24 de ago de 2012

Dark Angel – Leave Scars (CD)



Shinigami Records – Nacional
Nota 10
Por Marcos Garcia

Resgatar as raízes de um estilo musical é um trabalho que requer boa vontade e imenso know-how, para tirar das trevas certos títulos ou que são importantes historicamente, ou que são excelentes. A Shinigami Records, mostrando que se importa com esse aspecto, pôs nas prateleiras das lojas a versão nacional do clássico ‘Leave Scars’, terceiro disco do quinteto norte-americano DARK ANGEL, lançado originalmente pela Combat Records em 1989.
A banda sempre teve problemas com sua formação, pois desde o primeiro disco, ‘We Have Arrived’, nunca conseguiram gravar o disco subsequente com os mesmos membros. Entre ‘Darkness Descends’ e este, saiu o vocalista Don Doty, bastante carismático e com uma voz diferenciada, e a apreensão pelo futuro entre os fãs. Mas como a banda não iria parar, logo entra Ron Rineheart, um ilustre desconhecido, mas que não só segurou a barra, como se impôs e se tornou referência. O próprio estilo da banda, antes bem calcado no SLAYER, deu uma lapidada e ficou mais pessoal, técnico e com boas melodias, e a agressividade dos discos anteriores ainda está ali, um pouco menos evidente, devido à gravação estar bem melhor, pois a produção de Michael Monarch e da própria banda deram uma vida e polidez não vista antes, bem como expôs a técnica dos cinco de forma indelével.
A capa faz referência direta à letra de ‘Death of Innocence’, sobre o pesadelo da pedofilia que assola nosso mundo, nascido da mente distorcida de muitos, e a apresentação atual é um passo à frente da original, pois este CD guarda algumas ‘surpresinhas’ extras.
Falar deste CD é chover no molhado, já que suas músicas dispensam comentários elogiosos, mas para os que não conhecem a banda (o que seria uma heresia), vamos nós. Abrindo, temos a arrasadora de pescoços ‘The Death of Innocence’, onde Ron canta com velocidade ímpar, bem como as guitarras de Eric e Jim estão afiadíssimas nas bases e solos, bem como a base rítmica de Mike e Gene está pesadíssima e variada; ‘Never to Rise Again’ é aquela faixa energética e não tão rápida tradicional, com ótimo refrão; a velocidade retorna em ‘No One Answers’, uma patada Thrash com um trabalho de bateria absurdo; ‘Cauterization’ é uma instrumental absurdamente pesada, com destaque para as bases de guitarras absurdamente pesadas; um cover do LED ZEPPELIN entra fazendo bonito em ‘Immigrant Song’, só que com uma roupagem mais Thrashona, e vocais abusivamente rascantes; ‘Older than Time Itself’ é uma pedrada que começa mais cadenciada, para logo virar um caos abusivamente rápido e violento, que leva ao banging com muita facilidade; ‘Worms’ é uma mini-instrumental mais densa e climática, focada mais numa atmosfera de pesadelo; ‘The Promise of Agony’ é outra faixa em que a tônica não é a velocidade, mas o peso, mas assim mesmo, abusa de uma agressividade extrema; e fechando o CD, a avassaladora ‘Leave Scars’, onde a técnica de todos na banda se sobressai bastante, mas Gene rouba a cena com seu trabalho extremamente técnico nas baquetas. E as surpresas são as versões ao vivo de ‘The Death of Innocence’, ‘No One Answers’, ‘Leave Scars’ e ‘Never to Rise Again’, com qualidade de som razoável e mostrando uma banda bem afiada ao vivo, em uma época em que overdubs não eram feitos aos montes como nos dias de hoje. A banda se expunha mesmo, sem medos. E uma pena que não chegaram a expressão do Big Four, e que a banda não esteja na ativa... Mas como eles andam por aí, não custa torcer!
Histórico, importante demais, e obrigatório na coleção de qualquer um, acompanhado de belas doses de remédios para torcicolos.

Intro - The Death of Innocence

Tracklist:

01. The Death of Innocence
02. Never to Rise Again
03. No One Answers
04. Cauterization (instrumental)
05. Immigrant Song (Led Zeppelin cover)
06. Older than Time Itself
07. Worms (instrumental)
08. The Promise of Agony
09. Leave Scars
10. The Death of Innocence (live)
11. No One Answers (live)
12. Leave Scars (live)
13. Never to Rise Again (live)


Formação:

Ron Rinehart – Vocais
Eric Meyer – Guitarras (base e solo), backing vocals
Jim Durkin – Guitarras (base e solo), backing vocals, violino, vários instrumentos
Mike Gonzalez – Baixo, backing vocals
Gene Hoglan - Bateria, guitarras (bases), vários instrumentos, backing vocals 


Contatos:

https://www.facebook.com/pages/Dark-Angel-Thrash-Metal-Band-/124726210932328
http://www.myspace.com/2326071



Comentários
0 Comentários

Comentário(s):