31 de jan de 2017

DARKEST HATE WARFRONT - Satanik Annihilation Kommando (CD)



2017
Nacional

Nota: 10,0/10,0

Tracklist:


1. Infernal Baptism (Intro)
2. Order of Battle
3. Satanik Annihilation Kommando
4. Satan's Kult of Terror
5. Scourge of Wormkind
6. Final Solution
7. Duty Fulfillment
8. Possessed by Fire
9. Purification by Hatred
10. The Aftermath (Outro)
11. Unholy Devastation
12. Burning the Cross
13. War, Hate and Death
14. Legions of Fire
15. Tormentor
16. Christian Holocaust
17. Devastation
18. Hymn of Hate


Banda:


Devasth - Vocais, programação
Lord Mantus - Guitarras, baixo, programação


Contatos:

https://www.facebook.com/darkesthatewarfront/



Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia

Existem bandas cuja trajetória é tão curta que pensamos na valia dela ter existido, em quanto ela deu ao mundo. Mas existem aquelas que passaram e deixaram algo tão maravilhoso que deixam saudades em quem as conheceu. O Brasil tem muitas assim, e para quem conhece, sabe que o DARKEST HATE WARFRONT é uma dessas bandas que deixam enormes saudades. Mas para quem ainda não sabe, a Cold Arts Industry Records correu atrás, e eis que o primeiro álbum do grupo nos chega às mãos em sua nova versão. Sim, o massacre sonoro conhecido como “Satanik Annihilation Kommando” foi relançado, e com algumas surpresas!

Mas o que era/é a banda, afinal de contas?

Em princípio, era um projeto de Mantus, guitarrista do MYSTERIIS (aqui chamado Lord Mantus) junto com Devasth (na época, vocalista da banda portuguesa LUX FERRE), uma vontade de fazerem algo juntos que soasse diferente de suas bandas principais. E não podia dar em outra coisa: um jeito cru, duro e bruto de se fazer Black Metal!

O som é ríspido, cru e de uma velocidade abusivamente alta, em uma época que essa velocidade toda ainda não era tão comum assim. É um festival de riffs velozes e bem tocados, baixo e bateria (programada) também em velocidade extrema, mas formando uma base rítmica sólida e com boa dose de diversidade técnica, e vocais rasgados absurdamente insanos! Isso é o tema certo para o apocalipse, sem sombra de dúvidas!

E um detalhe: a qualidade que o grupo atingiu aqui é muito, muito alta, algo que até hoje soa atual, bruto e veloz, e de bom gosto.

A produção é do próprio dueto, garantindo assim controle sobre a criação. E meus caros, eles acertaram a mão, pois mesmo obediente ao padrão imposto pelo Black Metal em termos de timbres sonoros, a clareza é grande, podendo assim nos permitir compreender o que o grupo está tocando, mesmo nessa velocidade dos infernos! É garantia certa de paredes tremendo e vizinhos reclamando!

A arte é a mesma para a capa, mas a Cold Arts Industry foi mais longe ainda e criou um Digipack caprichado e lindíssimo de seis páginas, permitindo inclusive informações adicionais.

Em perspectiva histórica, o DARKEST HATE WARFRONT era algo muito diferente para 2005, pois mesmo com o MARDUK ativo e usando também de velocidade, o dueto preferiu arranjos mais certeiros e simples, e algo realmente mais voltado para a melhor definição de triturador de ossos! E é viciante!

Da introdução “Infernal Baptism”, passando pelo massacre opressivo da caótica “Order of Battle” (que ótimos riffs), pela estética brutal de “Satanik Annihilation Kommando” (com alguns inserts um pouco mais refreados) e pelos vocais em timbre extremamente rasgados de “Satan’s Kult of Terror” (reparem que mesmo programada, a bateria possui ótimas mudanças de ritmo, forçando o baixo a mostrar força e técnica), seguindo o massacre absurdo imposto por “Scourge of Wormkind” e “Final Solution” (ambas com guitarras brutalmente opressivas, descarregando riffs brutais sobre o ouvinte), e finalizando o holocausto agressivo com “Duty Fulfillment” (que belas passagens rítmicas, sem contar na presença de Xaphan, do KULT OV AZAZEL nos vocais), o hino “Possessed by Fire” (esses vocais não são humanos, não é possível!) e “Purification by Hatred”, não sobra pedra sobre pedra. “The Aftermath” é um outro climático que encerra o disco. E esse massacre de 10 faixas é um autêntico foda-se na cara de politicamente corretos, chatos de plantão e wannabes.

Mas podem esperar por aí, pois não acabou, pis com o objetivo de garantir que não vai sobrar nada dos ossos alheios, essa versão ainda conta com faixas bônus.

“Unholy Devastation”, “Burning the Cross”, “War, Hate and Death”, “Legions of Fire” e “Tormentor” vem da Demo Tape “Unholy Devastation”, de 2000, e “Christian Holocaust” e “Devastation” vieram da Demo Tape “Total Devastation”, de 2002. Se os ouvidos estiverem sangrando, não liguem, pois mesmo estas possuem uma boa qualidade de gravação, e são faixas essenciais!

Um relançamento fantástico, e que abre possibilidades para vermos em breve a chegada de “The Aftermath”, segundo disco do grupo.

Ouçam à exaustão, pois é viciante, e castiguem os ouvidos dos menos acostumados!

Parabéns à Cold Arts Industry Records por este relançamento tão precioso. E corram atrás, pois só serão 500 cópia!

Comentário(s):