14 de dez de 2016

RUNNING WILD - Rapid Foray (Álbum)


2016
Nacional


Tracklist:

1. Black Skies, Red Flag
2. Warmongers
3. Stick to Your Guns
4. Rapid Foray
5. By the Blood in Your Heart
6. The Depth of the Sea (Nautilus) instrumental
7. Black Bart
8. Hellectrified
9. Blood Moon Rising
10. Into the West
11. Last of the Mohicans


Banda:


Rock ‘n’ Rolf - Vocais, guitarras, baixo
Peter Jordan - Guitarras


Contatos:



Nota:

Originalidade: 8
Composição: 10
Produção: 9

9/10

Embora a evolução seja uma força dominante no Metal, existem aquelas bandas que, após a consolidação do próprio estilo, nunca se permitem mudar. Algumas naufragam na própria repetição infindável, mas outros encontram o Santo Graal de sua música, que ouça quantas vezes quiser, sempre vai ser muito bom. E este é o caso do veterano RUNNING WILD, que mesmo após quase 40 anos de muita luta e discos excelentes, ainda se mostra relevante e ótimo em “Rapid Foray”, seu mais recente disco, que ganhou versão brasileira pela Shinigami Records.

O Heavy/Power Metal do grupo continua o mesmo. Usando de algumas faixas rápidas, outras mais cadenciadas, mas sempre de alto nível e muito bem feito, com ótimas doses de melodias simples, o grupo nos presenteia mais uma vez com um disco de alto nível. Aliás, “Rapid Foray” é mais um disco ótimo desses corsários a serviço do Metal, mostrando energia e virilidade como alguns novatos ainda não conseguiram (especialmente aqueles que os clonam sem dó). 

Como sempre, a produção é do “Boss” Rock ‘n’ Rolf, que recebeu uma ajuda de Niki Nowy, Peter Jordan (guitarrista da banda) e Michael Wolpers (baterista do grupo) nas gravações. Ou seja, em termos de sonoridade, não existe motivos para reclamação, pois o quarteto soa pesado, agressivo e limpo nas medidas certas. E bem dizer, a continuidade do trabalho musical se reflete até nisso, pois em pouca coisa a qualidade sonora da banda dista de discos como “Black Hand Inn” ou “Masquerade”, talvez apenas um pouco mais limpo.

Em termos de arte visual, o trabalho de Jens Reinhold ficou ótimo, dando aquela aclimatação referente aos piratas dos mares, um tema lírico recorrente da banda. E esta apresentação é bem trabalhada em um formato Digipack de três folhas. 

Contando com Ole Hempelmann (baixo, ex-THUNDERHEAD) e Michael Wolpers (baterista do VICTORY) como convidados, podemos aferir que “Rapid Foray” possui o DNA do RUNNING WILD em cada uma de suas composições, sempre primando por uma técnica instrumental que dista de exageros (mesmo porque a música da banda não precisa disso), mas com bons arranjos sempre. E é justamente nisso que a banda ganha pontos e cria música que, embora distante de clássicos do passado (distante ou recente), sempre é de alta qualidade.

E mesmo homogêneo, podemos destacar algumas faixas de “Rapid Foray” para mera referência ao ouvinte: a dobradinha arrasa-quarteirão de “Black Skies, Red Flag” e “Warmongers” (cada uma com refrão ganchudo e belos trabalho de guitarras), o trabalho fabuloso nas melodias de “Rapid Foray” (baixo e bateria estão ótimos, com uma dose carregada de peso, fora alguns backing vocals bem colocados), a cadenciada e climática “By the Blood in Your Heart” (que maravilhoso trabalho de vocais, backing vocals e guitarras, sem falar que temos mais um refrão de primeira), a formatação clássica de “Black Bart” (mais uma com aquela levada irresistível, com baixo e bateria segurando um ritmo firme com velocidade mediana e muito peso), e a longa e épica “Last of the Mohicans” (baseada no trabalho de James Fenimore Cooper, e é bem variada, já que seus 11 minutos de duração permitem que a banda evolua bastante).

Ou seja, é mais um disco nessa saga do RUNNING WILD, e pelo visto, a saga desses Corsários alemães não vai parar tão cedo.

Ainda bem.

Comentário(s):