãs de Thrash Metal ficaram muito entusiasmados. A repercussão do álbum foi a que você esperava? Conte-nos a respeito.

Steve "Zetro" Souza: A resposta tem sido incrível e eu realmente acho que os fãs de Thrash Metal estiveram esperando meu retorno com uma banda completa, e não apenas com um projeto aqui, uma participação especial ali! Essa é a minha primeira banda em tempo integral desde que deixei o Exodus, em 2004, e acho que é um retorno atrasado. As resenhas sobre o álbum têm sido, na maior parte, muito boas, e nós estamos muito felizes, mas é a resposta dos fãs que realmente nos deixa orgulhosos. Eles são aqueles que compram nosso disco, e que pagam por nossos shows. É para eles que nós trabalhamos, não para os críticos. Os fãs realmente abraçaram o trabalho, e é isso que importa de verdade para nós.


HELL DIVINE: E após fazer parte de grandes bandas do Thrash Metal, como Testament e Exodus, quais eram suas expectativas ao montar uma banda nova?

Steve "Zetro" Souza: Eu sempre tento entrar em uma banda sem expectativas reais. Você não pode prever o futuro, então não há razões para esperar por qualquer coisa.  Eu tento fazer a melhor música que posso e me cercar com as melhores pessoas do ramo dos “negócios” que posso. Fora isso, está fora de minhas mãos e acontece o que tiver que acontecer. Obviamente, esperamos que o disco vá bem, mas nestes dias e com esta idade é muito difícil fazer muito barulho no mercado. As coisas andam muito saturadas. O ponto de partida é criar boa música, e se divertir com isso.  É o que nós podemos fazer.


HELL DIVINE: E como tem sido para você tocar com seus filhos Cody e Nick? Você acredita que eles sentiram algum tipo de pressão por serem seus filhos, e você já ser um ídolo consagrado da cena?

Steve "Zetro" Souza: Tocar com meus filhos foi uma das sensações mais incríveis de minha vida. É um dos meus sonhos se tornando realidade. Meus filhos cresceram. Meus garotos cresceram em volta do mundo da música, e sabem dos altos e baixos, e como as coisas funcionam. Eles têm vivido estas coisas através de mim, então eles vieram preparados e com a mente madura. Eles têm metas realistas e sabem como agir para atingi-las. No começo, deve ter existido alguma pressão, mas agora que o álbum foi lançado, acredito que a música fala por si só. Ambos (meus filhos) têm tocado seus instrumentos por anos, e eles são músicos “matadores”! Os dois tentaram entrar para o Hatriot e foram bem sucedidos, merecendo seu lugar. Não há nepotismo aqui.

Leiam também entrevistas com Aborted, Fueled By Fire, Woslom, Kalmah, Andralls, Flesh Grinder, Patria e com Carlos Fides, artista gráfico.

Ao todo são 52 páginas, contendo diversas colunas, além de resenhas de CDs, DVDs, GAMES e shows. A revista está disponibilizada em formato PDF, mas, pode ser visualizada na tela sem necessidade de download. Para fazer o download gratuito da revista, acesse o link informado abaixo; para abrir o arquivo PDF em seu computador, é obrigatória a instalação do programa ACROBAT READER, que pode ser baixado gratuitamente através do site: http://get.adobe.com/br/reader




Contatos:

Assessoria de Imprensa: contato@wargodspress.com




Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário.
Liberaremos assim que for analisado.

OM SHANTI!

Comentário(s):