7 de jul de 2017

POP JAVALI - Resilient (Álbum)


2017
Nacional

Nota: 9,5/10,0

Tracklist:

1. A New Beginning
2. Hollow Man
3. Drying the Memories
4. Reasonable
5. We Had It Coming
6. Shooting Star
7. Turn Around
8. Broken Leg Horse
9. Undone
10. Show You the Money
11. Resilient
12. Renew Our Hopes


Banda:


Marcelo Frizzo - Baixo, vocais
Jaéder Menossi - Guitarras
Loks Rasmussen - Bateria


Contatos:

Twitter:
Bandcamp:
Assessoria:


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


A resistência às provações impostas por público e cenário como um todo no Metal e no Rock no Brasil são motivos de desânimo para muitos. Verdade seja dita: é muito difícil conseguir continuar diante de tantas dificuldades, de tanto desprezo e muitas vezes, descaso. Mas para muitos, isso parece ser fonte de energia, e o POP JAVALI, de Americana (SP) parece ser desses que é movido a dificuldades. E não é à toa que o terceiro álbum do grupo tem por nome “Resilient”.

Podemos dizer que a experiência e tours fora do Brasil fizeram bem ao trio. E em “Resilient”, a banda soa mais pesada e coesa que antes, com muito mais enfoque em todo um “outfit” mais denso e intenso que antes, com mais “punch”. Mas mesmo mais agressivas, as linhas melódicas tradicionais do grupo ainda estão ali, bem como momentos em que o lado Classic Rock deles está evidente.

Traduzindo: o Hard’n’Heavy do POP JAVALI ganhou mais peso e agressividade, mas continua com a mesma identidade de sempre.

A produção de “Resilient” é de Andria e Ivan Busic, mais o próprio trio. As gravações, mixagem e masterização foram feitas no Busic Produções Studio (em Sampa City), e a banda caprichou: qualidade sonora digna de dinossauros do Rock, com as doses devidas de peso e melodia, mais timbres muito bem escolhidos.

De quebra, a arte de João Duarte (da JDuarte Design) ficou excelente, usando várias cores incomuns ao Rock e Metal atuais, e reforçando visualmente o lado mais clássico do trio.

Pesado e intenso, mas dinâmico e com ótimas melodias o trio faz de “Resilient” uma experiência ótima para nossos ouvidos. Sabendo equilibrar todas as influências de sua música, o trio vai muito bem por todo o disco. E que arranjos ótimos!

Destaques em um disco bem homogêneo:

“Hollow Man” - É um dos momentos mais pesados do disco, com riffs caprichados e uma base rítmica pesada e coesa. Os tempos são variados, com algumas influências de estilos mais extremos em certos momentos, e sem falar que os timbres de voz um pouco mais agressivos de Marcelo estão muito bons.

“Drying the Memories” - Outra com muito peso e melodia estão associados a certo ranço mais moderno nos timbres dos instrumentos. Mais uma vez o andamento está muito conciso, sem contar a bela debulhada de Jaéder no solo (virtuoso sem ser pedante).

“Reasonable” - Aqui a agressividade cede mais espaço às melodias, remetendo ao estilo Classic Rock à lá DEEP PURPLE e URIAH HEEP do trio. O peso continua evidente, mas com arranjos musicais muito bem elaborados. Destaque para Loks na bateria, com levadas pesadas muito boas.

“We Had It Coming” - Um toque de acessibilidade musical se faz presente, justamente porque as melodias se tornam mais simples (embora existam partes mais trabalhadas), refrão justinho e empolgante, e belo trabalho dos vocais e guitarras (reparem como existem alguns detalhes das seis cordas muito bons em vários momentos).

“Turn Around” - Uma música mais intimista e com influência de daquele Rockão com jeito mezzo Progressivo mezzo Blues. Lindas melodias, ótimos vocais e é uma música que faz bem ao coração e à mente de uma vez só.

“Broken Leg Horse” - Outro típico Rockão de pôr a casa abaixo e fazer com que nossos espíritos se encham de alegria. Também bem acessível, ela tem um toque de boogie bem interessante, algo herdado do Classic Rock.

“Undone” - A banda cai um pouquinho mais para o Progressivo, mas sem deixar seu lado Hard de lado. E como alguns tempos mais quebrados mostram o quanto baio e bateria estão bem.

“Resilient” - E eles resolveram voltar ao lado mais pesado do início do álbum, mostrando uma dinâmica mais voltada ao Metal puro e simples, embora alguns momentos melodiosos mais Progressivos estejam muito bons.

“Renew Our Hopes” - Uma canção que coloca junto influências de DEEP PURPLE, GENESIS e alguns toques mais acessíveis. E é incrível como você sente uma energia forte e sutil tomando conta de nossos corações, algo bem positivo, e com lindos arranjos vocais e belas guitarras.

No mais, o POP JAVALI se mostra forte, revigorado e pronto para novos desafios. E “Resilient” é um forte candidato a um dos melhores discos de 2017!

Comentário(s):