7 de mai de 2017

ESCARNNIA - HUMANITY ISOLATED (ÁLBUM)



2017
Nacional

Nota: 9,1/10,0


Tracklist:

1. Total Death 
2. Condemned to Kill 
3. Eternal Hatred 
4. Rotten Spirit 
5. Humanity Isolated 
6. A Moment of Compassion 
7. The Evil Spell 
8. Suicidal Beliefs 
9. Suffering and Desolated 
10. Back in Time


Banda:


Ismael Santana - Vocais, guitarras
Valber Sousa - Guitarras
Natanael dos Santos - Baixo
Samuel dos Santos - Bateria


Contatos:

Site Oficial: 
Twitter: 
Instagram:
Bandcamp:
Assessoria:

Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Bandas e mais bandas andam surgindo e lançando discos em paragens que, anteriormente (ou seja, na época em que as mídias sociais inexistiam), pensava-se não existir esta possibilidade. Digamos que, além de se formar uma banda, é necessário ter acesso a instrumentos musicais de razoável qualidade e bons estúdios com técnicos qualificados. E isso tem se tornado uma realidade a cada dia. 

Logo, ver uma banda como o ESCARNNIA, vinda de Palmas (TO) não chega a ser algo que chegue a ser surpreendente. Mas o que realmente nos deixa surpresos é a qualidade das músicas do quarteto, que podemos ouvir em “Humanity Isolated”, primeiro disco da banda.

Com apenas 5 anos de formação e sem nenhum tipo de lançamento anterior, a banda arregaçou as mangas e botou a cara a tapa. O estilo é o bom e velho Death Metal tradicional à lá anos 90, com a diferença de que a banda não se furta a ser criativa ou de usar linhas melódicas bem definidas. A técnica instrumental é muito boa, assim como mostram composições inspiradas e cheias de energia. A personalidade do grupo ainda necessita de maior polimento, óbvio, mas estão no caminho certo.

A qualidade sonora de “Humanity Isolated” está um pouco crua demais para o tipo de trabalho que a banda faz. Está longe de ser ruim, sejamos francos, mas poderiam ter tido uma sonoridade um pouco mais bem acabada. Mas mesmo assim, se ouve perfeitamente os instrumentos do grupo, se compreende o que os vocais cantam, logo, está em um nível muito satisfatório. 

O ESCARNNIA possui muito a dar ao cenário nacional, uma vez que se percebe a empolgação do Thrash Metal, bem como a melodia do Metal tradicional dando as caras vez por outra em suas músicas. É clara a influência que nomes tradicionais tiveram no trabalho musical deles, mas os 5 anos de experiência e lutas foram mais que suficientes para que eles mostrasse personalidade. Sim, a banda mostra arranjos muito bons durante todo o disco, sem medo de ousar.

As dez canções são todas muito boas, e destacamos por mera referência para o leitor a pegada brutal e variada de “Total Death” (bastante técnica, boas mudanças de andamento e um trabalho muito bom de baixo e bateria) e de “Condemned to Kill” (onde a energia e empolgação do Thrash Metal se fundem a pegada opressiva do Death Metal, e onde as guitarras mostram como são versáteis e sabem usar boas melodias vez por outra), a azeda e bem trabalhada “Eternal Hatred” (o ritmo mais lento lhes permite mostrar uma diversidade rítmica ótima), a pegada Thrasher empolgante de “Rotten Spirit” com suas mudanças rítmicas de primeira, o amargor da cadenciada “Humanity Isolated” (mais uma vez, baixo e bateria mostram arranjos não muito comuns ao gênero, além dos vocais estarem muito bem), a rifferama forte e melodiosa de “The Evil Spell”, e a ganchuda e essencial “Back in Time”. Mas o CD inteiro mantém um nível de composição que mostra que esses sujeitos podem se equiparar os grandes nomes do estilo no Brasil em pouco tempo.

No mais, “Humanity Isolated” é uma mostra de como bandas do Centro-Oeste do Brasil são boas e podem vir a contribuir para o cenário.

Parabéns, ESCARNNIA!


Comentário(s):