7 de mai de 2017

SALÁRIO MÍNIMO – BEIJO FATAL (ÁLBUM)



1987
RCA
Nacional


Tracklist:

1. Dama da Noite
2. Beijo Fatal
3. Jogos de Guerra
4. Rosa de Hiroshima
5. Noite de Rock
6. Anjos da Escuridão
7. Doce Vingança
8. Sob o Signo de Vênus
9. Cabeça Metal (Bonus Track)
10. Delírio Estelar (Bonus Track)


Banda:


China Lee - Vocais
Junior Muzilli - Guitarras, backing vocals
Arthur Crom - Guitarras
Thomaz Waldy - Baixo
Nardis Lemme - Bateria


Contatos:

Site Oficial: 
Instagram: 
Bandcamp:
Assessoria:

Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Assumir que o Brasil é um país somente com uma vocação em termos de Metal, especialmente no que tange o Metal extremo, é uma das maiores falácias de todos os tempos. Tudo bem que existe a prevalência de bandas extremas hoje em dia. Mas lá atrás, antes mesmo de DORSAL ATLÂNTICA, VULCANO ou outros ganharem renome, a cena nacional tinha uma predominância mais voltada ao Hard’n’Heavy e ao Metal tradicional. Que o digam os discos mais seminais da época, como a pioneira coletânea “SP Metal I”, que trouxe um dos nomes mais interessantes daquela época: o então quarteto SALÁRIO MÍNIMO. E este, em 1987, viria com seu primeiro disco, o ótimo “Beijo Fatal”.

Já como quinteto, o grupo nos trás em “Beijo Fatal” um “blend” muito bem feito de Metal tradicional nos moldes de JUDAS PRIEST e nomes da NWOBHM com muita influência de bandas do Hard Rock como VAN HALEN, e muita personalidade. O estilo da banda é melodioso, a música flui envolvente, pesada e de muito bom gosto, sem falar que o grupo soa homogêneo, ou seja, todos contribuem para que “Beijo Fatal” soe muito bem aos ouvidos. E é justamente isso que faz do disco uma das pedras angulares do Metal nacional.

A produção de “Beijo Fatal”, para os dias de hoje, pode soar oca e mesmo datada. Mas o que se espera de um disco que completa 30 anos de lançamento em 2017, que foi gravado em parcos 16 canais? 

O bom e velho Luiz Calanca fez uma mixagem muito boa para a época, e os instrumentos soam bem definidos. E a capa evoca toda a força, bom gosto e sensualidade da música do grupo.

Há certo toque de virtuosismo no trabalho do grupo, pois a técnica é esmerada (mas não exagerada). Mas isso porque a formação do SALÁRIO MÍNIMO era toda de músicos excelentes e bem calejados, e se percebe isso especialmente nos duetos de guitarra, na técnica do baixo e na pegada de aço da bateria. Os vocais não necessitam de muita profundidade, pois o velho China Lee era um dos grandes vocalistas do Metal brazuca em seu tempo (e isso em uma época em que era difícil achar vocalistas de alto nível por aqui).

Falar das músicas de “Beijo Fatal” chega a ser um pouco pecaminoso, uma vez que a Hard’n’Heavy e provocante “Dama da Noite” (os vocais estão ótimos), a técnica de baixo e bateria mostrada na pesada e ganchuda “Beijo Fatal” (e que refrão!), a pegada pesada à lá NWOBHM de “Jogos de Guerra”, a versão pesada e atualizada de “Rosa de Hiroshima” do SECOS E MOLHADOS, o peso e melodia sedutores de “Noite de Rock”, a icônica “Anjos da Escuridão” e seu jeito Hard’n’Heavy de ser, além das melodias de fácil assimilação e peso envolvente de “Doce Vingança” e a linda balada “Sob o Signo de Vênus” (uma aula de interpretação nos vocais) já falam por si. E, além disso, a versão em CD tem como bônus as faixas “Cabeça Metal” e “Delírio Estelar”, as duas canções que originalmente fizeram parte da coletânea “SP Metal I”, e que ajudou a dar visibilidade nacional ao grupo.

Uma banda lendária, que merece muito respeito de todos. E “Beijo Fatal” ainda é capaz de dar arrepios nos fãs de Metal cuja cabeça está mais voltada à música do que em ideologias que mais nos separam do que nos permitem sermos nós mesmos: headbangers!

No mais, ouçam e vejam como a história do nosso cenário é linda e cheia de discos fabulosos.

Comentário(s):