30 de jun de 2017

EROC - Filhos do Caos (Álbum)


2017
Selo: Independente
Nacional

Nota: 8,7/10,0


Tracklist:

1. Rumores do Caos
2. Indulgência
3. Desespero
4. Revolta
5. Missa Macabra
6. Caos
7. Nada a Perder
8. Multilação
9. Sentença de Morte


Banda:


Eduardo Silva - Vocais
Almir Matoso - Guitarras
Rodrigo Cirilo - Baixo
Bruno Gomes - Bateria


Contatos:

Site Oficial:
Twitter:
Instagram:
Bandcamp:
Assessoria:


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


E o Nordeste brasileiro mostra-se sempre um enorme criadouro de bandas de alta qualidade em termos de Brasil. Do melodioso ao extremo do Old School às novas tendências, essa região sempre vem com bandas de alto nível, sempre com trabalhos fortes e convincentes. E o raivoso EROC, de nossa querida Hellcife (Recife - Pernambuco) já chega com uma voadora no queixo de muitos, que tem por nome “Filhos do Caos”.

Antes de tudo, é preciso deixar clara a vocação extrema do quarteto, que transita entre o Death Metal, o Thrash Metal e o Grindcore sem nenhum problema ou dificuldade. E tal mistura lhes dá identidade, agressividade sonora e brutalidade, mas sempre encorpada, sempre sem ser algo bruto gratuitamente. Vocais que transitam em um leque de timbres agressivos, riffs de guitarra rançosos e opressivos (mas envolventes), baixo e bateria com boa técnica e pegada pesada, e tudo isso gera uma usina de energia crua e brutal, mas com muita personalidade.

Traduzindo: “Filhos do Caos” tem por objetivo deixar seus pescoços doando e os ouvidos apitando por horas sem dó!

A produção do disco é esmerada, privilegiando bastante a clareza instrumental, nos permitindo compreender o que a banda faz, e como os instrumentos evoluem separadamente sem nenhuma dificuldade. Mas não pensem que isso deixou o trabalho musical do grupo menos, agressivo, mas é justamente o contrário!

E a capa é realmente muito boa, deixando claro onde a ambição desmedida de poucos pode levar o mundo: destruição.

E despejando energia em doses mastodônticas, sempre com muita agressividade, mas com qualidade nos arranjos instrumentais, o EROC se sai bem, vai evoluindo por todo o álbum, mostrando que eles vieram para ficar e conseguir o espaço que lhes é devido. E suas 8 canções (“Rumores do Caos” é uma introdução instrumental) são todas muito boas, sem sombra de dúvidas, ainda contando com a participação especial de José Selva (Guitarra da banda BLAST AGONY).

Melhores canções:

“Indulgência” - Uma faixa bem ganchuda e envolvente, onde a mescla de influências entre Thrash Metal e Grindcore são óbvias e muito boas. E como os tempos são bem fluidos, mudando sem causar desconforto aos ouvidos. E destaque para o ótimo trabalho da cozinha rítmica do quarteto.

“Desespero” - Que porrada nos ouvidos, com claras referências do Death Metal nos momentos mais lentos, belo trabalho dos bumbos, além de riffs de guitarra insanos. Além disso, mais boas mudanças de ritmo, onde o lado Thrasher da banda aflora de forma mais evidente.

“Revolta” - E mais uma vez o lado mais requintado do grupo aparece em alguns momentos (especialmente quando o baixo fica mais evidenciado), mostrando que o grupo saber ser dinâmico. Ponto para o trabalho dos vocais, que ficaram muito bem assentados sobre o instrumental forte do quarteto.

“Caos” - Curta e grossa, ela já vem mostrando detalhes técnicos do Death Metal interessantes nas guitarras, antes de explodir em um Grindcore tradicional brutal e opressivo. Belas guitarras, mas haja pescoços!

“Nada a Perder” - O contraste entre partes mais cadenciadas, outras de velicidade extrema e outros tempos no meio termo é muito bom. Agora a ferocidade mostrada entre os riffs das guitarras e os vocais é algo absurdo de bom.

“Sentença de Morte” - Cheia de referências ao Death Metal Norte-Americano nos anos 90, é sensível a agressividade fluindo dos alto-falantes, e cuidado com os ouvidos no meio dessa porradaria cerrada e intensa, mas adornada com belos arranjos de guitarras mais uma vez.

É, a banda tem muito potencial a ser utilizado, mas com um futuro ótimo. Ouçam, mas cuidado com os ouvidos e o coração.

Ah, vocês poderão ouvir o disco na íntegra na página da banda no Soundcloud: https://soundcloud.com/erocmetal

Comentário(s):