7 de set de 2016

REBOTTE - Insurgência (EP)



2016
Independente
Nacional

Nota: 8,0/10,0


Músicas:

1. Insurgência
2. Cicatrizes
3. Discórdia
4. Amanhecer
5. Existência


Banda:


Lívia Almeida - Vocais
Bruno Abud - Guitarras
Vitor Acacio - Guitarras
Robin Gaia - Baixo
Santiago Soares - Sintetizadores
Ellen War - Bateria


Contatos:

Metal Media (Assessoria de Imprensa)


Texto: Marcos "Big Daddy" Garcia


Enfim, a modernidade em termos de Metal anda ficando os pés no Brasil. 

Sim, pois aparentemente bandas com sonoridades mais modernas andam surgindo mais e mais no cenário, trazendo renovação musical e novos fãs para o cenário ao mesmo tempo. E isso é bom, pois permite que novas idéias surjam, idéias que permeiam o trabalho do sexteto paulista REBOTTE, que estréia em disco com o EP "Insurgência".

O grupo é adepto de sonoridades mais modernas, o que nos permite dizer que eles preferem algo que junte a agressividade do Metal extremo com a força moderna de tendências como o Death Metal de Gotemburgo e algumas pitadas de Djent Metal em alguns pontos. E fica claro que o grupo tem talento, ostenta uma ótima técnica em termos instrumentais, e apresenta vocais que variam bastante os timbres guturais e rasgados.

Em termos de sonoridade, "Insurgência" ficou em um nível muito bom de qualidade. Se ouve tudo perfeitamente, sem esforços, mas o peso e a agressividade musical do sexteto estão bem evidentes. Ou seja, é esporro sonoro feito com qualidade, além de timbres instrumentais bem escolhidos. Um bom trabalho de Rogério Oliveira.

A parte gráfica ficou de alto nível, pois a capa e o layout estão muito bons, mesmo trabalhados em tons de negro e marrom. Hugo Silva e Henrique Baptista estão de parabéns.

De certo modo, o EP mostra uma banda eclética, que vai juntando influências de vários estilos de Metal para criar algo pessoal, mais deles. E isso se reflete nas músicas, devido ao dinamismo entre as mudanças de andamento, aos arranjos bem feitos e estruturas harmônicas de primeira. 

"Insurgência" - Uma introdução climática que vai preparando o ouvinte para o que vem pela frente.

"Cicatrizes" - O início do EP mostra que o sexteto é ousado, usando de melodias à lá Gotemburgo, mas com andamentos que vão mudando bastante, fora um trabalho ótimo dos vocais (os guturais contrastam muito bem com os timbres rasgados), além de baixo e bateria estarem muito bem. E o refrão nos lembra o trabalho de bandas mais voltadas ao Metalcore, usando de melodias muito bem pensadas.

"Discórdia" - Podemos perceber que alguns arranjos usando sintetizadores surgem, fora o famoso "wah-wah" se fazer presente. A música em si, por ser mais curta, mostra somente o lado mais lento e azedo da banda, com alguns inserts melodiosos. Destaque total para os riffs das guitarras.

"Amanhecer" - Em termos musicais, vemos uma agressividade mais ríspida e rasgada, mas tendo teclados providenciais como um belíssimo esteio para as guitarras mostrarem um trabalho rico em riffs caóticos. E as mudanças rítmicas são muito boas, com andamentos bem azedos.

"Existência" - Outra com uma pegada bem moderna, impactante e pesada, mostrando um trabalho extremamente empolgante em termos de baixo e bateria. E a envoltória melodiosa dada pelos sintetizadores ficou ótima.

Resumindo: bem-vindo, REBOTTE, pois o Metal nacional merece mais boas bandas como vocês.

Comentário(s):