5 de dez de 2014

Andsolis - Vigil (CD)

Nota 10,0/10,0

Por Marcos "Big Daddy" Garcia


O número de bandas que surgem nos dias de hoje é impossível de ser medido. Não dá, sempre surgem bandas novas em todos os cantos do mundo, e isso de certa forma causa uma dispersão dos fãs de Metal, fato ainda mais agravado por regras radicais sem sentido, divisionismos e outros fatores. e por conta de tudo isso, algumas excelentes bandas quase nos passam desapercebidas. A propaganda, hoje em dia, é a chave do sucesso para uma boa banda (mas sem talento, também não adianta nada), e ainda bem que a Shinigami Records, em um ato de heroísmo, remando contra a maré mercadológica em um momento que o MP3 gratuito anda prejudicando demais o cenário, trouxe ao mercado nacional mais um excelente nome: o do septeto alemão ANDSOLIS, que chega com seu primeiro trabalho, o viciante e excelente "Vigil". É mais um CD que chega a todos pela parceria do selo brasileiro com a Quality Steel Records da Alemanha.

O nome da banda significa "Em oposição ao Sol" em nórdico antigo. E sua música pode ser definida como "Melodic Progressive Death Metal", ou seja, é uma banda de Death Metal que lança mão de uma gama bem vasta de influências musicais para criar algo espantosamente ótimo, sem que tantos elementos soem dispersos em meio à música. A mistura de vocais guturais e limpos (à lá VINTERSORG e BORKNAGAR), riffs e solos maravilhosos que misturam técnica, melodia e boa dose de agressividade), base rítmica forte e pesada, com boa técnica, e belas incursões de teclados, com tudo na medida certa, faz de "Vigil" um vício para os fãs do gênero. E mesmo para outros fãs de outras vertentes que ouvirem o disco, já que a mistura de brutalidade com momentos mais melodiosos, outros amenos e outros ainda mais introspectivos, é de excelente qualidade.

A qualidade sonora é crua, mas muito boa, apesar de não ser nenhuma super-produção do gênero. Soa pesada e limpeza suficiente para que os instrumentos soem audíveis separadamente, sem que exista a sobreposição de um ou outro. Não, longe disso, Marc Ayerle (que produziu, mixou e masterizou o álbum, além de dar uma canja nas guitarras e teclados) soube dosar tudo comedidamente, colocando cada coisa em seu devido lugar, e pondo timbres nos instrumentos o mais próximo da forma mais tradicional do Death Metal. A arte de Juanjo Castellano para a capa e layout do encarte não só é bem escolhida para dar corpo à música do grupo, mas resgata um pouco o estilo visto em muitas capas de discos de Death Metal do início da década de 90.

Andsolis
O septeto mostra que consegue, dentro dos moldes que eles mesmos estabeleceram para sua música, fazer um trabalho musical com esmero e sabedoria. Arranjos muito bem cuidados, dinâmica rítmica que varia de forma não abrupta, embalando o ouvinte sem problemas, e fazendo de "Vigil" um CD obrigatório. E isso em sete faixas longas, sendo que a menor passa tranquilamente dos cinco minutos. E sem que as músicas soem cansativas aos nossos ouvidos!

"Stand Vigil" é pesada, um pouco mais azeda e com ótimo trabalho da cozinha rítmica, mas as incusões de vocais limpos épicos realmente são fantásticas, e lá se passam nove minutos como se nada fossem. Em "Kingdoms Without Shape", música do vídeo de divulgação, tem um clima um pouco mais melancólico, dominada principalmente por vocalizações limpas, mas quando os vocais guturais aparecem, a música se torna bem agressiva, mas não se iludam: ela muda muito de andamento, logo, existem grandes variações. E mais mudanças de ritmo, com belo trabalho das guitarras é o que nos aguardam em "In Silent Confidence", e sem contar que a presença dos teclados dão um certo toque de Progressivo à canção em muitos momentos. Levemente mais bruta e agressiva é "The Mystic", mas se prestarem atenção, por volta dos 3 minutos, surge um momento ameno e mais tenebroso, com arranjos de pianos e guitarras limpas. A precisão e lindas melodias de guitarras dão a tônica em "Days of Receding Light", mais a excelente técnica, momentos limpos, e não é exagero dizer que chegam muito perto de serem um DREAM THEATER Death Metal ao ouvir esta canção (só que mais coeso e centrado na música). Ao ouvir "Meridian Smiles", vemos que ela já inicia mais bruta e opressiva, mas logo surgem momentos em que surgem elementos de Jazz, Progressivo e outros vão se misturando e dando um toque único e personalizado ao trabalho do grupo, abrilhantado mais uma vez pelo contraste de vocais urrados e limpos. Fechando o álbum, temos a excelente "The Laughter Echoes", uma faixa mais introspectiva, toda em momentos limpos, beirando o Progressivo/Folk Rock, elegante e encaixada com a proposta totalmente avantgardê do grupo.

O ANDSOLIS é algo de maravilhoso, e a Shinigami Records está de parabéns por tornar um CD tão bom e maravilhoso acessível aos fãs. Logo, compre a sua cópia o mais rápido possível!

E o CD pode ser adquirido aqui.




Músicas:

1. Stand Vigil
2. Kingdoms Without Shape
3. In Silent Confidence
4. The Mystic
5. Days of Receding Light
6. Meridian Smiles
7. The Laughter Echoes


Banda:

Manuel Siewert - Vocais
Oliver Kilthau - Vocais
Stefan Rosenmayer - Guitarras
Simon Abele - Guitarras
Martin Pohl - Teclados
Bryan Zwiers - Baixo
Marco Tecza - Bateria


Contatos:

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário.
Liberaremos assim que for analisado.

OM SHANTI!

Comentário(s):