7 de set de 2016

NO TRAUMA - Viva Forte Até o Seu Leito de Morte (Álbum)


2016
Nacional

Nota: 8,5/10,0

Tracklist:

1. Fuga
2. Quimera
3. M.M.A
4. Massa de Manobra
5. O Chamado
6. Forca
7. Sedativo
8. Demoniocracia
9. Igualdade
10. Algemas do Medo
11. Viva Forte
12. Sawabona Shikoba


Banda:


Hosmany Bandeira - Vocais
Tuninho Silva - Guitarras
João de Paula - Baixo
Marvin Freitas - Bateria


Contatos:

Roadie Metal (Assessoria de Imprensa)


Texto: Marcos "Big Daddy" Garcia


O Metalcore tem sido um estilo no Brasil que tem se firmado mais e mais, com novas bandas surgindo aos montes. E um dos aspectos mais interessantes que o estilo tem gerado é que os fãs do gênero fogem do radicalismo empoeirado e danoso que muitos usam apenas para a afirmação pessoal. E isso é bom, pois talvez o Metalcore seja o divisor de águas que leve as novas gerações à uma nova consciência, necessária e atualizada.

E o RJ gera mais um bom nome do gênero: NO TRAUMA, banda que enfim chega com seu primeiro disco, "Viva Forte Até o Seu Leito de Morte", lançado pela MS Metal Records.

A banda teve mudanças em sua formação e mesmo em sua musicalidade, já que o disco apresenta uma musicalidade híbrida entre o Metalcore e influências do Metal extremo, algumas levadas bem Djent, melodias à lá Gothenburg Death Metal e mesmo toques de HC em alguns momentos. A banda sabe o que faz, e musicalmente é envolvente, trazendo algo de novo ao cenário. 

E meus caros, "Viva Forte Até o Seu Leito de Morte" é um disco que gruda em nossos ouvidos, mostrando que o NO TRAUMA veio com disposição, metendo uma bicuda na porta e disposto a não só ocupar seu espaço, mas a conquistar cada vez mais fãs.

Produzido pelo próprio quarteto, o CD tem uma sonoridade bem caprichada, buscando aliar bem o peso de suas canções com a agressividade raivosa e as melodias preciosas que eles usam. E se saíram muito bem, pois a sonoridade está de bom nível. Poderia ser melhor, é verdade, mas está de bom nível.

A arte da capa é muito interessante, e o encarte é simples, mas bem feito. Ou seja, em termos gráficos, a banda preferiu algo um pouco menos complexo que o estilo costuma mostrar, e se saíram bem.

O ponto mais forte do NO TRAUMA é saber trabalhar bem suas músicas sem perder a naturalidade na execução. Não existem excessos musicais, tudo está bem feito e encaixados, a dinâmica entre os instrumentos e com os vocais está muito boa.

Melhores momentos:

"Fuga" - O dinamismo entre os instrumentos é ótimo, com aquela influência do Djent Metal bem clara aos ouvidos, especialmente nas guitarras. Mas o clima geral é agressivo, chegando a doer os ouvidos se exagerarmos nos ouvidos.

"Quimera" - Cheia de mudanças de andamento, variando entre a agressividade melodiosa de bandas de Melodic Death Metal e a técnica Metalcore/Djent da banda. Destacam-se baixo e bateria, que estão excelentes tecnicamente.

"M.M.A." - Aqui, o lado mais sombrio e introspectivo do Metalcore da banda está claro aos ouvidos, com arranjos de guitarra de primeira, fora os vocais estarem muito bem em todas as suas mudanças de tons de voz.

"Demoniocracia" - Uma forte crítica social nas letras, cujo corpo musical é uma música em que os elementos de HC e Metalcore se aliam a uma dose forte de Djent Metal, mostrando melodias preciosas. Mais uma vez, os vocais raivosos são o ponto forte da canção.

"Igualdade" - Raivosa e rasgada, esta música tem toda aquela aura forte e azeda do Metalcore/Djent Metal, mas reparem como melodias fortes e intensas vindas de Gotemburgo estão bem claras em meio a tanta agressividade. E que ótimos backing vocals.

"Viva Forte" - O andamento varia bastante de momentos mais amenos a outros puramente velozes e empolgantes. Óbvio que isso mostra a força da base rítmica da banda, que está muito bem mais uma vez.

No geral, o NO TRAUMA mostra que tem muito a dar ao cenário nacional, e que com a devida chance, "Viva Forte Até o Seu Leito de Morte" é um disco de primeira. Mas ao mesmo tempo, se percebe que a banda pode ir ainda mais longe, que tem potencial para fazer músicas ainda melhores.

Que venha o futuro, mas o presente é excelente.

Comentário(s):