20 de out de 2016

MAGISTER – The Magister (Remastered - Álbum)


2016
Nacional

Músicas:

1. Thy Birth (instrumental)
2. Rising of the Crown
3. Rain (Falling Tears)
4. Cemetery of Dreams
5. Edge of Clouds
6. Genghis Khan (Running Wild cover)
7. The Neverland Waltz (instrumental)
8. The Truth About the Lies
9. Massacre - Part I: Command of Death
10. In Straight Line
11. From Beyond the Grave
12. Rain (Falling Tears) (2008 Demo Version)


Banda:


André Evaristo - Vocais, guitarras, efeitos
André Mellado - Baixo, efeitos
Pedro Alzaga - Bateria


Contatos:



Nota:

Originalidade: 8
Composição: 9
Produção: 7

8/10


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Já viram aqueles discos que você leva anos para ouvir, e quando consegue ter aquele seu momento especial com ele, se arrepende de não ter ouvido, ou mesmo conhecido, antes o trabalho?

Pois é a clara impressão que temos ao ouvir a versão remasterizada de “The Magister”, primeiro disco da banda MAGISTER, que na época da gravação (originalmente, é de 2000), já contava com músicos que viriam a se tornar bem conhecidos: André Evaristo (ex-vocalista/guitarrista do TORTURE SQUAD), André Mellado (baixista do WOSLOM), e Pedro Alzaga (baterista que tocou no LETHAL CURSE e no OF THE ARCHAENGEL). 

Aqui, temos um Metal tradicional com clara influência europeia (em especial da escola germânica do gênero) que esbarra no Progressive Metal vez por outra, com alguns elementos experimentais do Rock Progressivo setentista, e muita personalidade. Óbvio que hoje pode parecer algo já feito, mas na época era algo bem novo. Mas o que foi bom continua sendo bom, logo, o trio acerta a mão e nos envolve com sua música cheia de energia, espontaneidade e personalidade.

Originalmente, Luiz Abbondanza e Célio Barros produziram o disco em conjunto com a banda, e os dois primeiros dividiram a responsabilidade da mixagem com Gustavo Scremin. Gustavo ainda é o responsável pela remasterização do disco. Óbvio que a sonoridade é um pouco crua para os padrões atuais, mas sem que o disco perca peso, energia ou clareza. Está muito bom, com bons timbres e cada instrumento em seu devido lugar.

A arte da capa é um trabalho ótimo de Markus Saint, deixando claro que o grupo não respeitaria fórmulas ou regras pré-estabelecidas. Ela é abstrata, quase hipnótica, e nos atraia.

“The Magister” é um ótimo álbum, com músicas de primeira, sempre primando por ótimos arranjos, feitos com qualidade, e boa dinâmica entre os instrumentos. E o produtor Célio Barros ainda deu uma canja no baixo de seis cordas, sintetizador analógico, e no piano.

Melhores momentos:

“Rising of the Crown” – Aqui se percebe claramente a influência do Metal germânico, com aquele peso fundamental e boa dose de agressividade. Os vocais usam e abusam de tons altos, mas o destaque vai mesmo para o ótimo trabalho de baixo e bateria, que guiam os andamentos muito bem.

“Cemetery of Dreams” – Mais melodiosa, mas com boa velocidade, é uma música realmente grudenta, acessível e bem feita, mas com muito boa dose de técnica. Com um refrão de primeira, se destacam bastante o trabalho das guitarras e dos vocais.

“Genghis Khan” – Sim, é uma versão para a velha canção do RUNNING WILD. Eles deram uma dose extra de peso, com um trabalho de baixo e bateria mais técnico e pesado que o da versão original. E é interessante ver a diferença entre os vocais limpos de André, tão diferente do timbre rasgado da original.

“The Truth About the Lies” – O andamento com velocidade um pouco menor ajuda a música a ganhar mais peso, e assim, percebemos melhor como as guitarras estão afiadas e tecendo melodias lindas, mesmo quando a velocidade aumenta.

“In Straight Line” – O peso e a agressividade crescem, mas ao mesmo tempo se sente uma tendência moderna nela, algo mais experimental, com o uso de alguns vocais mais agressivos. 

For a elas, o lado extremamente experimental do grupo está evidenciado nas instrumentais “Thy Birth” e “The Neverland Waltz”, e também em momentos recheados de efeitos como “Massacre - Part I: Command of Death” e “From Beyond the Grave”. E como bônus, temos a versão Demo de “Rain (Falling Tears)”.

No mais, “The Magister” soa atual e forte, e assim, é um aperitivo para o próximo lançamento, o EP "In The Kingdom of the Blind", que sai no dia 28/10.

Ótimo trabalho!

Comentário(s):