18 de jul de 2017

HELLPATH - Through the Paths of Hell (Álbum)


2017
Nacional

Nota: 9,3/10,0

Tracklist:

1. Liar
2. Seven Deadly Sins
3. Self-Respect
4. War
5. Underworld
6. The Chamber
7. Caged in a Blackened Future
8. Nature’s Revenge
9. Blood, Rage & Fire
10. Hellpath


Banda:


Thiago Müller - Vocais
Rafael Neves - Guitarras
Richard Felix - Guitarras
William Cruz - Baixo
Rodolfo Pacheco - Bateria


Contato:

Site Oficial: http://hellpath.com/
Twitter:
Instagram:
Bandcamp:
Assessoria:

E-mail: rawf85@gmail.com

Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


A criatividade musical é uma força que não pode ser contida, a menos que um indivíduo se autocondicione a tanto. Nisso muitos e muitos bons grupos estão surgindo e mostrando trabalhos que nos deixam de queixo caído pelo que ouvimos. E digamos de passagem: o quinteto HELLPATH, de Londrina (PR) vem mostrar que a criatividade deles não parece ter limites em “Through the Paths of Hell”, seu primeiro disco.

O que vemos aqui é um Metal forte e agressivo, mas melodioso e bem tocado, algo que remete aos primórdios do Death Metal de Gotemburgo (especialmente o ARCH ENEMY) e os primeiros discos do CHILDREN OF BODOM. Mas auto lá, caras-pálidas: o quinteto tem personalidade própria pulsando em suas músicas, com uma energia envolvente, boa dose de criatividade e muita agressividade, mas sempre emoldurada por linhas melódicas muito boas.

Gravado no Organic Digital Audio, em Londrina, tendo produção, mixagem e masterização do próprio quinteto, “Through the Paths of Hell” soa bem limpo, pesado e forte. Óbvio que poderia ser ainda melhor, mas está ótimo para um primeiro disco, com timbres bem legais.

A arte do guitarrista Richard Felix para capa e todo layout ficaram ótimas, que deixa claro que a destruição do mundo vem graças as desgraças que a própria humanidade semeia em seu egoísmo. E ela retrata bem as letras conscientes do grupo.

Agora, esse disco é daqueles que se ouve e diz “PQP, que troço foda!”, pois realmente a musicalidade que flui das 10 composições que compõem “Through the Paths of Hell” é ótima, misturando Thrash, Death e Metal tradicional em uma música coesa, bem arranjada e diferenciada. Vocais guturais se alternando com urras rasgados, uma dupla de guitarras ótima com riffs agressivos e melodiosos (e que arranjos!), baixo e bateria com boa técnica e peso absurdo são os elementos que, fundidos, dão cara ao HELLPATH.

Podemos dizer que os melhores momentos do disco estão na envolvente “Liar” (peso e técnica bem equilibrados, além de riffs de guitarra de primeira e solos muito bons), a curta e mais agressiva “Seven Deadly Sins” (aqui, no meio dos arranjos mais técnicos, baixo e bateria se sobressaem bastante, mostrando boa técnica), o excelente andamento variado de “Self-Respect” e suas lindas guitarras (que duetos e bases!), o jeito quase Hard’n’Heavy de “Underworld” (belo trabalho dos vocais sob linhas melódicas muito bem arranjadas), as grandiosas partes melodiosas de “The Chamber”, o soco no queixo e pura agressividade e melodia de “Nature’s Revenge”, e a dupla arrasa-pescoços de “Blood, Rage & Fire” e “Hellpath”.

Esse quinteto ainda vai dar muitas alegrias aos fãs do Brasil, podem escrever, já que “Through the Paths of Hell” veio para marcar a memória e esmagar ossos!

Ah, sim: vocês podem ouvir o álbum no link abaixo.



Comentário(s):