5 de set de 2014

Die Young/Confronto - 7" Split (Split)

Nota 10,0/10,0

Por Marcos "Big Daddy" Garcia


É interesssante ver que os Splits ainda existem. Splits são LPs, CDs, EPs e outros em que duas bandas dividem espaço igual (no caso de vinil, uma banda em casa lado), com composições próprias. E mais prazeroso ainda ouvir e poder resenhar um Split contendo duas bandas tão boas, os norte-americanos do DIE YOUNG e os brasileiros do CONFRONTO.

O DIE YOUNG, de Houston, Texas, é uma banda de Hardcore que quase atravessa os limites do Crossover (algo visto com frequência pela escola HC americana da Costa Leste), com um som denso, pesado, rápido e muito agressivo (e pelo que se diz na página da banda no Facebook, já foram banidos do Canadá, negaram sua entrada na Romênia e mantidos sob suspeita na Malásia). Já o CONFRONTO é uma banda de transita ente o Hardcore Beatdown e uma pegada Crossover extremamente metalizada, e igualmente agressivo e raivoso, ora um pouco mais rápido, ora mais cadenciado e muito pesado. Unindo ambas em um Split, é pedir para a confusão acontecer, mas ao mesmo tempo, permite ver a amplitude musical de ambas, em uma comparação direta (mas sem que isso venha a diminuir o trabalho de uma em relação a outra, por favor). 

Produção muito boa para ambos os grupos, e a sonoridade com ótima qualidade e ficou bem limpa, clara e deixando tudo em seus devidos lugares, embora o DIE YOUNG prefira algo mais seco e direto, enquanto o CONFRONTO prefere algo mais intenso e com uma sonoridade mais cheia e bem acabada. Mas se preparem para terem os ouvidos dando sinal de ocupado por horas, pois é bem pesado e bruto!

Die Young
O DIE YOUNG entre com três pauladas: "Scum", a curta e tradicional "Alive with Madness" e "Drawn in Quarters", mostrando um poder de fogo absurdo, rápido e intenso. Em nada se vê as melodias da escola californiana de HC, mas muita agressividade seca, algo ríspido, com enorme força nas guitarras, baixo bem presente e com timbres mais graves (outra diferença da escola tradicional do HC), bateria com boa técnica e pegada muito pesada, e vocais vociferados com a típica fúria norte-americana. Óbvio que a banda tem seus momentos mais cadenciados, onde os bumbos duplos aparecem bastante e os riffs ganham um peso fantástico. E as letras são murros no mundo selvagem em que vivemos, por causa da ambição e corrupção que envolve e invade a todos, e em todos os dias.





Confronto
Já o CONFRONTO nos surpreende mais uma vez, já que "Immortal" e "My Hell" são versões em inglês de "Imortal" e "Meu Inferno", de seu último CD. A troca de idioma de forma alguma mutilou ambas as músicas, mas leva a banda a outro nível, fazendo sua mensagem azeda ser mais compreendida pelos ouvintes estrangeiros, levando a realidade caótica de nosso povo e nosso país a eles, mostrando que o panfletarismo de todas as instâncias dos governos no Brasil mentem descaradamente, e onde o povo passa necessidade. Mas ouvir o peso de "Immortal" e sua base rítmica perfeita, e a ganchuda "My Hell", com sua excelente interpretação dos vocais e riffs ferozes (mas acessíveis) é algo sempre maravilhoso.



Em suma: um Split que merece ser adquirido em cópia física, e que nos trás momentos de puro prazer auditivo (e tormento aos vizinhos chegados em modismos "bundeiros" ou gospel-ostentação).


Die Young:

Tracklist:

01. Scum
02. Alive with Madness
03. Drawn in Quarters


Banda:

White Devil - Vocais
Jefe - Guitarra base
Dawson - Guitarra solo
Gibson - Baixo
Wendel - Bateria


Contatos:



Confronto:

Tracklist:

01. Immortal
02. My Hell


Banda:

Felipe Chehuan - Vocais
Max Moraes - Guitarras
Eduardo Moratori - Baixo
Felipe Ribeiro - Bateria


Contatos:

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário.
Liberaremos assim que for analisado.

OM SHANTI!

Comentário(s):