1 de set de 2016

D.I.E. - D.I.E. II (EP)


2016

Independente
Nacional

Nota: 8,5/10,0

Músicas:

1. Truth Like Yourself
2. Religion
3. Space to Destroy
4. Lost


Banda:

Charles Guerreiro - Vocais
Hell Hound - Guitarras
Roger Voorhees - Baixo
Mortiz Carrasco - Bateria


Contatos:

Metal Media (Assessoria de Imprensa)


Texto: Marcos "Big Daddy" Garcia

Enquanto isso, em Botucatu...

Sim, a região de Botucatu anda há tempos revelando bons nomes em termos de Metal nacional. 

E um dos nomes mais interessantes da região é o do quarteto de Crossover/Metal D.I.E. Sim, o grupo andou evoluindo seu som diante do que foi apresentando no primeiro trabalho do grupo, o EP "D.I.E", e se preparem, porque "D.I.E. II" já nasceu um quebra-pescoços de primeira linha.

Antes de tudo, podemos dizer que a técnica musical do quarteto deu uma bela evoluída, os elementos musicais do grupo estão mais coesos. Continua bruto e agressivo como uma manada de búfalos, com aqueles toques de Groove/Thrash Metal à lá PANTERA aqui e ali, mas ao mesmo tempo, algum refinamento moderno está presente. Os vocais melhoram muito, ficando com timbres bem secos e agressivos, mas inteligíveis; as guitarras estão com riffs certeiros, usando uma simplicidade envolvente em seu favor, e aproveitando de alguns momentos para mostrar uma boa técnica, mas sem destoar; e a cozinha rítmica do grupo está ótima, usando boas conduções de dois bumbos e algumas mudanças rítmicas simples, mas coerentes com a musicalidade que o quarteto se propõe a fazer. E digamos de passagem: é de primeira, rasgando os tímpanos dos menos acostumados, e causando torcicolos em muitos.

O ponto-chave que explica essa melhora está justamente na produção. Fabiano Gil, Umberto Buldrini e o próprio grupo se esforçaram bastante para darem ao EP uma sonoridade brutal e pesada, mas que fosse mais clara, nos permitindo compreender completamente o que eles estão tocando, e o que eles querem de sua música. E Thiago D'Angelo criou uma capa bem interessante, um negativo em relação à capa do primeiro EP, quase que mostrando que o D.I.E. aprendeu lições importantes com shows e labutas, e está disposto a se impor no cenário nacional.

E eles têm música para isso, verdade seja dita!

Com a evolução musical do quarteto, veio junto uma vontade de vencer enorme. E essa vontade se traduz em quatro canções ríspidas, mas com uma qualidade diferenciada, mostrando que finalmente a personalidade do D.I.E. está sendo exposta. Arranjos bem feitos, agressividade embalada por um trabalho musical bem polido, mas sem que a banda perca seu lado despojado, e de certa forma, crítico e irônico.

"Truth Like Yourself" - Uma música pesada, com um andamento que varia bastante, mostrando uma dinâmica excelente entre a cozinha rítmica da banda e os riffs. Mas cuidado, pois a agressividade do quarteto está bem extremada.

"Religion" - Outra música bruta, mas onde vemos que esta estética agressiva da banda com certo alinhavo mais refinado, buscando deixar o trabalho da banda mais coeso. E reparem como os vocais estão raivosos, urrados, mas com boa dicção.

"Space to Destroy" - Enquanto as outras músicas mal chegam aos três minutos de duração, aqui o grupo lança mão de uma faixa mais longa, com mais de cinco minutos de duração. Mas é justamente onde o D.I.E. mostra versatilidade, com um andamento mais cadenciado, transformando esta é uma canção opressiva, onde o contraste azedo dos vocais e riffs nos deixa boquiabertos. E não deixem de ouvir como baixo e bateria estão em grande forma, conduzindo bem o ritmo com uma dose extra de peso.

"Lost" - Aqui, mais uma vez a banda usa um fundo mais cadenciado, mas evidenciando uma boa técnica em cada instrumento. Sim, o quarteto sabe tocar muito bem, e usa isso em seu favor, criando mais uma música grudenta e bruta, com toques modernos, sem deixar de soar intenso e bruto.

Desse jeito, podemos dizer que o D.I.E. está pronto para lançar seu álbum próprio. E o Metal extremo "Made in Botucatu" mostra a cara para o mundo.

Ouçam, caiam no moshpit e apreciem sem moderação alguma. Os Botucatu Bloody Freaks são a banda certa para isso!

Comentário(s):