18 de fev de 2017

TRIGGER – Trigger (EP)


2016
Independente
Nacional

Tracklist:

1. Born Again  
2. Satisfaction  
3. Rhythm of Love 
4. Don’t Stay Away  


Banda:


Gabriel Heiligen - Vocais, guitarras
Ícaro Bastos - Baixo, teclados, backing vocals
Aquilas Gomes - Bateria, backing vocals


Contatos:


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Fazer Metal ou Rock no Brasil, apesar das muitas dificuldades, é uma questão de amor aos gêneros. Só isso pode explicar o porquê um estilo musical que não sustenta financeiramente os músicos (salvo raras exceções). E mesmo com tantas labutas, ainda surgem bandas ótimas de Norte a Sul, de Leste a Oeste, criando álbum, EPs ou Singles de qualidade, justamente no momento em que o politicamente correto (inimigo do Rock por natureza) anda ditando regras e gerando infinitos “mimimis” dentro da cena, visando silenciar a transgressão e rebeldia.

Por isso, bandas como o TRIGGER, de Salvador (BA) são importantes e merecem aplausos, pois transgredir e se rebelar são as fontes de sua energia, que podemos comprovar em seu homônimo EP de estréia.

Chocantes visualmente como bandas de Sleaze Rock, a energia de seu Glam Metal/Hard Glam é envolvente, pegajosa e de primeira. Aqui, o som que encantava gerações na Sunset Strip está presente, firme, forte e com uma pegada mais atualizada e um pouco mais eclética do que na época (devido às influências musicais do trio). E ainda assim, a música do grupo é envolvente, viciante e de bom gosto. É ouvir e sair cantarolando.

Gravador no Estúdio Caverna do Som em Salvador (B), e mixado por Jonas Godoy no Linha Sonora Studios no (RS), em termos de qualidade sonora, “Trigger” é bem feito, com bons timbres instrumentais e aquela sujeira essencial para o estilo. Poderia ser um pouquinho menos cru, mas está muito, muito bom mesmo. 

E a arte da capa (muito legal, por sinal) nos relembra o clima de “Up All Night, Sleep All Day” que regiam os gloriosos anos da Sunset Strip, e é um recado da banda diretamente aos bons moços de qualquer vertente de pensamento, seja conservador ou politicamente correto: aqui você não entra, xô!

Vocais bem feitos, guitarras excelentes em riffs ganchudos e solos melodiosos, baixo e bateria firmes na base rítmica, mas com um requinte muito bom, backing vocals bem encaixados, e refrãos grudentos em profusão, mais arranjos bem cuidados e músicas altamente viciantes é o que o TRIGGER nos oferece. E é muito bom que aceitem!

“Born Again” é uma típica faixa de abertura do gênero, com aquela pegada cheia de energia, com riffs simples e eficientes, fora um refrão que não sai mais da cabeça. Em “Satisfaction”, o ritmo fica mais cadenciado e pesado, dando espaço para baixo e bateria mostrarem seu peso e técnica. Já em “Rhythm of Love”, temos uma maior dose de acessibilidade musical, um jeitão um pouco mais descompromissado e puramente Rock’n’Roll de ser que gruda nos ouvidos, recheada de riffs de guitarra de primeira. E fechando, “Don’t Stay Away” é uma faixa um pouco mais encorpada, altamente acessível, flertando com o Hard Pop, mas muito bem cuidada, e os vocais encaixam perfeitamente, o refrão é um grude só.

Impressionante, de bom gosto e merecedor de aplausos, “Trigger” está disponível para a audição nas seguintes plataformas digitais:

Google Play: https://goo.gl/hapr79 

Agora, ouçam e Let the Good Times Roll!

Comentário(s):